Corporações no metaverso: inovação ou monopólio?

Atualizado por Júlia V. Kurtz
EM RESUMO
  • Este é um exemplo clássico da economia da vigilância?
  • promo

    Análises técnicas e insights do mercado por traders em nosso canal do Telegram!Entre hoje no nosso Telegram!

Não é segredo para ninguém que grandes corporações estão entrando na realidade digital. Mas a entrada de gigantes do mercado representa uma ameaça ao renascimento do mundo online?

À medida que o metaverso se manifesta fora das páginas dos livros de ficção científica, indivíduos, marcas e empresas correm em busca de um lugar. Certamente não é surpresa que empresas relacionadas à tecnologia, como a Meta, ou gigantes do comércio eletrônico, como a Amazon, estejam na vanguarda dessa corrida.

  • Ficou com alguma dúvida? O Be[in]Crypto possui uma série de artigos para lhe ajudar a entender o universo cripto. Confira!
  • Se quiser ficar atualizado no que acontece de mais importante no espaço cripto, junte-se ao nosso grupo no Telegram!

E não são apenas as empresas que já têm um pé na indústria de tecnologia varrendo a terra do metaverso. Spotify, Walmart, Shopify, JP Morgan e Gucci estão entre outras grandes companhias de olho no metaverso.

No entanto, a entrada de gigantes comerciais, financeiros e de tecnologia significa um mundo online mais robusto, onde tudo é possível? Ou significa uma replicação das mesmas entidades no topo, com maior controle e influência sobre nossas vidas digitais? 

Origens despretensiosas

O mundo digital descentralizado é um lugar de expressão. É um lugar para mais liberdade e criatividade em muitos níveis, não apenas financeiro e tecnológico. Por exemplo, o avatar digital de alguém no metaverso pode ser o resultado da imaginação em nada parecida com o eu físico. A morada digital de uma pessoa pode ter cores, formas e tamanhos não ortodoxos no mundo real.

As interações online se transformam em experiências totalmente imersivas no metaverso. Agora, o mundo temático de música do Sandbox leva a transmissão ao vivo de concertos a um novo nível. 

Por meio de uma combinação de realidade aumentada (AR) e realidade virtual (VR), novos ambientes – pré-existentes e imaginados – tornam-se acessíveis. Embora o desenvolvimento real no metaverso como o conhecemos tenha acelerado dramaticamente nos últimos anos, a ideia do metaverso existe há muito mais tempo.

Semelhante ao início da internet, as tecnologias Web3 existem para contornar problemas centralizados. Além disso, a internet era um lugar para discursos livres e liberdade de expressão. As primeiras versões da internet tinham menos censura, coleta de dados e preocupações com a privacidade. 

No entanto, como a “Big Tech” começou a fazer jus ao nome, a internet e nossa interação na internet mudaram para sempre. 

Inicialmente, a cena cripto e blockchain tinha quase uma pegada anarquista. Ainda assim, essas tecnologias e seus produtos são muitas vezes reinvenções de sistemas em realidade física centralizada já monopolizada pelos grandes. 

Mais uma vez, vemos a entrada e a dominação ultra rápida do espaço descentralizado. No entanto, não apenas por meio de gigantes da tecnologia. Grandes corporações do mundo real percebem a oportunidade e estão se juntando a esse ecossistema. Em conjunto, as corporações no metaverso poderiam ser apenas outra forma. 

Corporações: Quem já está dentro?

Com toda essa conversa de “grandes corporações” entrando no metaverso – de quem exatamente estamos falando quando dizemos isso? 

Certamente não é surpresa que quatro das cinco big techs invistam pesadamente no metaverso. Isso inclui Alphabet (Google), Amazon, Meta (Facebook) e Microsoft. No entanto, no início do ano, a Apple negou qualquer foco no metaverso AR/VR. 

Além das empresas relacionadas à tecnologia, outros grandes impulsionadores do mercado estão encontrando seu lugar no metaverso. Aqui estão dois exemplos. 

McDonald’s

Em fevereiro de 2022, o McDonald’s apresentou 10 pedidos de marca registrada para o metaverso. O icônico restaurante de fast food planeja um “restaurante virtual, oferecendo produtos reais e virtuais”. Isso também incluiria um restaurante virtual com entrega em domicílio.’ 

Além das ofertas mais tradicionalmente associadas ao McDonald’s, a gigante da indústria de alimentos também quer expandir para ‘arquivos de mídia para download’, como arte, arquivos de áudio, arquivos de vídeo e tokens não fungíveis (NFTs). 

Atualmente, o McDonald’s é o maior contribuinte para a participação de mercado em toda a indústria de fast-food. Como empresa, é praticamente sinônimo de globalização, pois está em 120 países. Além disso, seu faturamento é de cerca de 10,5 bilhões de dólares por ano.

Embora o McDonald’s forneça milhões de empregos em todo o mundo e seja uma opção de comida rápida e barata para as famílias, o impacto da corporação não é apenas positivo. Certamente a alimentação não saudável, a perda da cultura local e, claro, a dominação do mercado são motivo de preocupação.

Walmart

Mais uma mega corporação com grandes planos para a realidade digital. Em dezembro de 2021, o Walmart registrou patentes de marca registrada do metaverso . Não há muitos detalhes disponíveis sobre as especificidades das patentes de marca registrada do Walmart. No entanto, eles estão relacionados a vendas de bens virtuais, implementação de moeda virtual e NFTs.

De acordo com estatísticas da Statista, “o Walmart é a maior corporação de varejo de lojas de departamentos e armazéns de descontos do mundo”. A empresa tem operações em 26 países e obtém uma receita global de 573 bilhões de dólares. 

Quando corporações dessa magnitude e legado entram no espaço da Web3, sua riqueza incentiva a inovação e financia a criatividade ou continua o monopólio? 

Corporações: o que dizem os especialistas?

Naturalmente, a maior preocupação quando as corporações entram no metaverso, ou em qualquer espaço digital, é a privacidade. Além disso, em termos de mundo descentralizado, a descentralização está em jogo – algo que esta comunidade trabalha muito para manter.

O CTO da Panther Protocol, uma solução de ponta a ponta que restaura a privacidade em Web3 e finanças descentralizadas (DeFi), Dr. Anish Mohammed, falou sobre o assunto. 

Mohammed tem mais de 20 anos em segurança e criptografia e foi cofundador da UK Digital Currency Association. Ele revisou o artigo Orange do Ethereum e atua em conselhos consultivos de empresas líderes, incluindo a Ripple.

Para o Dr. Anish, a privacidade é um assunto sério na Web3. Ele diz que o que provavelmente ocorrerá com a entrada de grandes corporações é “um exemplo clássico da economia da vigilância”.

“Os dados desbloqueiam o poder e o potencial de ganhar dinheiro, e as corporações têm demonstrado rotineiramente que valorizam os lucros sobre os indivíduos”, disse ele.

“Isso resulta em um resultado líquido negativo para os usuários finais, especialmente em termos de privacidade e segurança de dados. Afinal, a coleta de dados é apenas a ponta do iceberg – uma vez que os dados são coletados, quem pode acessá-los, como eles serão usados ​​e onde serão armazenados?”

Corporações no metaverso: pontos positivos e negativos 

Mohammed deu dois cenários possíveis para os resultados das corporações no metaverso para consumidores e participantes terem em mente enquanto se envolvem com o mundo digital. 

  • Negativo: Se o metaverso se expandir e as massas adotarem vidas ou pelo menos vidas parciais na realidade virtual, pode não haver mais privacidade. “Talvez o resultado mais alarmante seria a erosão do direito à privacidade. O resultado final é que as corporações são incentivadas financeiramente a coletar e monetizar dados, independentemente de como isso possa afetar os indivíduos”.
  • Positivo: Com grandes marcas vem o reconhecimento das massas. Isso poderia apresentar as pessoas ao mundo digital e despertar a curiosidade sobre outras tecnologias descentralizadas da Web3 anteriormente desconhecidas ou confiáveis. “Pense no Efeito Amazon e como a ascensão do comércio eletrônico interrompeu completamente os hábitos de compras no varejo. Agora, imagine como os metaversos podem mudar aspectos da vida cotidiana como a conhecemos”, diz Mohammed. 

“As vastas quantidades de capital detidas pelas corporações podem alimentar novas e excitantes inovações em uma escala maior e mais rápida. Combinando forte financiamento com forte reconhecimento da marca, as corporações têm a capacidade de acelerar a adoção convencional do metaverso.”

O futuro é agora

Se os grandes negócios estão entrando em massa no metaverso, agora é a hora de prestar atenção em como as coisas estão sendo construídas. Enquanto eventos educacionais surgem para corporações e os preços dos imóveis do metaverso estão caindo, é importante ver quem está aproveitando a oportunidade. 

Como mencionado, a entrada das corporações no metaverso é dupla e está mais uma vez nas mãos dos desenvolvedores e das pessoas para garantir que esse novo espaço, que está sendo construído dia a dia, tenha espaço para a liberdade, expressão e inovação para o qual foi criado. 

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
BEINNEWS ACADEMY LTD © STREET: SUITE 1701 – 02A, 17/F, 625 KING’S ROAD, NORTH POINT. HONG KONG.