Ver mais

Criptomoedas e IA aumentam as emissões de metano dos EUA para 6 milhões de toneladas

3 mins
Traduzido Aline Fernandes

EM RESUMO

  • O aumento no uso de criptomoedas e IA causou um salto significativo na demanda de eletricidade dos EUA em 2023.
  • As demandas de energia das criptomoedas e da inteligência artificial aumentaram as emissões globais de metano para 120 milhões de toneladas em 2023.
  • Os EUA propuseram um imposto de 30% sobre a mineração para mitigar o impacto ambiental do consumo de eletricidade das criptomoedas.
  • promo

Os Estados Unidos estão testemunhando um aumento sem precedentes na demanda de eletricidade e nas emissões de metano, impulsionado pelos crescentes setores de criptomoedas e inteligência artificial (IA).

O especialista em energia Timothy Fox estima que, somente em 2023, os data centers – cruciais para alimentar esses setores – consumiram surpreendentes 25 a 95 terawatts-hora.

Participação de 5% das criptomoedas nas emissões de metano

O aumento no consumo de energia está impulsionando o consumo anual e as previsões de pico de demanda para seus níveis mais altos em mais de uma década, levantando preocupações ambientais significativas. Para agravar esse problema, há um aumento alarmante nas emissões de metano, um potente gás de efeito estufa.

Segundo a Agência Internacional de Energia (IEA), o volume de metano liberado na atmosfera foi de mais de 120 milhões de toneladas métricas em 2023, um número que a agência considera inaceitavelmente alto. Os Estados Unidos, como o principal emissor nacional de metano proveniente de operações de petróleo e gás, são um dos principais contribuintes.

Um estudo abrangente publicado na Nature revelou que as operações de petróleo e gás em seis regiões, incluindo Texas, Califórnia e Colorado, podem liberar aproximadamente 6,2 milhões de toneladas de metano anualmente. O estudo analisou mais de 1 milhão de medições aéreas de emissões de metano.

Annual Increase Methane Crypto
Mudança anual na concentração de metano. Fonte: IEA

Algumas das maiores atividades de mineração de criptomoedas estão fortemente concentradas no Texas. Atraídos pela regulamentação mínima de criptoativos e pelos custos mais baixos de energia, mineradores de Bitcoin como a Riot Platforms e a Argo Blockchain se estabeleceram no Texas. Além disso, a Riot investiu recentemente US$ 333 milhões em uma instalação de mineração de Bitcoin de 1 gigawatt em Corsicana, Texas.

Além das emissões de carbono, o aumento da infraestrutura exerceu uma pressão financeira adicional sobre os residentes, aumentando os preços da eletricidade local. Os moradores precisam desembolsar cerca de US$ 250 milhões por ano com contas de energia mais altas causadas pela demanda adicional.

Leia mais: 5 criptomoedas para ficar de olho em junho

Transição para as energias renováveis é complicada

No entanto, enfrentar esses desafios exige um equilíbrio delicado entre o avanço da inovação tecnológica e a garantia da sustentabilidade ambiental. Timothy Fox, da Cleanview Energy, articula o dilema de manter a estabilidade das redes e, ao mesmo tempo, adotar uma transição para a energia renovável.

“As questões predominantes hoje são: como fazer a transição para recursos intermitentes e mais limpos sem arriscar a confiabilidade… é preciso manter as usinas convencionais on-line para atender à crescente demanda. É difícil ficar verde enquanto se está crescendo”, disse Fox.

Entretanto, 2024 é potencialmente um ano decisivo para a responsabilidade ambiental com relação às emissões de metano. Tim Gould, economista, aponta a implantação iminente de novos satélites para melhorar o monitoramento de vazamentos de metano como um ponto de inflexão. Notavelmente, o MethaneSAT, apoiado pelo Google, da Alphabet Inc, pelo Environmental Defense Fund e por outras iniciativas, também promete mais detalhes.

Enquanto isso, o Departamento do Tesouro dos EUA propôs um imposto de mineração de criptoativos sobre o consumo de eletricidade. A partir de 2025, a proposta sugere uma implementação em fases de um imposto de até 30% ao longo de três anos. Eventualmente, a tarifa visa mitigar o impacto ambiental e, ao mesmo tempo, exigir maior transparência nos relatórios de consumo de energia dessas empresas.

A BeInCrypto entrou em contato com a Riot Blockchain para comentar sobre seus planos de energia, mas não obteve resposta até o momento.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

aline.jpg
Aline Fernandes
Apaixonada pelo que faz, Aline Fernandes é uma profissional que atua há 20 anos como jornalista. Especializada nas editorias de economia, agronegócio e internacional trabalha na BeINCrypto como editora do site brasileiro. Já passou por quase todas as redações e emissoras do país, incluindo canais setorizados como Globo News, Bloomberg News, Canal Rural, Canal do Boi, SBT, Record e Rádio Estadão/ESPM. Atuou também como correspondente internacional em Nova York e foi setorista de economia...
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados