Ver mais

SEC abre investigação contra a Coinbase e aumenta a lista de problemas da exchange

2 mins
Atualizado por Anderson Mendes

EM RESUMO

  • A SEC começou a investigar a Coinbase sobre alegações de listagem de valores mobiliários em sua plataforma.
  • Ambas as entidades tiveram brigas no passado, sendo a mais recente a acusação de um ex-funcionário da Coinbase de insider trading.
  • O regulador adotou o teste de Howey para decidir se os ativos se enquadram como títulos ou commodities.
  • promo

A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) abriu uma investigação em grande escala sobre a Coinbase, que supostamente listou valores mobiliários em sua plataforma.

A Bloomberg informou que a Coinbase enfrenta uma investigação da SEC por permitir que os estadunidenses negociem títulos não registrados em sua plataforma. De acordo com os insiders, a agência intensificou sua vigilância sobre as negociações da exchange desde que ela aumentou o número de tokens disponíveis para os seus usuários.

Atualmente, existem mais de 150 ativos disponíveis para negociação na Coinbase e, se a reivindicação da SEC for válida, a empresa pode ter que se registrar na comissão de acordo com a Seção 6 do Securities Exchange Act de 1934 para continuar desempenhando suas atividades no país.

Paul Grewal, diretor jurídico da exchange, reagiu ao relatório dizendo que a empresa não tinha nada a se esconder.

“Fico feliz em dizer isso de novo e de novo: estamos confiantes de que nosso rigoroso processo de diligência – um processo que a SEC já revisou – mantém os títulos fora de nossa plataforma e estamos ansiosos para nos envolver com a SEC sobre o assunto”, disse Grewal.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedasConfira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.

Coinbase e SEC andando na corda bamba

A SEC e a Coinbase entraram em conflito anteriormente em várias questões sobre se os tokens cripto podem ser enquadrados como títulos financeiros. A última briga ocorreu depois que a Comissão acusou o ex-funcionário da exchange de insider trading ao avisar seu irmão para comprar tokens antes deles serem listados na plataforma da exchange.

A autarquia observou que nove dos ativos negociados eram títulos, alegando indiretamente que a Coinbase havia listado títulos sem o seu consentimento. A exchange imediatamente se defendeu com uma postagem em blog com palavras fortes, intitulada “A Coinbase não lista títulos. Fim da história.”

No ano passado, a empresa teve problemas com a Comissão sobre seu produto de empréstimo e foi forçada a abandoná-lo quando a SEC ameaçou entrar com uma ação legal. A Coinbase também confirmou que “recebeu intimações investigativas” da Comissão e sempre cumpriu as diretrizes.

A confiança da SEC no teste de Howey

Ao determinar se um ativo é um título, a SEC normalmente se baseia no caso de 1946 entre a Comissão e a W.J. Howey Co. Famosamente conhecido como o teste de Howey, certos elementos devem estar presentes para que uma transação se enquadre no âmbito da lei de valores mobiliários.

De acordo com os tribunais, a lei de valores mobiliários será aplicada se a transação envolver “um investimento de dinheiro em uma empresa comum com uma expectativa razoável de lucros a serem derivados dos esforços de outros”.

Decorrente do exposto, Gary Gensler, presidente da SEC, afirmou que várias criptomoedas são títulos e essa postura formou o baluarte de seu caso contra a Ripple Labs sobre a venda de XRP (XRP).

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

4d198a1c7664cbf9005dfd7c70702e03.png
Anderson Mendes
Formado em Administração de Empresas pela Universidade Positivo, Anderson atua como redator para o BeInCrypto há 2 anos. Escreve sobre as principais notícias do mercado de criptomoedas e economia em geral. Antes de entrar para a equipe brasileira do site, participou de projetos relacionados à trading, produção de notícias e conteúdos educacionais relacionados ao mundo cripto em sua cidade natal, Curitiba.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados