Ver mais

Bitcoin: entenda como a crise do Egito mostra que o ativo é uma boa reserva de valor

2 mins
Atualizado por Thiago Barboza

EM RESUMO

  • O Bitcoin ultrapassou a marca de 1,2 milhão de libras egípcias na Binance, o que representa um novo recorde de preço para o par BTC/EGP.
  • País enfrenta uma forte crise inflacionária há anos.
  • Nesta semana, a libra egípcia atingiu seu menor valor histórico perante o dólar.
  • promo

Nesta quarta-feira (12), o Bitcoin ultrapassou a marca de 1,2 milhão de libras egípcias na Binance, o que representa um novo recorde de preço para o par BTC/EGP.

O recorde foi obtido não pela valorização da criptomoeda em si, que segue próxima ao nível de US$ 30.000, mas sim pela forte queda que a libra egípcia acumula perante o dólar.

No entanto, há um grande gap em comparação ao real. Frente a moeda brasileira, 1,2 milhão de EGP equivalem a cerca de R$ 187.000. Na Binance, o BTC é negociado no fechamento da matéria próximo a R$ 148.000.

Leia mais: 4 criptomoedas que podem atingir novas máximas em julho de 2024

Egito sofre com a inflação

Os problemas monetários do Egito começaram em 2011, quando a população iniciou uma série de protestos contra o até então presidente Hosni Mubarak. Nos anos seguintes, os cenários econômico e político foram instáveis e marcados por fortes crises.  

A situação piorou ainda mais com a chegada do Covid-19, em 2020. Assim como a maioria dos países, a nação do norte da África precisou imprimir uma grande quantidade de moeda, intensificando a inflação da libra egípcia.

O conflito entre a Rússia e Ucrânia foi o último golpe. Isso porque o país depende da importação de trigos e grãos da região do Mar Negro, que foi profundamente afetada pela guerra.

Todos esses eventos culminaram na EGP atingindo seu menor valor histórico perante o dólar nesta semana, segundo dados do Google. Atualmente, uma unidade da moeda egípcia vale cerca de US$ 0,03. Em 2016, valia cerca de US$ 0,11.

Isso explica porque o par BTC/EGP atingiu um novo recorde mesmo com o Bitcoin ainda estando 55% abaixo da sua máxima histórica de US$ 69.000, registrada em novembro de 2021.

Bitcoin e demais criptomoedas como solução

Em meio a uma forte crise de inflação, a população egípcia tem buscado proteger seu capital, convertendo suas reservas para o dólar ou em criptomoedas.

Fenômenos semelhantes têm sido observados na Turquia e Argentina, que também sofrem com a inflação há anos. Não por acaso, a demanda por Bitcoin por parte da população turca tem sido cada vez maior.

Já na Argentina, o USDT e outras stablecoins lastreadas ao dólar cresceram em popularidade. Isso se deve em parte pelas tentativas do governo de restringir a compra de dólares por parte da população.

Exemplos como o Egito, Turquia e Argentina mostram que na prática, o Bitcoin e outras criptomoedas cumprem o papel de reserva de valor – algo defendido pelos entusiastas cripto há anos. Por não estarem diretamente atrelados a decisões governamentais, os ativos cripto se tornam bons botes salva-vidas para aqueles que não querem ver suas economias serem corroídas pela inflação ou sujeitas as más decisões de seus governantes.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedas. Confira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

4d198a1c7664cbf9005dfd7c70702e03.png
Anderson Mendes
Membro ativo da comunidade de criptoativos e economia em geral, Anderson é formado pela Universidade Positivo, e escreve sobre as principais notícias do mercado. Antes de entrar para a equipe brasileira do BeInCrypto, Anderson liderou projetos relacionados à trading, produção de notícias e conteúdos educacionais relacionados ao mundo cripto no sul do Brasil.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados