Propriedade digital e redes sociais na Web3

6 novembro 2022, 11:00 -03
Atualizado por Anderson Mendes
6 novembro 2022, 11:00 -03
EM RESUMO
  • O significado de propriedade digital na Web3.
  • Os principais protocolos Web3 voltados para redes sociais descentralizadas.
  • Como verificar a tração de uma rede social descentralizada? Vantagens e desvantagens de conduzir o crescimento e do uso de protocolos via hackathons.
  • promo

Nos últimos artigos desta coluna, vimos a essência da descentralização, porque redes descentralizadas pode ser a regra na Web3 e identidade digital descentralizada via blockchain como um conceito de Web3.

Hoje, vamos avançar mais um pouco e entender o que significa propriedade digital na próxima geração da Internet e ver o atual estágio de interação Social dos usuários na Web3.

O Bear Market cripto ajuda a identificar as próximas tendências

Cada Bear Market cripto no passado serviu para identificar o surgimento de um novo setor ou modelo de negócios dentro do mundo cripto. 

/Artigos relacionados

Mais artigos

E o atual mercado de baixa não é diferente, apontando para uma intensa atividade em inúmeros setores como DAOs, blockchain gaming e as redes sociais descentralizadas, que parecem ser sérios candidatos a liderar a próxima onda de adoção cripto pelos consumidores. 

Historicamente, os setores que lideraram a onda na indústria cripto após o mercado se recuperar dominaram os movimentos  anteriores. E atualmente, um dos setores que tem capitaneado grande parte dos projetos atuais é o de redes sociais descentralizadas.

Por isso, no artigo de hoje, veremos dois protocolos que têm ajudado a construir as redes  sociais da Web descentralizada. Mas antes, é preciso dar um passo atrás para relembrarmos um conceito essencial.

A propriedade digital na Web3

Ter propriedade digital de algo na Web3 significa que você pode criar ou comprar um ativo digital e ter controle total sobre ele. E esse ativo digital pode ser um token que representa um ativo no mundo físico, ou seu comportamento na Internet. Ou ainda, as criptomoedas que você armazena em sua carteira digital.

Dito de outro modo, quando você detém a propriedade digital de um ativo na Web3, você possui os direitos de propriedade sobre este ativo e pode realizar transações ou mover seus ativos sem depender de qualquer intermediário para isso.

Logo, a Web3 dá às pessoas o direito de propriedade: a capacidade de possuir um pedaço da internet. E com isso você pode:

  • possuir sua identidade online e todo seu conteúdo de mídia social;
  • possuir seus dados pessoais, histórico médico e de navegação online;
  • participar e se beneficiar da economia da internet.

Aqui, vale destacar que foi a aplicação da tecnologia blockchain aos tokens não fungíveis (NFTs) que tornaram a propriedade digital possível, como comentado aqui e aqui

A tecnologia blockchain adicionou uma nova camada de valor à Internet – propriedade digital – que antes não existia. E é por essa razão que a blockchain é conhecida como A Internet do Valor. 

Quem quiser saber mais sobre a relação entre propriedade digital, armazenamento na Web3 e como blockchains estão revolucionando a propriedade digital e os direitos autorais, sugiro a leitura deste artigo.

Pois bem, agora que compreendemos a propriedade digital na Web3 permitira às pessoas possuírem todo seu conteúdo de mídia social, vamos passar ao tema central do artigo de hoje. 

Os principais protocolos Web3 voltados para redes sociais descentralizadas

A comunidade cripto tem se debruçado sob dois protocolos sociais: o Lens Protocol e o Farcaster.

Esses dois protocolos de interações sociais na Web3 estão acoplados a um “front end parecido com o Twitter, que permite aos usuários postar, comentar e compartilhar novamente. 

Cada um desses dois protocolos têm arquiteturas e níveis de maturidade diferentes, mas na essência, o mais importante para qualquer protocolo social é a tração do usuário. Vejamos cada um deles, começando pelo mais popular.

1) Lens Protocol

O Lens Protocol  é um protocolo gráfico social combinável e descentralizado.  Ele permite que os criadores mantenham o conteúdo sob seu domínio, onde quer que sejam publicados no jardim digital da Web3.

Trata-se de um protocolo gráfico social combinável e descentralizado, destinado a qualquer pessoa que deseje criar uma rede social descentralizada, proporcionando uma melhor experiência para o usuário.

Ele é um protocolo gráfico aberto, que permite o exercício da propriedade digital pelo usuário das redes sociais descentralizadas cujo aplicativo se conecta a ele.  

Como o Lens Protocol usa a blockchain de segunda camada Polygon, cada publicação através do Lens Protocol tem uma baixa pegada de carbono, em uma plataforma blockchain segura e de baixo custo.  

Os usuários das redes sociais descentralizadas que se utilizam do Lens Protocol  podem:

  • criar seu perfil na rede social descentralizada, 
  • seguir perfis de terceiros, 
  • criar e  compartilhar quaisquer publicações, completamente on-chain.  

Pois bem, lembra quando comentamos no início do artigo sobre a propriedade digital na Web3? Por ser um protocolo nativo da Web3, o Lens Protocol foi construído com recursos para que seus usuários:

  • Sejam proprietários do próprio conteúdo.
  • Sejam donos do seu gráfico social.
  • Dominem seus dados.  

Nessa mesma linha do Lens Protocol, vem o segundo objeto de nosso estudo.

2) Farcaster

Este protocolo pretende ser uma rede social suficientemente descentralizada que, segundo o próprio Farcaster, é aquela onde dois usuários que querem se comunicar são sempre capazes de fazê-lo, mesmo que a rede queira evitá-lo.

Trata-se de um protocolo aberto que pode suportar muitos clientes, assim como o EtherMail.

Por ser um protocolo nativo da Web3, o ecossistema Farcaster possui as seguintes premissas:

  • Os usuários sempre terão a liberdade de mover sua identidade social entre as aplicações. Para isto, eles devem ter total controle sobre sua identidade (como por exemplo, nomes de usuário), dados (mensagens) e gráfico social (relacionamentos com terceiros).  Se um terceiro controlar qualquer um deles (identidade, dados ou gráfico social), ele pode impedir que dois usuários se comuniquem, e isto é o oposto do que a Farcaster foi criado para ser. 
  • Os desenvolvedores sempre terão a liberdade de construir aplicações com novas funcionalidades na rede. Nesse sentido, os desenvolvedores também devem ser livres para construir aplicações e ter acesso irrestrito à rede, assim como os usuários devem ser livres para alternar entre elas. Se houvesse apenas um aplicativo para se conectar à rede, isso poderia impedir dois usuários de se comunicarem.

Para conseguir tornar realidade as duas premissas acima, o protocolo Farcaster obtém descentralização suficiente através de uma arquitetura híbrida com componentes on-chain e off-chain (dentro e fora da rede).

Além disso, as identidades são armazenadas na cadeia em um contrato inteligente Ethereum para alavancar uma segurança robusta, a composicionalidade e as garantias de consistência do Ethereum. Um endereço Ethereum controla essa identidade na cadeia e pode ser usado para assinar mensagens fora da cadeia em seu nome.

Por fim, os dados são assinados criptograficamente por uma identidade digital e armazenados fora da rede em servidores controlados pelo usuário, chamados Farcaster Hubs. E os dados não são armazenados na rede porque seria excessivamente caro e lento se instalar na maioria das redes L1 e L2.

Métricas chave para medir a tração de um protocolo Web3 destinado a redes sociais descentralizadas

Para medir a tração de um protocolo social da Web3, duas métricas-chave importam:

  • Quantas pessoas estão usando a aplicação? (usuários mensais ativos)
  • Até que ponto os usuários estão envolvidos? (engajamentos mensais)

1) Usuários Mensais Ativos

O protocolo Lens tem quase 8x a quantidade de usuários ativos mensais (Monthly Active Users, MAUs) que o Farcaster com quase 20.000 usuários até o momento (outubro de 2022). 

O Farcaster, entretanto, superou o Lens em crescimento percentual nos últimos dois meses, crescendo 81% e 55% em setembro e outubro, respectivamente.  

De agosto a setembro, o Lens cresceu apenas 0,5% em usuários ativos, o que adicionou 86 novos usuários ativos; enquanto o Farcaster adicionou mais de 8x os novos usuários ativos no mesmo mês com 732 novos usuários (crescimento percentual de 81%).

De setembro a outubro, o Lens experimentou um crescimento percentual maior que no mês anterior, com um aumento de 17% no número de usuários ativos. E o Farcaster, no mesmo período, superou novamente o Lens Protocol em uma base percentual de crescimento de MAUs em quase 55% em relação a outubro.

Como a base de usuários do protocolo Lens é muito maior que o Farcaster, as porcentagens de crescimento devem ser consideradas como um grão de sal, pois é muito mais fácil fazer crescer a contagem de usuários de algumas centenas do que de alguns milhares. 

Dito isto, o desempenho de crescimento do Farcaster se deu em parte devido aos níveis mais altos de engajamento em seu front-end.

Passemos, então, à análise da segunda métrica-chave para medir a tração de um protocolo social da Web3.

2) Engajamento do Usuário

Os engajamentos ocorrem quando os usuários postam, comentam ou compartilham novamente o conteúdo do front end. Apesar de ter quase 8x menos usuários ativos mensais que o Lens Protocol, espera-se que a rede Farcaster faça o dobro na nova contagem de engajamentos do Lens no próximo trimestre de agosto a outubro. 

No Lens, a previsão é a adição de quase 30.000 novos engajamentos ao longo do tempo, em comparação com os 60.000 engajamentos do Farcaster.

Com um número de usuários tão desfavorecido, o Farcaster pode superar o crescimento do engajamento do Lens Protocol porque seus usuários são significativamente mais ativos do que os usuários do concorrente.

O Farcaster tem quase o dobro do número de engajamentos por usuário do que o Lens, com 29 engajamentos mensais por usuário numa comparação com o Lens, que tem apenas 12. 

Nos últimos quatro meses, o Lens quase dobrou sua contagem de usuários ativos ao mesmo tempo em que teve um crescimento moderado. Esta dinâmica fez com que seu engajamento por usuário diminuísse quase 40% ao longo do tempo.

Farcaster, por outro lado, quase triplicou sua contagem de usuários a partir de julho e manteve uma base de usuários altamente engajados. Seus usuários têm interagido de forma consistente 30 vezes ou mais por mês, em média, ao longo de todo o crescimento. 

Deste tipo de métrica-chave, portanto, extrai-se que os usuários do Farcaster são aparentemente mais ativos que os usuários do Lens Protocol, de acordo com as distribuições de engajamento vistas nos parágrafos anteriores.

Olhando para os engajamentos considerados essenciais, mais de três quartos dos usuários do Lens se comprometeram com o protocolo menos de 10 vezes. E apenas 5% dos usuários do Lens são altamente ativos com mais de 50 engajamentos no total.

Já no Farcaster, quase 20% dos usuários são altamente ativos pela mesma definição. Isto é, 4x mais usuários estão fortemente engajados na Farcaster em comparação com a Lente.

Talvez a explicação para o engajamento menor dos usuários da Lens esteja na maneira pela qual o Lens Protocol adquire seus usuários. Os Hackathons são um componente importante da estratégia de crescimento do Lens Protocol, e estes eventos têm a tendência de impulsionar uma onda de atividade seguida por uma pausa.

Todavia, a condução do crescimento e do uso de protocolos via hackathons não deve ser concebida como uma coisa ruim, especialmente em um período curto de tempo. 

Isto porque, os Hackathons por natureza são uma forma de trazer novas ideias à tona, além de despertar o interesse do desenvolvedor para determinado projeto. 

Mesmo a melhor das equipes pode levar alguns meses para encontrar qualquer tração significativa a partir destes eventos. 

Por exemplo, muitos front-ends podem existir em cima do protocolo Lens com suas várias características. O front end predominante do Lens hoje em dia, o Lenster, emula o Twitter. Os recentes hackathons são projetos diferenciadores que utilizam conteúdo de vídeo semelhante ao YouTube, TikTok, e Snapchat. Tudo isso para dizer que aparentemente há picos artificiais no uso desses protocolos nesses hackathons, mas os investimentos em desenvolvedores podem resultar em crescimento exponencial no futuro.

Considerações Finais

Como vimos, os dois protocolos de redes sociais descentralizadas mais populares são o Lens Protocol e o Farcaster. 

Enquanto o Lens tem quase 8x mais usuários mensais ativos que o Farcaster, este último protocolo tem tido um maior crescimento no engajamento dos usuários nos últimos meses. 

Os usuários do Farcaster parecem estar muito mais engajados no front end em comparação com o front end dominante do Lens, que é o Lenster.

A métrica mais importante entre usuários ativos e engajamento é provavelmente o engajamento, dado o tamanho dos gráficos sociais em questão. E cada um deles é minúsculo se comparados com os produtos das mídias sociais tradicionais. 

Aqui, importante destacar que uma grande onda de adoção dessas redes sociais descentralizadas somente ocorrerá, depois que o atual movimento da Web3 finalmente se tornar uma realidade robusta, com toda a infraestrutura necessária de hardwares e softwares, bem como porque as pessoas já “vestiram” o conceito de propriedade digital e compreenderam sua vital importância às interações na Web.

Atualmente, estes produtos sociais Web3 estão servindo estritamente a um público altamente cativo de usuários cripto. E os produtos em si ainda são concebidos sob a ótica do espelho retrovisor, sem focar suficientemente na ótica do que pode vir a ser o futuro.

Neste contexto, embora a métrica-chave do engajamento nessas redes sociais descentralizadas possa apontar qual dos protocolos possui superioridade sobre os outros, ela deve ser considerada com cuidado, porque ainda seguirá oscilando por um bom tempo. 

Claro que os atuais projetos de redes sociais descentralizadas estão trazendo algo novo, focado no espírito da Web3 e no conceito propriedade digital, e até nos provocam uma sensação de empolgação. 

Mas até que toda a infraestrutura necessária deixe de ser precária e se torne apta, e que a maioria das pessoas estejam prontas para absorver as mudanças de padrões que uma Web descentralizada exige, monitorar continuamente as métricas-chave e as tendências das aplicações ao consumidor é a melhor maneira de se manter à frente e aproveitar todas as chances que a propriedade digital e as redes sociais na Web3 nos proporcionarão.

E você, já conhecia as redes sociais descentralizadas da Web3? Sabia o que era a propriedade digital e seu impacto às pessoas? Conseguiu entender como medir a tração de projetos sociais na Web3?

Conhecimento é poder!! Nos vemos em breve!

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.