CBDCs de China e EUA e suas implicações econômicas na liberdade financeira

By Shubham Pandey
19 novembro 2022, 15:00 -03
Traduzido Thiago Barboza
19 novembro 2022, 15:00 -03
EM RESUMO
  • A prova de conceito do CBDC dos EUA vê grandes bancos se unirem ao Federal Reserve.
  • O conselho de governadores do Federal Reserve divulgou uma visão geral das implicações macroeconômicas de um CBDC.
  • Combinar governo e CBDCs levantaria questões desafiadoras em relação à liberdade financeira.
  • promo

A pesquisa e o desenvolvimento de uma moeda digital do banco central (CBDC) têm sido uma alta prioridade na China, e os Estados Unidos parecem estar seguindo o exemplo. O Federal Reserve (FED) de Nova York e um grupo de bancos privados lançaram recentemente um projeto piloto do “dólar digital” de 12 semanas. Mas ainda há preocupações sobre como isso pode afetar a liberdade financeira da população.

Em 9 de março de 2022, o presidente dos EUA, Joe Biden, colocou o status de “maior urgência” nos esforços de pesquisa e desenvolvimento em uma potencial moeda digital de banco central dos EUA. Foi um movimento para se manter relevante ou competitivo em comparação com outras regiões?

Muitos concordariam. Um punhado de nações, incluindo China e Rússia, já iniciaram programas-piloto em relação aos seus CBDCs. Os EUA, o Reino Unido e a maior parte da zona do euro ainda estão em fase de investigação e pesquisa. Isso é evidente no gráfico encontrado abaixo:

/Artigos relacionados

Mais artigos
Esforços de China e EUA em busca de um CBDC e suas implicações na liberdade financeira
Fonte: CBDC tracker

Há uma diferença notável no desenvolvimento de CBDCs por região. As nações ocidentais correm o risco de ficar para trás nesse aspecto. Com isso em mente, os EUA estão agora dando seus primeiros passos para fechar essa lacuna.

Ensaios de prova de conceito

Na terça-feira (15), vários dos principais bancos de investimento fizeram parceria com o Federal Reserve dos EUA para começar a trabalhar no dólar digital. O “Innovation Center” do FED de NY se juntará ao Citigroup, Mastercard, Wells Fargo, HSBC e outros grandes players financeiros para realizar testes, informou o BeInCrypto.

Além disso, o post oficial dizia:

“O Federal Reserve Bank de Nova York anunciou que seu Centro de Inovação de Nova York (NYIC) participará de um projeto de prova de conceito para explorar a viabilidade de uma rede interoperável de dinheiro digital de banco central e dinheiro digital de banco comercial operando em um livro-razão distribuído multi-entidade compartilhado.”

Esforços de China e EUA em busca de um CBDC e suas implicações na liberdade financeira
Fonte: Reuters

A prova de conceito será executada por 12 semanas e testará diferentes atributos e funções de um dólar digital.

O projeto está sendo realizado especificamente para testar a “viabilidade técnica, viabilidade legal e aplicabilidade comercial da tecnologia de contabilidade distribuída” em uma Rede de Responsabilidade Regulada (RLN).

Aspectos chaves

O teste de 12 semanas se concentrará em seis áreas principais:

  • Estrutura regulatória: a plataforma se alinhará com a estrutura regulatória existente e preservará os requisitos existentes para o processamento de pagamentos baseados em depósito, principalmente mantendo os requisitos de conhecimento do cliente e anti-lavagem de dinheiro.
  • Escopo: O PoC simulará dinheiro digital emitido por instituições regulamentadas em dólares americanos, embora o conceito possa se estender a operações em várias moedas e stablecoins regulamentadas.
  • Tokens: O PoC simulará tokens 100% fungíveis e resgatáveis ​​com outras formas de dinheiro.
  • Colaboração do setor: o PoC incluirá o diálogo com a comunidade bancária mais ampla dos EUA, incluindo bancos comunitários e regionais.
  • Resultados: Após a conclusão do PoC, o grupo bancário divulgará os resultados, que esperam ser uma contribuição essencial para a literatura sobre dinheiro digital.
  • Planos: Os participantes do grupo bancário não estão comprometidos com nenhuma fase futura do trabalho após a conclusão do PoC.

As notícias do projeto piloto NYIC seguiram outra iniciativa de pesquisa recente de 4 de novembro. Apelidado de Projeto Cedar, a primeira fase do experimento CBDC testou negociações à vista de câmbio.

Isso foi feito para determinar se uma solução blockchain poderia melhorar a “velocidade, custo e acesso a pagamentos por atacado transfronteiriços”.

Entrando na corrida de CBDC

Países como Rússia e China, entre outros, já começaram a estipular como os CBDCs seriam usados no dia a dia da população.

A China ultrapassou o marco de 100 bilhões de yuans (US$ 13,9 bilhões) no volume de transações em yuan digital em 31 de agosto. Isso representa um aumento de 36,3% no volume desde junho. Também mostra a taxa de adoção em rápido crescimento do yuan digital da China (também conhecido como e-CNY).

De acordo com um relatório do Banco Popular da China (PBoC), cidadãos de cidades selecionadas teriam acesso a carteiras digitais de yuans. A China pretende expandir o escopo de seus atuais testes de yuan digital para todas as suas províncias mais populosas e desenvolvidas até o final do ano, de acordo com Fan Yifei, vice-governador do Banco Popular do país.

Esforços de China e EUA em busca de um CBDC e suas implicações na liberdade financeira
Fonte: Reuters

Embora ainda nas fases iniciais, a Rússia também começou a estabelecer as bases para o suporte ao rublo digital.

Reduzindo a exposição

Tanto a China quanto a Rússia têm motivos para agir rapidamente na implementação de um CBDC, a fim de reduzir sua dependência do dólar dos Estados Unidos. Alguns pesquisadores estatais chineses até lançaram a ideia de uma moeda digital pan-asiática.

O token digital seria atrelado a uma cesta de 13 moedas, incluindo o yuan, o iene japonês, o won sul-coreano e os dos 10 países da ASEAN.

O South China Morning Post escreveu:

“Mais de 20 anos de integração econômica aprofundada no Leste Asiático estabeleceram uma boa base para a cooperação monetária regional. As condições para estabelecer o yuan asiático se formaram gradualmente”.

Isso apenas mostra por que os EUA e outras nações, como o Reino Unido, estão agindo com cautela e cálculo. Dito isso, ainda existem grandes preocupações e dúvidas sobre uma economia mundial rodando em CBDCs.

Liberdade financeira, certo?

Os CBDCs têm o potencial de tornar o rastreamento e a vigilância muito mais fáceis para os governos, potencialmente corroendo a liberdade financeira, apesar do que possam reivindicar. Não é por acaso que as regiões mais autoritárias do mundo são as que estão à frente do pelotão, correndo para implantá-las.

Por exemplo, o Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou os CBDCs como um caminho para a inclusão financeira. Mas pode haver algumas implicações graves que vieram à tona após a Reunião Anual do FMI-Banco Mundial em outubro.

O vice-diretor administrativo, Bo Li, destacou diferentes casos de uso de como os CBDCs estavam sendo estudados e como eles poderiam melhorar a inclusão financeira por meio da programação.

No entanto, seus comentários receberam forte reação, pois retratavam o oposto da inclusão financeira. A conclusão desses comentários é que os governos querem ser capazes de programar dinheiro para controlar o que as pessoas podem ou não comprar.

Em um white paper de 2021, o Fórum Econômico Mundial escreveu sobre quais são as possíveis desvantagens de tentar microgerenciar a sociedade com CBDCs. Algumas preocupações incluíam colocar limites no tamanho das transações, quanta moeda alguém poderia manter e a natureza dos bens que uma pessoa poderia comprar.

Nick Anthony, analista de políticas do Centro de Alternativas Monetárias e Financeiras do Cato Institute, têm preocupações semelhantes. O BeInCrypto entrou em contato com ele para comentar sobre o desenvolvimento mais recente dos CBDCs.

Ele afirmou que:

“Muitos formuladores de políticas – tanto no Congresso quanto nas agências – estão olhando para os CBDCs como se seu trabalho fosse acompanhar os Jones. E parece que o piloto do Fed é o próximo passo nisso. Mas o fato de países como China e Nigéria estarem liderando o caminho para os CBDCs deve ser um sinal para ir na direção oposta.”

CBDC e suas implicações

Em uma visão geral e o desenvolvimento mais recente, o Federal Reserve Board dos Estados Unidos divulgou um documento para discutir ‘Implicações macroeconômicas do CBDC’ na quinta-feira (17). Ele analisou os potenciais positivos e negativos e enfatizou o papel de um CBDC em relação à política monetária e remuneração.

De acordo com este artigo, um dólar digital poderia melhorar o bem-estar “reduzindo os atritos financeiros nos mercados de depósitos, aumentando a inclusão financeira e melhorando a transmissão da política monetária”. No entanto, também existem algumas restrições:

“Um CBDC envolve riscos significativos, incluindo a possibilidade de desintermediação bancária e contração associada no crédito bancário, bem como potenciais efeitos adversos na estabilidade financeira.

Um CBDC também levanta questões importantes sobre a implementação da política monetária e a presença dos bancos centrais no sistema financeiro. Em última análise, os efeitos de um CBDC dependem criticamente de seus recursos de design, principalmente da remuneração”.

No entanto, não é uma surpresa total o fato de políticos e bancos apoiarem os CBDCs. Isso ocorre porque eles permitiriam uma troca par-governo/banco-par. Você deve se lembrar que o primeiro-ministro Justin Trudeau ordenou aos bancos que congelassem as contas de seus críticos políticos no Canadá.

De qualquer forma, o relacionamento entre um governo e seu CBDC levantará questões desafiadoras sobre o que realmente significa liberdade financeira.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.