Ver mais

EUA podem dar calote em dívida. Como isso pode impactar as criptomoedas?

2 mins
Por Laure Elizabeth IACOUCCI
Traduzido Anderson Mendes

EM RESUMO

  • A secretária do Tesouro dos Estados Unidos alertou que a nação pode entrar em default em junho.
  • Se assim for, seria a primeira vez que o país fica inadimplente, numa altura em que cerca de 31,4 bilhões de dólares devem ser reembolsados.
  • Se isso acontecer, as criptomoedas receberiam atenção dos investidores.
  • promo

Más notícias para os Estados Unidos: o país poderá entrar em default (inadimplência) em breve. Esse cenário pode afetar o mercado de criptomoedas, mas talvez não da maneira que muitos pensam.

Os EUA continuam a lidar com sua crise bancária, especialmente após o First Republic Bank declarar falência recentemente.

Leia mais: 4 criptomoedas que podem atingir novas máximas em julho de 2024

Pânico nos Estados Unidos: os cofres vão esvaziar em breve?

De acordo com um relatório publicado pelo The Wall Street Journal, a situação financeira nos Estados Unidos pode se deteriorar rapidamente durante o mês de maio. A secretária do Tesouro, Janet Yellen, anunciou que o país pode dar calote em 1º de junho se o teto da dívida não for aumentado.

Se isso acontecer, seria a primeira vez que o país fica inadimplente, numa altura em que cerca de 31,4 bilhões de dólares devem ser reembolsados. Ou seja, deixaria os cofres públicos permanentemente no vermelho e a situação só poderia ser resolvida com novos empréstimos.

Uma situação a que os países contemporâneos estão acostumados, mas que pode ser mortal em um momento em que o dólar está mais ameaçado do que nunca, à medida que outros países, como o Brasil, se voltam para outras moedas.

Por enquanto, o governo americano ainda não ofereceu uma solução para o problema, que será discutido na próxima semana.

Como isso pode afetar o mercado cripto?

Enquanto os Estados Unidos caminham para um possível default, as criptomoedas estão esperando pacientemente. Na verdade, o Bitcoin se tornou um porto seguro, consolidado por sua correlação com o ouro. Isso pode fazer muitos americanos investir em criptomoedas para preservar suas economias.

Assim, as criptomoedas podem se tornar uma alternativa, em um momento em que El Salvador e a Bulgária podem salvar suas economias graças ao BTC. No entanto, as commodities continuam a ser um grande competidor.

Porém, se o Bitcoin disparar em preço e adoção, os bancos centrais podem combater o fenômeno lançando seus CBDCs antes do esperado. Então, a população poderia recorrer a ativos mais familiares do que criptomoedas, embora a desvalorização do dólar torne essa perspectiva improvável.

EUA podem dar calote em dívida. Como isso pode impactar as criptomoedas?
Michaël van de Poppe compartilha gráfico do Bitcoin antes da declaração do Fed. Fonte: Twitter

Por enquanto, ainda há tempo, com o Fed devendo dar novas perspectivas nas próximas horas. Nesse sentido, é muito provável que os próximos comunicados da instituição impactem o preço do Bitcoin e demais criptomoedas.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedas. Confira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Coinbase Coinbase Explorar
PancakeSwap PancakeSwap Até 50% APR
Margex Margex Explorar
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

4d198a1c7664cbf9005dfd7c70702e03.png
Anderson Mendes
Membro ativo da comunidade de criptoativos e economia em geral, Anderson é formado pela Universidade Positivo, e escreve sobre as principais notícias do mercado. Antes de entrar para a equipe brasileira do BeInCrypto, Anderson liderou projetos relacionados à trading, produção de notícias e conteúdos educacionais relacionados ao mundo cripto no sul do Brasil.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados