Ver mais

Hacks em cripto caem e fecham dezembro em baixa

2 mins
Por Shraddha Sharma
Traduzido Thiago Barboza

EM RESUMO

  • As estatísticas da CertiK descobriram que em dezembro US$ 62,2 milhões foram perdidos para explorações, hacks e golpes.
  • A violação do Helio Protocol foi o maior evento do mês anterior, com uma perda de US$ 15 milhões.
  • Em março, US$ 715 milhões foram perdidos para hackers de criptomoedas, enquanto US$ 595 milhões foram roubados em novembro.
  • promo

As estatísticas da CertiK descobriram que, em dezembro, US$ 62,2 milhões foram perdidos para hackers cripto. O último mês do ano marcou o menor valor mensal em 2022.

A plataforma confirmou que as perdas acumuladas no ano ultrapassaram US$ 3,76 bilhões.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedasConfira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.

Maiores hacks de cripto de dezembro

Segundo a plataforma, a violação do Helio Protocol foi o maior evento do mês anterior, com prejuízo de US$ 15 milhões. O Helio Protocol criou o HAY, uma “destablecoin” que utiliza o BNB como garantia. O ativo com garantia excessiva garante um rendimento de 7%.

O invasor explorou o protocolo Ankr alterando o Ankr Reward Bearing Staked BNB (aBNBc) para hBNB e travando-o no protocolo Helio. Então, eles emprestaram milhões em BHAY0 em troca de HAY0. A HAY caiu para US$ 0,40 após o exploit, mas desde então recuperou sua paridade com o dólar após uma recompra e queima da equipe de desenvolvimento.

O segundo maior incidente de dezembro foi a perda de mais de US$ 12 milhões da Defrost Finance devido a um ataque de flash loan. O hacker supostamente invadiu o protocolo V1 do Defrost para desviar US$ 173.000. Em um ataque V2 mais sério, um criminoso liquidou os ativos dos usuários usando um token de garantia falso e um oráculo de preços fraudulento, roubando US$ 12,9 milhões.

Os hacks BitKeep, Ankr e Lodestar, entre outras violações, foram os destaques do mês. De acordo com a CertiK, os golpes de saída levaram a perdas de US$ 15,5 milhões. Enquanto isso, os flash loans desviaram cerca de US$ 7,6 milhões; uma diminuição testemunhada no segundo semestre de 2022. O mês de Abril perdeu uma quantia enorme de US$ 300,5 milhões em explorações semelhantes, com o ataque flash mais significativo em Lodestar.

Março e novembro vencem os piores meses de 2022

Olhando para os principais incidentes até 2022, março e novembro ganham o prêmio de piores meses. Mais de US$ 715 milhões foram perdidos em março devido a explorações, enquanto cerca de US$ 595 milhões foram roubados em novembro.

Janeiro, maio, julho e dezembro foram relativamente tranquilos na frente de exploração e fraude, com perdas menores de US$ 179 milhões, US$ 98,8 milhões, US$ 65,5 milhões e US$ 61 milhões, respectivamente.

De acordo com a atualização de novembro, 36 grandes ataques foram registrados no mês, levando a perdas de US$ 595 milhões. O hack de US$ 477 milhões da FTX foi o maior daquele mês. O aumento alarmante de hacks de DeFi provavelmente foi a segunda tendência mais notável do ano, após o desaparecimento de vários titãs de cripto como Celsius e FTX.

As pontes cruzadas continuam sendo as mais comumente exploradas.

A pesquisa do agregador de dados de criptomoeda Token Terminal afirmou anteriormente que 50% das vulnerabilidades DeFi visam pontes de cadeia cruzada.

Enquanto isso, no início do ano novo, um desenvolvedor veterano de Bitcoin revelou que havia perdido US$ 3,6 milhões em Bitcoin, demonstrando os perigos da autocustódia.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Thiago-Barboza-red1.png
Thiago Barboza
Thiago Barboza é graduado em Comunicação com ênfase em escritas criativas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Em 2019 conheceu as criptomoedas e blockchain, mas foi em 2020 que decidiu imergir nesse universo e utilizar seu conhecimento acadêmico para ajudar a difundir e conscientizar sobre a importância desta tecnologia disruptiva.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados