Ver mais

Arte fracionada pode abrir o mercado? Esse CEO acha que sim

5 mins
Por Josh Adams
Traduzido Júlia V. Kurtz

EM RESUMO

  • O mercado de arte mudou, com barreiras de entrada menores e propriedade fracionada de obras de arte premiadas.
  • Os investimentos em arte contemporânea superaram o S&P 500, tornando o mercado uma opção atraente para investidores.
  • A propriedade fracionada pode beneficiar artistas conhecidos e emergentes, fornecendo maior visibilidade e suporte financeiro.
  • promo

O mercado de arte mudou muito nos últimos anos. Agora, com empresas de arte fracionada baseadas em blockchain, investir em arte não é apenas domínio de investidores ricos ou institucionais.

O CEO da Freeport, Colin Johnson, falou ao BeInCrypto sobre tokens de segurança, registro na SEC e por que artistas menores podem se beneficiar de um mercado mais aberto.

Leia mais: 4 criptomoedas que podem atingir novas máximas em julho de 2024

Antigamente, investir no mercado de arte significava assistir a um leilão em uma casa como a Sotheby’s ou a Christie’s em Nova York ou Londres. Ou você enviaria um licitante proxy para lutar pela obra de arte em seu nome.

No final do evento, você iria para casa com uma obra de arte premiada ou não. Agora, as barreiras à entrada são menores, com os investidores não precisando mais possuir um item inteiro. Hoje, os colecionadores podem possuir “ações” em uma peça no que é conhecido como propriedade fracionada.

Mercado de arte tem desempenho melhor que o S&P 500

Há muito dinheiro a ser ganho no mercado de arte contemporânea. Nos últimos 25 anos, estes investimentos superaram o S&P 500, um índice do mercado de ações que acompanha o desempenho de 500 grandes empresas de capital aberto nos Estados Unidos.

Arte fracionada pode abrir o mercado? Esse CEO acha que sim
Fonte: Statistita

Os números do DollarSprout mostram que a arte oferece consistentemente retornos médios de 7,6% ao ano. (Embora, um relatório do Citi GPS coloque retornos anuais de até 14%.)

De acordo com o Statistita, esses retornos são quase idênticos ao ouro, que registrou um retorno médio anual de 7,78% de janeiro de 1971 a dezembro de 2022. Para comparação, commodities – como petróleo bruto, gás natural e trigo – tiveram retornos médios anuais de 8,3%. O caixa americano, por outro lado, registrou apenas 4,23% no mesmo período.

Portanto, embora nem todos concordemos com as qualidades estéticas da arte, é seguro dizer que o mercado de arte contemporânea é bom para encher seus bolsos, mesmo que seus gostos estejam em outro lugar.

Propriedade Fracionada de Arte

A Masterworks, fundada em 2017, foi a primeira a permitir que os investidores possuíssem parte de uma obra de arte, tratando-a mais como um ativo financeiro do que como um produto criativo (uma inovação que não agradará a todos).

No entanto, as barreiras à entrada ainda eram bastante altas para a maioria, exigindo um buy-in mínimo de US$ 15.000. Uma soma considerável para o investidor cauteloso. Depois, há uma taxa de administração anual de 1,5% que inclui segurança, seguro e custos relacionados.

No entanto, um relatório do jornal da indústria ARTnews revelou sinais de que o pioneiro da propriedade fracionada pode estar com problemas, com fontes dizendo à revista sobre “estratégias de negócios conflitantes, divergências entre a gestão e equipes-chave… práticas de recursos humanos inexistentes” e “eticamente questionáveis” e táticas de venda potencialmente ilegais e estruturas de incentivo aos funcionários.

O Freeport de Johnson, portanto, é a tentativa de dar outra chance à ideia, com os benefícios adicionais do blockchain. Seu modelo usa “tokens de segurança” – tokens digitais em um blockchain que representam a propriedade de ativos do mundo real.

Eles “ainda são um conceito relativamente novo, mesmo nas sociedades tecnologicamente mais avançadas”, explica Johnson. “Eles ainda não são amplamente compreendidos”.

“O conceito de tokenização, especialmente quando vinculado a ativos tangíveis como obras de arte, apresenta uma nova e empolgante oportunidade de aumentar o acesso global a ativos de valor que antes eram inacessíveis para muitos”, continuou ele.

Ao contrário de Masterwork, o buy-in mínimo para uma fatia de uma impressão de Warhol (uma das dez mil “ações”), por exemplo, é de dezenas a centenas de dólares.

Uma rota de conformidade em primeiro lugar

Nos Estados Unidos, a Freeport já tem permissão da Comissão de Valores Mobiliários do país (SEC) para vender títulos do Regulamento A. Um alívio bem-vindo para os investidores que assistem ao drama regulatório em andamento no mundo das criptomoedas.

No dia 5 de junho, a SEC acusou a Binance, a maior exchange de criptomoedas do mundo, e seu fundador, Changpeng Zhao, de 13 acusações de violação das leis de valores mobiliários. No dia seguinte, em uma dramática dobradinha, a SEC atingiu a segunda maior exchange do mundo, a Coinbase, com acusações semelhantes.

A SEC sob Gary Gensler também acusou várias outras empresas de criptomoedas que operam nos Estados Unidos.

Arte fracionada pode abrir o mercado? Esse CEO acha que sim
Fonte: Citi GPS

“Navegar no regulamento da SEC Uma revisão é um processo complexo que exige divulgação financeira rigorosa e conformidade legal”, explicou Johnson. Ele continuou:

“Esse processo se torna especialmente difícil quando se leva em consideração o mercado de ativos digitais geralmente não regulamentado. A Freeport optou por construir com uma abordagem de conformidade em primeiro lugar. Nossa equipe estava comprometida com a transparência e a meticulosidade em nosso processo de inscrição, o que acreditamos ter contribuído para nossa liberação regulatória bem-sucedida, apesar do difícil ambiente de aplicação”.

Uma barreira à aprovação da SEC, e uma das razões pelas quais algumas empresas a evitam, é o longo processo de aprovação. Ser auditado, redigir documentos e reunir a papelada pode levar de nove a doze meses, disse Johnson.

SEC aplica leis mobiliárias de 1930

O segundo problema, disse Johnson, é o custo. “Nosso primeiro escritório de advocacia queria US$ 350.000 apenas para o registro A, por exemplo. Conseguimos reduzir isso usando uma empresa mais eficiente, mas ainda é considerável”.

A barreira final, em suma, é a própria aprovação. Como qualquer pessoa familiarizada com o mandato de Gary Gensler como presidente da SEC notará, o regulador está empenhado em aplicar as leis de valores mobiliários da década de 1930 à tecnologia do século 21, incluindo qualquer coisa relacionada à criptomoedas.

“A SEC está muito disposta a trabalhar com você se o que você está construindo se encaixa nos limites de valores mobiliários que têm um precedente”, continuou Johnson. Ele elaborou:

“Para nós, os tokens emitidos podem ser diretamente correlacionados a algo familiar – ações. Apoiar-se nessa familiaridade é o que nos permitiu ser aprovados. Grande parte da regulação da SEC é sobre entidades que optaram por não solicitar qualificação. Escolhemos especificamente a rota mais longa para não acabarmos nessa posição”.

Tenha uma parte de um Warhol

Plataformas como Freeport visam oferecer a capacidade de possuir parte de uma obra-prima instantaneamente reconhecível. No caso da empresa de Johnson, os investidores podem escolher, por exemplo, entre algumas das obras mais notáveis de Andy Warhol.

No entanto, embora o apelo da propriedade parcial de um Warhol seja óbvio, a propriedade fracionada pode funcionar para artistas menos notáveis?

Johnson disse que artistas com menos exposição ainda se beneficiam. “Ao tokenizar seu trabalho, eles podem acessar um mercado global de investidores e amantes da arte.

“O que pode fornecer maior visibilidade e apoio financeiro. Além disso, os investidores têm a oportunidade de apoiar artistas emergentes e potencialmente colher os benefícios se as obras desses artistas se valorizarem com o tempo”.

Então, o que vem a seguir para um inovador neste espaço?

Como outros em cripto, blockchain e DeFi, a Freeport está de olho na próxima onda de oportunidades de investimento. À medida que a regulamentação sobre ativos digitais se estabelece, Johnson e sua equipe estão explorando vários caminhos.

Isso inclui empréstimos contra tokens de arte, troca de tokens em exchanges e visualização de ativos de arte em cadeias.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedas. Confira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Julia.png
Júlia V. Kurtz
Editora do BeInCrypto Brasil, a jornalista é especializada em dados e participa ativamente da comunidade de Criptoativos, Web3 e NFTs. Formada pelo Knight Center for Journalism in the Americas da Universidade do Texas, possui mais de 10 anos de experiência na cobertura de tecnologia, tendo passado por veículos como Globo, Gazeta do Povo e UOL.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados