Ver mais

Banco Central discute futuro da Drex no Festival Blockchain Rio

5 mins
Atualizado por Júlia V. Kurtz

EM RESUMO

  • Futuro da moeda digital brasileira será discutido no encerramento do evento Blockchain Rio Festival.
  • Coordenador da Drex, Fábio Araújo participará.
  • O projeto-piloto da Drex, a CBDC brasileira completou 50 dias com 500 operações realizadas com sucesso.
  • promo

O projeto-piloto da Drex, a CBDC brasileira completou 50 dias com 500 operações realizadas com sucesso. Segundo o BC, 11 instituições financeiras fizeram operações na rede.

A incorporação dos participantes à plataforma começou no fim de julho. Desde então, houve a simulação de diversas transações no atacado e no varejo.

Leia mais: 4 criptomoedas que podem atingir novas máximas em julho de 2024

A moeda digital brasileira é um dos destaques do Festival Blockchain Rio. No último dia do evento, o economista e coordenador do Real Digital do BC, Fábio Araújo, e a coordenadora Clarissa Souza discutem o presente e o futuro da Drex.

Os representantes do BC irão aprofundar o ecossistema e as oportunidades da moeda digital através da tecnologia blockchain e soluções financeiras.

O que vai mudar com a chegada da a versão digital do Real

“Nossa aposta para essa edição é trazer em primeira mão o holofote para as transformações digitais no setor financeiro através da tecnologia Web3. Vamos promover um encontro sobre esse ecossistema de inovação com cinco trilhas que evidenciam o futuro dos pagamentos”, reforça o CEO do Blockchain Rio, Francisco Carvalho.

O senador Carlos Portinho também participa do evento. Para ele, o DREX “foi um grande passo que o Brasil deu, e eu não tenho dúvida de que, com o tempo, ele vai se inserir no dia a dia das nossas relações”.

Já o especialista em tecnologia de pagamentos e CEO da fintech Qesh, Cristiano Maschio, acredita que o Drex é desenvolvido para democratizar o acesso a serviços financeiros, como pagamento de contas e encargos.

“A moeda digital pode fornecer uma nova forma de pagamento para quem não tem acesso a serviços bancários tradicionais. Além disso, a digitalização do dinheiro torna as transações mais rápidas, eficientes e seguras”, afirma o especialista. Ele complementa:

“Usuários poderão pagar contas e impostos por meio de bancos e instituições autorizadas pelo BC, ou mesmo por meio do Pix”.

Drex já emitiu títulos públicos

A primeira emissão de títulos públicos na plataforma Drex, por exemplo, aconteceu na última segunda-feira (11). O BC esclareceu que as transações são apenas simuladas. Ou seja, se destinam ao teste de infraestrutura básica do Drex.

O sistema ainda não conta com soluções de proteção à privacidade. Estes testes devem ocorrer ao longo do projeto piloto.

Nesta fase do projeto, foram emitidos dois tipos de papéis fictícios tokenizados: LTNs (Letra do Tesouro Nacional) e LFTs (Letra Financeira do Tesouro).

Após a emissão, os ativos foram transferidos para as carteiras das instituições financeiras e participantes do projeto-piloto e agora estes participantes estão aptos para realizar operações de compra e venda. Além de segurança e privacidade, os testes envolvem a transferência de frações de títulos, de até um centésimo.

O Consultant Quality da consultoria de tecnologia keeggo, Stênio Viveiros, reforça que os testes de qualidade são cruciais no cenário das criptomoedas e tecnologias blockchain.

“Os testes asseguram a conformidade regulatória, validação de características de qualidade, desempenho sob carga, integrações suaves e confiança dos investidores. Por meio de protocolos específicos e rigorosos, a segurança da rede é garantida, resultando em um ecossistema confiável e bem-sucedido”.

Com 3.000 visitantes, a abertura do Blockchain Rio Festival foi marcada por debates relacionados a inovação e transformação no agronegócio e a indústria de óleo e gás e energia. Com oito palcos diferentes, um dos maiores eventos de Web3 do país, negócios e tendências reuniram cerca de 3 mil visitantes só no primeiro dia. 

Festival quer firmar RJ como hub tecnológico

Na abertura, o Fórum Blockchain Gov, realizado pelo BNDES e ministrado por Helena Tenório, apresentou temáticas sobre o uso de tecnologias inovadoras pelos governos. Na sequência, o holofote foi para os painéis agro ‘Mesa de Abertura do XIII PetroTIC Conference: tecnologia conectada com a indústria de Óleo, Gás e Energia’; ‘Startups e Tecnologia no Agro’; ‘Transformação Digital no Setor de Óleo e Gás’; e ‘Ambientes de Inovação no Agronegócio’.

Para Portinho, o Festival evidencia a cidade do Rio como hub de tecnologia no Brasil: “O Blockchain Rio soma a outros grandes eventos de tecnologia, já no seu segundo ano de realização na Cidade do Rio de Janeiro, consolidando a cidade como principal hub de eventos sobre tecnologia no nosso país.”

O evento também permite ao público um networking, parcerias entre startups, investidores e empresas interessadas no ecossistema global de tecnologia, inovação e negócios.

Desafios da regulação na Web3

Os co-fundadores da Atmmos, CLO Jean Marc Sasson e o CMO Augusto Veríssimo, participaram em painéis no palco “Futuro Stage”.

Jean Marc Sasson falou sobre “Como navegar nas incertezas da regulação”. A conversa focou nos desafios da regulação na Web3, abordando tópicos como a compreensão dos desafios enfrentados pelos clientes na Web3, a regulamentação de criptomoedas, o papel das agências reguladoras e as etapas preparatórias com viabilidade jurídica.

Jean explica que sempre atualizado é um dos desafios do profissional da área de legaltech.

“A maioria das pessoas que não atuam na área não sabem o que é blockchain. Da mesma forma que ninguém acreditava que os smartphones iam se proliferar. Por exemplo, um estudo do grupo CIT prevê que até 2030 teremos um mercado de trilhões de dólares e a economia será totalmente focada em tecnologia. Portanto, hoje temos diante de nós uma oportunidade incrível, pois qualquer ativo físico pode ser digitalizado. Como advogados, precisamos estar atentos a essa oportunidade na economia e mais do que isso, precisamos entender o modelo de negócio do nosso cliente”.

“É muito comum clientes chegarem até nós, advogados e dizerem: ‘Quero aproveitar essa tendência da tokenização e criar um empreendimento, um token xyz’, sem se atentarem aos riscos desse negócio. É fundamental primeiro entender qual é o modelo de negócio do cliente, ou seja, compreender o negócio mais do que as leis, e depois entender como é possível enquadrar esse modelo de negócio nas regulamentações existentes”, compartilha o CLO da Atmmos.

300 palestrantes e 21 trilhas

Ao longo dos três dias, 300 palestrantes, distribuídos em 21 trilhas, debatem sobre o presente e o futuro da inovação tecnológica. Além da blockchain, a programação também traz espaços para discussões sobre inteligência artificial, IOT, startups, empreendedorismo, metaverso e muito mais. 

Os visitantes também participar de experiências imersivas, workshops, exposições e ativações que integram tecnologia, educação, sustentabilidade, cultura e entretenimento. A estimativa para essa edição é receber cerca de 5 mil pessoas por dia, superando a última programação ocorrida em São Paulo em junho deste ano.

Nesta quinta (14) as trilhas de “encerramento” do Blockchain Rio Festival são: 2 Summit Refi Latam, Assespro Business Games, Bitcoin Day, Blockchain e Energia, Blockchain Insights, WWC – World Crypto Conference, Regulation Rocks by Fenasbac, destinadas a apresentar tópicos relacionados ao Futuro, além de expectativas, perspectivas e oportunidades voltadas para as novas tecnologias digitais. 

O Festival também vai acolher o júri e premiação do Digifi Buildathon. O evento tem o patrocínio do Blockchain Festival e Ethereum Brasil com apoio da Fenasbac e Hyperledger, para explorar como a Web3 pode interagir com esse novo sistema financeiro brasileiro em desenvolvimento. 

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedas. Confira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

aline.jpg
Aline Fernandes
Aline Fernandes atua há 20 anos como jornalista. Especializada nas editorias de economia, agronegócio e internacional trabalha na BeINCrypto como editora do site brasileiro. Já passou por diversas redações e emissoras do país, incluindo canais setorizados como Globo News, Bloomberg News, Canal Rural, Canal do Boi, SBT, Record e Rádio Estadão/ESPM. Atuou também como correspondente internacional em Nova York e foi setorista de economia dentro do pregão da BM&F Bovespa, hoje B3 -...
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados