Como a mineração de criptomoedas está ficando verde

26 junho 2022, 13:00 -03
Atualizado por Júlia V. Kurtz
26 junho 2022, 13:00 -03

A mineração de criptomoedas e suas enormes demandas de energia têm sido um ponto de controvérsia no setor de criptomoedas há algum tempo. No entanto, os movimentos em direção a um futuro verde estão avançando!

Mineração de criptomoedas fica verde

O Greenpeace lançou uma campanha para “limpar o Bitcoin”. E as empresas de mineração coletaram dados sobre o tipo de eletricidade que usam para proteger a rede do Bitcoin. Afinal, há diferença se for de uma usina a carvão ou de uma hidrelétrica, pois esta última reduz em 97,7% a emissão de gases de efeito estufa.

Plataformas de mineração mais eficientes chegarão em um futuro próximo. Além disso, há uma ampla gama de iniciativas verdes que aproximarão o Bitcoin do status 100% verde.

/Artigos relacionados

Mais artigos

As próprias mineradoras lançam essas iniciativas regularmente. Por exemplo, a Bitmain ingressou no Merkle Standard, com sede nos EUA, para mineração sustentável de Bitcoin em fevereiro.

O Merkle Standard foi lançado para abordar a pegada de carbono negativa da América do Norte quando se trata de mineração de ativos digitais. Enquanto a Merkle Standard usa energia hidrelétrica no leste de Washington, a Bitmain foi encarregada de desenvolver 500 megawatts de infraestrutura de mineração limpa com suas 150 mil plataformas de mineração.

El Salvador está contando com mineração de Bitcoin alimentada por vulcões

Logo depois que o presidente de El Salvador, Nayib Bukele, fez o Bitcoin ter curso legal em setembro passado, ele anunciou a próxima grande jogada: mineração de Bitcoin alimentada por energia geotérmica.

Esta fonte de energia tem uma enorme vantagem sobre a solar e a eólica, pois está disponível 365 dias por ano, 24 horas por dia, 7 dias por semana. Portanto, não cria flutuações diárias intermitentes que estressam a rede elétrica.

El Salvador está se preparando para construir uma Bitcoin City perto das fontes geotérmicas, financiada por títulos apoiados por vulcões. O pacote total de financiamento contém US$ 1 bilhão em títulos, com uma taxa de juros de 6,5% paga aos detentores dos títulos. Isto é, se tudo correr conforme o planejado.

O arquiteto deste projeto ambicioso é Samson Mow, ex-diretor de estratégia da Blockstream, uma empresa canadense de blockchain. Ele pretende emitir US$ 1 bilhão em títulos por meio da Liquid Network, uma rede de escalabilidade de camada 2 específica para transações de Bitcoin.

No final da cadeia de títulos, haverá a exchange Bitfinex, usando a Lightning Network e a Liquid Network do Bitcoin, enquanto os títulos poderão ser adquiridos como títulos via BTC ou USD. No final da linha, metade dos rendimentos dos títulos serão destinados à compra de Bitcoin e a outra metade ao financiamento de infraestrutura de energia e mineração para Bitcoin City.

Basta dizer que o sucesso deste projeto depende da valorização do Bitcoin. Se for bem-sucedido, o Bitcoin City mostrará a criptomoeda dominante como o bloco de construção para revitalizar uma nação inteira. Enquanto isso, o presidente Bukele já gastou US$ 180 milhões para lançar mais de 200 caixas eletrônicos Bitcoin. No entanto, a própria antecipação está se tornando lucrativa, pois El Salvador aumentou seu turismo em 30% desde a adoção do Bitcoin.

Energia Verde

Usinas hidrelétricas para alimentar a mineração de Bitcoin

Juntamente com a geotérmica, a hidrelétrica tem sido uma fonte de energia renovável devido à sua estabilidade confiável. Além disso, as usinas hidrelétricas são ideais para serem usadas para mineração porque geralmente fornecem excesso de energia durante o derretimento da neve e as estações chuvosas. Sem instalações de armazenamento adequadas, essa energia é desperdiçada.

Caso em questão, quando as instalações hidrelétricas da China no sudoeste de Sichuan aumentam, as autoridades reduzem as tarifas de eletricidade para níveis recordes baixos, em US$ 0,03 por kWh. Esse mecanismo de precificação estimula o consumo excessivo de energia barata.

Como receptáculo desse lixo, as fazendas de mineração de Bitcoin são frequentemente vistas aproveitando a energia hidrelétrica. Um desses muitos exemplos é a usina hidrelétrica de Alta Novella, com 100 anos, no norte da Itália. Em sua sala de turbinas, abriga 40 mineradores ASIC.

Aproveitando o gás desperdiçado

Continuando com o tema da utilização de energia que seria desperdiçada, a ExxonMobil, a maior produtora de petróleo e gás dos EUA, está trabalhando em um projeto piloto para minerar Bitcoin em Dakota do Norte. Em colaboração com a Crusoe Energy Systems, uma empresa sediada em Denver especializada no gerenciamento de queima de gás natural, a Exxon está desviando o gás natural para geradores que alimentam os mineradores de Bitcoin em contêineres.

Sem esse afunilamento, o gás seria queimado, ou seja, desperdiçado. A Exxon vem experimentando e expandindo este projeto desde janeiro de 2021.

De acordo com o perfil do LinkedIn de Eric Obrock, que é um veterano da indústria de NGL (líquidos de gás natural) há 10 anos, o projeto foi um grande sucesso, pois corrigiu um desperdício tradicional de energia.

Para aqueles que não estão familiarizados com a queima de gás, isso geralmente acontece quando os perfuradores atingem uma formação de gás natural. Se esse gás não puder ser capturado e transportado com segurança e em tempo hábil, ele será queimado. É por isso que essas instalações geralmente têm chamas ardentes como parte de sua paisagem regular.

Com a queima transformada em energia para plataformas de mineração de Bitcoin, esse risco ambiental é anulado e empregado para um bom uso.

Este é um extrato do novo e-book para download gratuito do Be[In]Crypto, chamado Sustainability and Cryptocurrencies: An Analysis. Fique de olho, em breve estará disponível para download.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.