Quais criptomoedas são mais verdes?

Atualizado por Júlia V. Kurtz

Criptomoedas verdes: a próxima atualização do Ethereum para prova de participação (PoS) se traduz em uma redução de 99,95% no consumo de energia. O mesmo acontece com outras criptomoedas PoS que usam validação econômica em vez de poder de computação de mineração.

Este é um extrato do novo e-book para download gratuito do Be[In]Crypto, chamado Sustainability and Cryptocurrencies: An Analysis. Faça o download aqui.

Aqui estão alguns dos projetos de criptomoedas mais proeminentes que foram desenvolvidos como prova de participação desde o início.

Criptomoedas Verdes: Efinity

Um esforço do projeto Enjin focado em NFT e jogos, o Efinity é uma blockchain construída na rede Polkadot. A rede está tentando se colocar como o principal desenvolvedor de experiência NFT amigável que roda a baixo custo e alta velocidade. Ele se descreve como uma rodovia NFT, em oposição a uma blockchain de computação geral.

O Diretor de Tecnologia da Enjin, Witek Radomski, falou sobre o uso da Polkadot e sua natureza ecologicamente correta, dizendo: “Existem outros protocolos PoS mais verdes disponíveis: a Polkadot está provando estar entre as opções mais viáveis e conscientes das emissões de carbono, usando o equivalente ao que 6,6 residências nos EUA utilizam de energia por ano, e é por isso que a escolhemos como destino de nossa parachain NFT, Efinity. Parachains não requerem recursos de energia adicionais para operar, então o consumo de energia da Polkadot permanecerá inferior a 0,001% do Bitcoin.”

O Efinity pretende se tornar um hub para ativos fungíveis e não fungíveis, com um novo padrão de token para compatibilidade em todas as redes e padrões.

Criptomoedas Verdes: Nano

A criptomoeda Nano (NANO) representa uma mudança tanto do Bitcoin quanto do Ethereum. Em vez de ter nós com registros completos de blockchain, cada endereço de carteira possui seu próprio blockchain (rede de bloco) que é atualizado quando as transações são executadas. O status atualizado desse registro é então retransmitido para a blockchain Nano, verificado e integrado após confirmações de outros nós da Nano. Portanto, diferentemente das redes PoW e PoS, nas quais as transações são alinhadas para inclusão de blocos e distribuição de taxas, os nós Nano têm poder de voto sobre quem cria os blocos. Como isso pode ser feito com taxa baixa ou zero, ter transações incluídas na blockchain Nano é executado sem custo.

A Nano falou sobre como o argumento em torno do uso de energia do Bitcoin está totalmente errado.

Diz George Coxon, diretor da Nano Foundation, “O argumento em torno do uso de energia do Bitcoin no espaço das criptomoedas não é sobre quem está certo ou errado, é fundamentalmente sobre o progresso. Se surgir uma solução melhor, você a usa – esse sempre foi o caso da progressão tecnológica ao longo dos tempos. Argumentos em torno da energia consumida pela rede bitcoin giram em torno de declarações como “ela usa energia renovável, então está tudo bem” ou “Tudo bem porque a energia que está sendo usada já foi criada” – isso é a criação de um ciclo de feedback positivo de suporte e desorientações.

“As próprias declarações de defesa podem não ser factualmente incorretas, isso realmente não importa. Meu ponto é que, se há uma tecnologia que estourou em cena, seja criptomoeda ou não – que não está olhando para um futuro sustentável de energia do mundo, então mais inovação precisa acontecer para que seja sustentável.”

Nano Foundation

Nano e Votação Representativa Aberta

Em termos técnicos, a Nano usa não apenas o consenso de prova de participação, mas uma prova de participação delegada (DPoS), e não apenas DPoS, mas sua variação apelidada de Votação Representativa Aberta. Dependendo do saldo da conta, cada nó é delegado com um peso de voto. Esses votos podem ser usados ou distribuídos para outro nó da Nano.

Quanto ao consumo de energia da Nano, Colin LeMahieu, fundador e diretor da Nano Foundation, diz: “A Nano tem uma pegada de energia para 1 transação sendo 0,00012 kWh e uma rede inteira que pode funcionar com uma única turbina eólica – para colocar isso em perspectiva, isso são 15,5 milhões de transações Nano usando a mesma energia de uma única transação Bitcoin.”

Com peso de votação suficiente, cada nó pode se tornar um Representante Principal, capaz de votar nas transações na proporção dos fundos retidos. No entanto, nenhum dos nós representativos recebe taxas de votação sobre quais transações/blocos devem ser incluídos na rede. Além disso, blockchains de contas individualizadas, chamados Block Lattice, permitem que os usuários atualizem imediatamente os saldos de suas contas, sem esperar por confirmações da rede.

Curiosamente, a Nano também usa alguma medida de prova de trabalho para verificação de energia como uma ferramenta a desencorajar spam de transações na rede. No entanto, embora a Nano forneça transações gratuitas e confirmações instantâneas, não está claro se seu PoW leve é suficiente para impedir o spam de transações inválidas.

Primeiros dias

Nos primeiros dias, seriam necessários apenas US$ 3 milhões em GPUs para centralizar completamente a rede. De fato, como os validadores não são pagos, ninguém além de organizações com interesses adquiridos tem incentivo para administrar a rede.

Assim, o peso dos votos da Nano é distribuído por algumas exchanges de criptomoedas, Kraken e Binance, ao lado da Nano Foundation e da 465 Digital Investments, um grupo de patrimônio privado. No entanto, embora a rede Nano não possa se orgulhar da descentralização, ela pode alegar ter transações com taxa zero com um gasto de energia insignificante de 0,111 Wh por transação. Assim, a Nano possui uma seção própria de sustentabilidade para atrair investidores.

No entanto, com um valor de mercado de US$ 378 milhões, que é 0,04% do Bitcoin, o novo conceito não parece ter ganhado muita força. Em outras palavras, a Nano já realizou o que o Greenpeace está pedindo ao Bitcoin agora, mas sua perspectiva de longo prazo ainda não é atraente. No entanto, os responsáveis são firmes em sua crença de que a criptomoeda deve apoiar iniciativas ecológicas.

Diz Colin LeMahieu, fundador e diretor da Nano Foundation, “As empresas de criptomoedas que apoiam e facilitam tecnologias não sustentáveis ainda têm seu slogan sendo ‘bancar os não-bancarizados’ ou uma única estratégia para fornecer serviços bancários para aqueles em economias emergentes – são essas pessoas que você está supostamente tentando ajudar que sentirá o maior peso das mudanças climáticas e a responsabilidade de não usar ou facilitar soluções mais verdes deve ser assumida. O dinheiro digital não deve custar à Terra.”

Criptomoedas Verdes: Cardano

A Cardano (ADA) compartilha sua origem com o Ethereum, pois o principal desenvolvedor da Cardano, Charles Hoskinson, também co-fundou o Ethereum com Vitalik Buterin e seis outros fundadores. Dado esse legado compartilhado, a Cardano também é uma plataforma de contrato inteligente generalista, projetada para implantar dApps que cobrem mercados NFT, finanças descentralizadas (DeFi) e jogos blockchain.

Nomeada em homenagem ao matemático italiano Gerolamo Cardano, a rede compartilha uma semelhança com o Bitcoin, pois possui um fornecimento fixo de moedas. Enquanto o Bitcoin atinge o máximo de 21 milhões, os tokens ADA da Cardano são limitados a 45 bilhões.

Comparado ao Ethereum, que ainda não fez a transição completa para um consenso de prova de participação, Cardano foi PoS desde o início, apelidado de plataforma de contrato inteligente de terceira geração.

Embora Hoskinson tenha deixado o Ethereum por uma razão monetária, como Vitalik procurou mantê-lo de código aberto e sem fins lucrativos, Cardano acabou sendo um dos blockchains públicos mais descentralizados, com mais de 3.000 nós validadores. Isso pode parecer minúsculo em comparação com os mais de 300 mil validadores do Ethereum, no entanto, esse contraste é enganoso.

Criptomoeda Verde Cardano (ADA)

Nós

Contanto que o validador Ethereum tenha mais de 32 ETH (~ $ 112k), eles podem executar vários nós. Em contraste, a capacidade máxima do staking pool da Cardano é de 64 milhões de ADA (~ $ 77m). Atualmente, existem 3.219 staking pools da ADA com uma relação de participação/oferta de 72,5%. Portanto, se a contabilidade do validador do Ethereum for aplicada ao ecossistema da Cardano, este último teria 200k validadores (64 x 3.219).

Com isso dito, o ecossistema de dApp da Cardano ainda não está totalmente online. Enquanto o Ethereum hospeda 2.948 dApps vinculados aos contratos inteligentes do blockchain, Cardano tem apenas 72 listados. A razão para essa grande lacuna entre as duas plataformas é que Hoskinson adotou uma abordagem mais robusta e de revisão por pares para o desenvolvimento de código.

Se uma prática de codificação mais segura e robusta vale a pena no final, o mercado decidirá. No entanto, quando se trata da produção de energia da Cardano, certamente não chamará a atenção de nenhum grupo ambientalista. De acordo com a Cardano Blockchain Insights, toda a rede consome apenas 0,00282160 TWh. Comparado ao Bitcoin, o consumo de energia é 46.400 vezes menor.

Criptomoedas Verdes: Algorand

A Algorand (ALGO) é outra rede PoS de código aberto com o objetivo de criar um ecossistema dApp baseado em contratos inteligentes de blockchain. Desenvolvido pelo cientista da computação do MIT Silvio Micali, o foco principal da Algorand é facilitar pagamentos quase instantâneos. Especificamente, por ter a capacidade de processar mais de 1.000 transações por segundo (tps) e executá-las em menos de cinco segundos.

Isso está muito à frente do padrão atual do Ethereum de 14-17 tps em cinco minutos. Algorand torna isso possível por ter integrado uma estrutura de rede de duas camadas. Enquanto o Ethereum depende de redes de escalabilidade de camada 2, como Arbitrum, Polygon, Optimism, Loopring, Immutable X e outros, a Algorand foi desenvolvida desde o início com escalabilidade em mente.

Energia

Silvio Micali disse em um discurso recente: “Enquanto algumas blockchains consomem tanta energia quanto um pequeno país, a Algorand consome até 10 casas. Ser verde é nosso orgulho e nossa obrigação moral. Os menos privilegiados são os primeiros a sofrer com a degradação do meio ambiente – uma blockchain que é ruim para o meio ambiente é uma blockchain ruim. A Algorand desenvolveu uma blockchain pública que roda em uma versão de prova de participação, que leva o consumo de eletricidade a quase zero… em um nível fundamental”, disse Silvio Micali. “Eu me importo com o planeta.”

Assim como Cardano, a Algorand possui um fornecimento fixo de 10 bilhões de tokens ALGO. No entanto, como a Algorand usa uma variação de PoS – pura prova de participação (PPoS) – isso significa que todos os detentores de ALGO participam da proteção da rede e do recebimento de taxas de transação. Além disso, o limite mínimo é de apenas 1 ALGO, baixo em comparação com o limite alto do Ethereum de 32 ETH.

Criptomoeda Verde Algorand ALGO

Embora isso reduza drasticamente a barreira de entrada e incentive a participação da rede, resta saber se isso afetará negativamente a segurança da rede a longo prazo. Afinal, um aporte mais alto incentiva um cuidado maior.

Além disso, a Algorand nem emprega um mecanismo de corte semelhante ao Ethereum para usuários que propõem blocos ruins. No entanto, isso não parece ter sido uma preocupação para os outros, pois o CEO da Climatetrade, Francisco Benedito, disse que a Algorand era a tecnologia certa para suas necessidades: “Depois de analisar vários provedores de tecnologia e um rigoroso processo, escolhemos a Algorand como a infraestrutura blockchain para alimentar nossa plataforma. Não temos dúvidas, Algorand é a solução perfeita devido à sua arquitetura flexível, baixas taxas de transação e escalabilidade de desempenho transacional. Além disso, eles são a única rede pura de prova de participação (PPoS) e temos uma visão de negócios alinhada.”

Mecanismo de corte – Criptomoedas Verdes

Em setembro de 2021, a Algorand Foundation apresentou uma proposta de mecanismo de corte em que os maus atores perderiam 8% de seus ALGOs em stake. No entanto, a proposta não foi aprovada e foi implementado o sistema existente no qual os participantes só perdem recompensas distribuídas sem maiores penalidades.

Como é o caso de outras redes blockchain PoS, o consumo de energia da Algorand é insignificante em 0,000008 kWh por transação. Em abril de 2022, a Algorand tem um valor de mercado de US$ 2 bilhões com menos de 100 dApps, alguns dos quais ainda estão em fase de testes.

Embora o Ethereum faça a transição para PoS este ano com o The Merge, a estrutura integrada de duas camadas da Algorand e o baixo consumo de energia podem não ser suficientes para seu apelo de longo prazo.

Criptomoedas Verdes: Stellar Lumens

Stellar Lumens (XLM) compartilha suas origens com a Ripple, ambas as moedas digitais peer-to-peer (P2P) foram desenvolvidas por Jed McCaleb. No entanto, enquanto a Ripple se baseia no lado institucional das transferências de dinheiro com sua rede bancária e de processadores de pagamento, a Stellar está focada no serviço de pagamento individual e granular.

Para conseguir isso, a Stellar Network, lançada em 2014, executa tokens XLM. Por meio desse dinheiro P2P, o objetivo é facilitar pagamentos sem fronteiras com as menores taxas de transação possíveis. Em outras palavras, ajuda os desbancarizados a entrar na economia digital criando um mercado de remessas descentralizado, desde que tenham acesso básico à internet e um smartphone capaz de hospedar uma carteira digital.

Enquanto as blockchains Terra e Tron já fornecem esse serviço com stablecoins, a Lumens atua como um transmissor intermediário de dinheiro. Ou seja, quando o usuário A envia dinheiro ao usuário B, o primeiro pode escolher uma moeda diferente da que o usuário B recebe.

Criptomoeda Verde Stellar (XLM)

XLM – Criptomoedas Verdes

A Stellar Network converte a moeda original em XLM e busca o par de negociação ideal para entregar a moeda de destino. As âncoras da Stellar tornam essa troca possível, pois mantêm depósitos e até emitem crédito. Com todas as âncoras na mesma rede Stellar, as transações são concluídas em menos de 5 segundos com uma taxa de apenas 0,00001 XLM (US$ 0,00000216).

Sem dúvida, isso torna a Stellar Network uma das maneiras mais econômicas de transferir dinheiro. Além disso, não há mineração ou staking envolvidos, pois a Stellar Development Foundation (SDF) controla o fornecimento de XLM, fixado em 50 bilhões.

Como não usa PoS ou PoW, mas seu próprio algoritmo de consenso baseado no Federated Byzantine Agreement (FBA), apelidado de Stellar Consensus Protocol (SCP), Stellar Lumens (XLM) é outra rede com consumo de energia extremamente baixo de apenas 0,00022 kWh por transação. Assim como a Ripple, a Stellar acumulou uma grande lista de parceiros, permitindo que sua rede se espalhasse globalmente. Entre eles estão IBM World Wire, CEX.io, Blockchain.com, MoneyGram, Circle e Flutterwave. Este último é ideal para transferências de dinheiro entre a África e a Europa. Da mesma forma, Blocknify pode usar a rede Stellar para autenticar documentos oficiais. Atualmente, o valor de mercado da Stellar é de US$ 5,3 bilhões.

Este é um extrato do novo e-book para download gratuito do Be[In]Crypto, chamado Sustainability and Cryptocurrencies: An Analysis. Faça o download aqui.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
BEINNEWS ACADEMY LTD © STREET: SUITE 1701 – 02A, 17/F, 625 KING’S ROAD, NORTH POINT. HONG KONG.