Ver mais

Robinhood demite funcionários e enfrenta queda de uso diário

2 mins
Por David Thomas
Traduzido Júlia V. Kurtz

EM RESUMO

  • A Robinhood cortou 150 empregos devido à queda dos volumes de negociação.
  • A empresa adquiriu a startup de cartão de crédito X1 e vai expande o acesso à negociação de ações.
  • A exchange também exclui tokens após repressão da SEC.
  • promo

A exchange Robinhood Markets vai cortar 150 empregos em tempo integral. A decisão ocorre ao mesmo tempo em que empresas cripto sentem o impacto da queda de volume causados devido a ações de fiscalização nos EUA.

A Robinhood anunciou uma terceira leva de demissões em pouco mais de um ano para simplificar as equipes devido aos volumes de negociação mais baixos.

Leia mais: 4 criptomoedas que podem atingir novas máximas em julho de 2024

Robinhood lança terceira rodada de cortes de empregos

Com a medida, a Robinhood vai demitir 150 funcionários das áreas de experiência do cliente e serviços compartilhados de plataforma, confiança e segurança do cliente e segurança e produtividade.

Em seu relatório anual de 2022, a empresa disse que empregava 2.300 pessoas, com as duas rodadas de cortes afetando menos 1.000 delas.

Há uma semana, a empresa anunciou a aquisição da startup de cartão de crédito X1 para expandir seus fluxos de receita. Além disso, os operadores de ações agora podem acessar os mercados das principais ações e fundos negociados em bolsa 24 horas por dia, cinco dias por semana. No início, era possível negociar apenas ações da Apple, Amazon e Tesla.

Em seguida, a empresa foi multada pela Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC), em 2020, por não divulgar a receita do roteamento de negociações de clientes.

De acordo com a folha de acusações, a Robinhood privou os clientes de US$ 34,1 milhões por meio de rotas comerciais em benefício próprio.

Mais tarde, a empresa fez um acordo com a SEC por US$ 65 milhões e concordou em interromper a prática.

Exchange exclui tokens após aplicação de regulamentação

No entanto, as recentes repressões da SEC ao mercado cripto ainda deixam nervosos os jogadores da indústria dos EUA, incluindo a Robinhood. A maior exchange dos EUA, a Coinbase, por exemplo, enfrenta uma ação de execução da SEC por operar como corretora não registrada e câmara de compensação de criptomoedas.

Em seu processo, a SEC listou ativos que considerou títulos não registrados que a Coinbase teria listado ilegalmente. Essa lista inclui três dos 18 criptoativos oferecidos pela Robinhood.

Após uma revisão, a Robinhood anunciou que retiraria os tokens da lista na terça-feira (27), cortando as receitas de negociação dos pares afetados.

Entretanto, o boom recente do interesse institucional pode ser a salvação da empresa.

Na semana passada, várias grandes empresas de investimento entraram com pedidos na SEC para começar a oferecer um fundo negociado em bolsa de Bitcoin à vista.

Os aplicativos elevaram o preço do Bitcoin para mais de US$ 31.000, pois as perspectivas de maiores fluxos institucionais e melhor liquidez inspiraram os investidores.

Robinhood demite funcionários e enfrenta queda de uso diário
Fonte: CoinShares

Além disso, as empresas de negociação institucional que embarcam podem oferecer aos clientes da Robinhood acesso a mercados mais líquidos.

Na segunda-feira (26), o Sygnum Bank anunciou um novo serviço de custódia e corretagem de criptoativos para combinar ordens de compra e venda.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedas. Confira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Julia.png
Júlia V. Kurtz
Editora do BeInCrypto Brasil, a jornalista é especializada em dados e participa ativamente da comunidade de Criptoativos, Web3 e NFTs. Formada pelo Knight Center for Journalism in the Americas da Universidade do Texas, possui mais de 10 anos de experiência na cobertura de tecnologia, tendo passado por veículos como Globo, Gazeta do Povo e UOL.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados