Ver mais

Exclusivo O futuro do Bit2Me após o êxito do token B2M, segundo o CEO Leif Ferreira

9 mins
Atualizado por Júlia V. Kurtz

EM RESUMO

  • Leif Ferreira: "o objetivo é que o Bitcoin se posicione como uma moeda de uso maciço".
  • CEO da Bit2Me: "queremos Independência para ter uma direção do Bitcoin e do mundo fiat para encerrar o ciclo e sermos um banco cripto".
  • O tokenomics do B2M benecicia o token em um mercado de alta e o protege na baixa.
  • promo

A Bit2Me está na indústria de blockchain há vários anos e, como uma fintech, obteve grandes conquistas.

Por exemplo, 2021 foi um grande ano para a empresa, especializada em tecnologia financeira, graças à exposição ao público por meio de ousadas campanhas de marketing, à expansão para outros países da América Latina e lançando uma infinidade de produtos e serviços para o setor de criptomoedas. O objetivo final é se tornar um serviço completo para empresas e particulares. Estes esforços persistentes culminaram no lançamento bem-sucedido do token nativo B2M, que teve uma demanda surpreendente, vendendo sua capitalização total em poucos segundos. O que o futuro reserva à Bit2Me?

A Bit2Me foi fundada em 2014 e, desde então, segue persistentemente um caminho sólido e sem olhar para trás. O ano de 2021 será lembrado pela empresa espanhola como o ano chave em que ela partiu em alto mar, dando um passo firme, amadurecendo como uma empresa e com vislumbres de um futuro promissor.

Hoje, dia 30 de setembro, data em que culminou o processo de abertura do seu token B2M nativo, o BeInCrypto conversou com o cofundador e CEO da Bit2Me, Leif Ferreira, sobre o seu estado atual e o que o futuro lhes reserva.

A venda bem-sucedida do token B2M

A Bit2Me lançou seu token B2M em setembro, fechando em tempo recorde uma arrecadação de fundos que alcançou 20 milhões de euros em sua oferta inicial de moedas (ICO). A demanda nas três rodadas abertas de financiamento era extraordinária e inédita na Espanha.

Suponho que você ficou emocionado com o sucesso das vendas. A primeira rodada demorou 59 segundos para fechar, a segunda, 47 segundos e a última, 38 segundos. Você esperava esse sucesso?

Leif Ferreira: Nada, nada e menos nessas velocidades. Até o último momento você não sabe como serão as vendas e, de repente, ocorre uma queda no mercado de criptomoedas, como aconteceu [no dia 7 de setembro], e alguns acham que pode não ser hora de investir em um ICO e tudo muda radicalmente. Mesmo assim, demorou apenas alguns segundos para finalizar as vendas em cada rodada.

Depois do sucesso, reuni a equipe e disse o quanto estava surpreso e orgulhoso dela por ter trabalhado muito para chegar até aqui. O engraçado é que o token B2M não serviu apenas para nos financiar, mas também para nos conhecermos, e crescemos em muitas áreas.

O token B2M da Bit2Me foi vendido primeiro em uma venda privada e depois aberto ao público por meio de um ICO. Por que você escolheu este formato?

Leif Ferreira: Você tem que levar em consideração onde estamos. A Bit2Me é espanhola. Em termo de regulamentação, não é um país que acompanha a indústria cripto. Queríamos fazer isso da Espanha para nos tornarmos pioneiros novamente, sendo os primeiros a lançar algo assim. É verdade que outros projetos espanhóis já lançaram um ICO antes, mas de outras partes do planeta, ninguém o tinha feito na Espanha.

Estamos preparando este ICO há mais de três anos. Tivemos que testar para ver se há pessoas que querem se envolver em um projeto na Espanha, depois da venda privada pensamos em abrir esse investimento a pessoas físicas e tivemos muito sucesso. A venda privada já cobria o financiamento do produto, calculando que o MVP seria de € 2,5 milhões, depois da ICO atingimos € 20 milhões. Pensamos que não chegaríamos nem perto desse suporte, colocamos um limite para o suporte ao tokenomics B2M.

Podemos ter dado a impressão que arrecadar esse dinheiro é fácil, mas há sete anos estamos dando entrevistas, trabalhando no projeto, criando uma marca e finalmente fomos recompensados.

A Bit2Me conseguiu arrecadar € 20 milhões em quase 2min30, com tanto sucesso, acha que haveria espaço para mais arrecadação?

Leif Ferreira: Os próprios usuários passaram a comentar no Telegram se uma nova fase poderia ser aberta já que alguns ficaram de fora e assim os recursos seriam ampliados. No entanto, com os fundos que temos atualmente, temos mais do que suficiente. Poderíamos beneficiar a comunidade e também a empresa com outra expansão, mas estaríamos carregando o tokenomics dos tokens emitidos e também veríamos nossos compromissos de distribuição alterados.

Quem quiser comprar tokens tem facilidade, terá que esperar até o dia 1º de novembro.

A Bit2Me amadureceu. Qual é o seu futuro?

A Bit2Me obteve um crescimento anual de 1200%, atingindo 1,7 milhão de usuários em sua Academia Bit2Me entre outras grandes conquistas. Como já aconteceu em outros projetos semelhantes, a dinâmica de crescimento é inicialmente muito intensa e depois entra em uma zona de consolidação onde a empresa entra em uma nova fase onde deve mostrar fatos e não apenas promessas, porém a Bit2Me ainda pode ter mais espaço para crescer segundo Ferreira .

Você acha que alcançou esse ponto ou ainda haverá crescimentos tão notáveis ​​por vir?

Leif Ferreira: Acredito que toda a indústria esteja em pleno crescimento, players semelhantes a nós, como a Binance ou a Coinbase, continuam crescendo ano após ano. Me dá a sensação de que o setor continuará crescendo na próxima década, parece muito claro para mim que todo mundo vai usar Bitcoin direta ou indiretamente. Serão necessárias ferramentas para poder utilizar estes serviços, novos atores surgirão e muitas empresas tradicionais verão neste ecossistema em que têm que ser sim ou sim.

O objetivo final é que o Bitcoin se posicione como uma moeda de uso em massa.

Continuaremos a crescer com a indústria se fizermos as coisas como fazíamos antes. A Bit2Me sempre cresceu organicamente, destacando que no último ano as sementes que plantamos há anos começaram a dar frutos, por exemplo o ex-presidente da Mastercard não se envolve em nenhum projeto.

Quando esse momento de maturidade e consolidação de crescimento chegar, quais são seus objetivos e para onde vai a atenção da Bit2Me?

Leif Ferreira: É verdade que oferecemos uma suíte completa, mas estamos focados no público que quer aprender e interagir com criptomoedas. Portanto, temos uma equipe dedicada ao aprendizado com nosso produto Bit2Me Academy. Outros objetivos seriam lançar um staking ou o empréstimo como o cartão de criptodébito Mastercard que será uma das nossas prioridade. Queremos fechar o círculo para podermos oferecer um serviço completo como criptobanco.

Assim, podemos servir do hodler que deseja salvaguardar seu Bitcoin, uma vez que é um valor de refúgio seguro para que suas economias não sejam comidas pelo governo, como desvalorização e impostos ocultos por meio da inflação.

Outros pensam que é hora de usar criptomoedas no dia-a-dia, por exemplo, e a Bit2Me fornece serviços à Coolmod para processar pagamentos com criptomoedas. Fiquei espantado visto que estão a receber muitas compras com o BTC, fiz uma aposta em que os convidaria para uma paella se ultrapassassem os € 30.000 em Bitcoin, e esse limite foi ultrapassado muito rapidamente.

Faz parte da filosofia que o Bitcoin seja usado para fazer pagamentos diários ou remessas internacionais. Portanto, devemos oferecer serviços para quem deseja manter nosso staking de longo prazo ou outros produtos como a carteira ou o cartão de criptodébito para gastos diários.

Para isso, a Bit2Me tem planejado nos próximos 12 meses a contratação de 140 perfis onde parte de nossos recursos serão alocados.

Você mencionou que quer ser um crypto bank, em seu white paper destaca que este é um dos objetivos futuros do Bit2Me, por que o Bit2Me buscará encerrar sua licença bancária própria e suas repercussões?

Leif Ferreira: Por enquanto, no mundo criptográfico ainda não é necessário, embora se espere que nos próximos meses isso possa mudar devido à atividade de regulação. No mundo fiduciário, temos clientes novatos que precisam dessa ponte, temos que oferecer contas em euros e para isso precisamos de uma licença de dinheiro elétrico.

Por enquanto, firmamos parceria com terceiros para este serviço. O problema é que você está confiando em uma empresa que pode exigir uma série de requisitos e retardar o processo, queremos ter uma independência para poder ter um endereço de Bitcoin e o mundo fiduciário fechar o círculo para ser um banco cripto.

A evolução do mercado de criptografia antes da ativação do regulamento

O setor de criptomoedas está testemunhando como a regulamentação começou a intervir de forma mais agressiva no mercado de criptomoedas. Dos Estados Unidos, proibindo preventivamente criptoprodutos antes de seu lançamento, na China, proibindo qualquer atividade com criptomoedas ou bloqueando serviços como TradingView, CoinMarketCap ou CoinGecko em sua repressão. Na Europa, os motores estão começando a esquentar e olhando para o panorama mundial, a regulamentação europeia pode ser ativada.

Observando o que está acontecendo nos Estados Unidos com a SEC e analisando o caso mais recente com a Coinbase e seu produto Lend. Você acha que a proibição de um produto que gera interesse poderia acontecer na Espanha ou na Europa?

Leif Ferreira: Hipoteticamente poderia acontecer, mas achamos que é um produto tão interessante que você tem que ter. É preciso diferenciar a Coinbase da Bit2Me, a Coinbase está listada na bolsa de valores e, portanto, tem outras regras a seguir, e a Europa não tem uma organização como a SEC [análoga à Comissão de Valores Mobiliários] dos Estados Unidos, é outro ecossistema.

Descobrimos que o produto despertou grande interesse da comunidade. É um contrato em que os usuários nos oferecem suas criptomoedas voluntariamente para lhes oferecer algum interesse, continuaremos com ele.

A Bit2Me fez eco entre a população espanhola graças a uma campanha publicitária ousada da sua parte. Você já teve que passar pela Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV)?

Leif Ferreira: O regulamento espanhol tirou uma lei do nada, mas ainda não entrou em vigor, espera-se que entre em funcionamento até 2022. Eles querem ser informados desde que a campanha tenha caráter especulativo.

Por exemplo, nossas campanhas usaram um tom humorístico como “Bitcoin, bem-vindo à república independente do seu dinheiro”. Tínhamos medo de tocar em vários pilares, por exemplo pelo jeito como este país é, a mensagem poderia ter se confundido com algo político devido à questão da república, finalmente foi um sucesso.

O token B2M e fatores externos, como tecnologia e ciclos de criptografia de mercado

O token B2M ainda não foi para o mercado aberto, mas quando isso acontecer, ele poderá ser afetado pelas condições do mercado de criptomoedas, bem como por sua tokenomia e sua construção.

Você sabe qual é o perfil do investidor que comprou nas rodadas abertas?

Leif Ferreira: Um perfil totalmente varejista, existem cerca de 13.000 operações únicas, existem apenas 11.000, então 2.000 são usuários recorrentes. Tirando a operação média por operação, atingiu quase € 2.000, não é uma compra muito grande, na última ronda a média caiu para € 700. Em contrapartida, a rodada privada anterior atingiu um investimento médio de € 50.000.

Isso significa que o investimento foi capilarizado, o que eu acho que é a melhor coisa para um token sair do caminho das baleias e se democratizar. Mesmo assim, há pessoas que compraram grandes quantidades, como um usuário que comprou € 300 mil em B2M.

O B2M será um token ERC-20, ficará à mercê das taxas do Ethereum?

Leif Ferreira: Sempre que houver operação de entrada ou saída pela rede Ethereum, haverá o pagamento de taxas. Todas as operações realizadas fora da rede, ou seja, compras, vendas, trocas, aplicação de descontos, votação não gerarão qualquer despesa para o usuário com relação ao Ethereum.

Em relação ao Ethereum 2.0, estou otimista de que eles resolverão o problema de dimensionamento. Da mesma forma, o Bit2Me é totalmente gratuito que quando chegar a hora de qualquer descontrole das comissões Ethereum que inviabilize a operação, poderemos sempre trabalhar com outras plataformas como Cardano ou outras alterando o contrato inteligente da plataforma.

Em janeiro, começará a ser liberado o lock-up da venda privada e assim sucessivamente a partir das demais fases. O que você acha que poderia acontecer?

Leif Ferreira: Não estamos preocupados com o bloqueio, pois sabemos que os investidores que interagiram nas primeiras rodadas geralmente estão presentes no longo prazo. Da mesma forma, o bloqueio será aberto gradualmente.

O token B2M será afetado por um mercado em alta ou em baixa do Bitcoin ou Ethereum?

Leif Ferreira: Acho que pode ser afetado, no momento em que a B2M chegar ao mercado aberto ficará à mercê das tendências. Se realmente entrarmos em um mercado baixista, as pessoas entrarão em pânico e como existem blocos por enquanto, ainda não poderão vender, amortecendo a possível queda.

Em contraste, se houvesse um mercado em alta de B2M, ele se beneficiaria muito porque ainda não há muitos tokens no mercado, razão pela qual há muita demanda e pouca oferta e, portanto, se beneficiará muito.

Quando estiver 100% distribuído no mercado, presumo que se correlacionará com as outras moedas. Enquanto isso, durante esse processo de abertura do mercado, você se beneficiará muito mais com um mercado em alta do que poderia perder em um mercado em baixa.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

d1d10d5e7cdf60a0e1405996b7589e63.jpg
Daniel Ramirez-Escudero
Daniel tem experiência como scalp trader em futuros no mercado DAX. Grande entusiasta do Bitcoin e das criptomoedas pelo seu significado, geopolítica e seguidor da nova revolução financeira desde o início de 2017, dia a dia aprende mais. De nacionalidade espanhola, embora com enfoque internacional, viveu desde criança em Londres, Bruxelas, Santiago do Chile, Amesterdã, e atualmente alterna entre Madri e Palma de Mallorca. Licenciado em Comunicação Audiovisual e Mestre em Web Design e...
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados