Ver mais

Não, Donald Trump não vai “tornar o Bitcoin grande novamente”, opinam especialistas

3 mins
Atualizado por Thiago Barboza

EM RESUMO

  • A visão de Trump sobre a fabricação de Bitcoin gera debate entre os especialistas do setor.
  • Os especialistas alertam que a centralização pode comprometer a natureza descentralizada do Bitcoin.
  • Surgem opiniões variadas sobre os efeitos geopolíticos e de mercado da postura de Trump.
  • promo

A recente declaração do ex-presidente Donald Trump sobre querer que todo Bitcoin seja fabricado nos EUA provocou um debate na comunidade cripto.

Embora alguns entusiastas do Bitcoin tenham inicialmente acolhido a ideia, muitos especialistas argumentam que a posição de Trump não compreende os princípios fundamentais do Bitcoin.

A visão de Trump sobre o Bitcoin gera debate

A jornalista cripto Laura Shin levantou uma questão crítica. Ela perguntou por que os usuários de Bitcoin comemoraram a declaração de Trump sobre a criação de todos os Bitcoins nos EUA.

Ela enfatizou que isso poderia criar um risco jurisdicional, tornando o Bitcoin menos descentralizado e mais vulnerável a ataques. Margot Paez, defensora do Bitcoin e consultora de sustentabilidade, concordou com esse sentimento.

“Não queremos a centralização do hashrate nos EUA. Isso deveria ser óbvio. Por favor, se entendam”, disse ela.

Leia mais: Quanta eletricidade a mineração de Bitcoin usa?

O congressista Sean Casten também expressou sua discordância com a declaração de Trump. Em uma série de tweets, Casten destacou as limitações práticas do Bitcoin. Ele enfatiza, por exemplo, a natureza de uso intensivo de energia da mineração de Bitcoin e sua utilidade limitada nos bancos modernos.

No entanto, Nic Carter, sócio da Castle Island Ventures, discordou da “correção” de Casten à visão de Trump. Embora Carter tenha reconhecido que o Bitcoin não precisa ser minerado nos EUA, ele acredita que as críticas de Casten à declaração de Trump foram exageradas e mereciam uma resposta.

Várias figuras proeminentes do setor cripto compartilharam suas perspectivas sobre a declaração de Trump. Alex Thorn, chefe de pesquisa da Galaxy Digital, argumentou que a declaração de Trump poderia ser vista como um sinal geopolítico. E, portanto, poderia potencialmente encorajar outras nações a considerar seriamente a mineração de Bitcoin.

“Há uma visão de que a concorrência se acelerará, impulsionando e consolidando a adoção global. Se seus adversários geopolíticos (ou aliados, nesse caso) acharem que isso é importante, você também deverá entrar no jogo ou correrá o risco de ficar para trás”, disse ele.

Matthew Pines, do National Security Fellow do Bitcoin Policy Institute, enfatizou ainda mais as possíveis implicações geopolíticas da postura de Trump. Pines sugeriu que, dependendo da escala e da execução das políticas de Trump relacionadas ao Bitcoin, a reação global poderia variar de indiferença a mudanças geopolíticas significativas.

“Não tenho certeza de como uma postura política Bitcoin-For-America/America-For-Bitcoin irá interagir com a potencial instabilidade política e geopoliticamente induzida no mercado [do Tesouro] dos EUA, mas poderia ficar muito interessante e muito confuso, muito rapidamente”, escreveu ele.

Em meio a esse debate acalorado, o investidor cripto Mike Alfred expressou uma mistura de apoio e ceticismo. Inicialmente, ele apoiou a declaração de Trump, mas depois reconheceu as implicações mais amplas.

“Sim, nós sabemos. Mas é o espírito da declaração que importa mais do que os detalhes esotéricos”, acrescentou Alfred.

Movimentos pró-cripto: Estratégia eleitoral ou mudança genuína?

O anúncio de Trump seguiu uma série de declarações cada vez mais pró-cripto, incluindo promessas de defender o direito de autocustódia e aceitar doações de campanha de cripto. Apesar desses endossos, Trump tem tido historicamente uma postura inconsistente em relação ao Bitcoin.

Por exemplo, em julho de 2019, Trump declarou publicamente que “não é fã do Bitcoin e de outras criptomoedas”, que ele acha que “não são dinheiro e cujo valor é altamente volátil e baseado no ar”.

Além disso, a baixa posição de Trump entre os líderes globais complica ainda mais o possível impacto de sua posição pró-Bitcoin. Ainda não está claro se as declarações de Trump levarão a mudanças tangíveis na política ou se servirão apenas como retórica política voltada para sua base.

No entanto, é importante observar que o apoio de Trump ao setor de cripto chega estrategicamente no momento em que o governo do presidente Joe Biden adota uma abordagem mais rigorosa, inclusive para o setor de mineração de Bitcoin. Um exemplo significativo é o fechamento da empresa chinesa de mineração de cripto MineOne Partners.

O BeInCrypto informou que o governo de Biden determinou que a MineOne desocupasse e vendesse sua propriedade perto de uma base da Força Aérea de Wyoming, que hospeda mísseis balísticos intercontinentais, rotulando a empresa como uma ameaça à segurança nacional.

Leia mais: O que é um ETF de Bitcoin?

Chances dos candidatos à presidência dos EUA vencerem a eleição de 2024. A imgem ilustra as apostas realizadas no mercado preditivo Polymarket.
Chances dos candidatos à presidência dos EUA vencerem a eleição de 2024. Fonte: Polymarket

Dados dos mercados de previsão baseados em criptografia Polymarket mostram que Trump tem 56% de chance de vencer a eleição presidencial de novembro. Enquanto isso, Biden tem apenas 35% de chance.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Coinbase Coinbase Explorar
PancakeSwap PancakeSwap Até 50% APR
Margex Margex Explorar
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Coinbase Coinbase Explorar
PancakeSwap PancakeSwap Até 50% APR
Margex Margex Explorar
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Thiago-Barboza-red1.png
Thiago Barboza
Thiago Barboza é graduado em Comunicação com ênfase em escritas criativas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Em 2019 conheceu as criptomoedas e blockchain, mas foi em 2020 que decidiu imergir nesse universo e utilizar seu conhecimento acadêmico para ajudar a difundir e conscientizar sobre a importância desta tecnologia disruptiva.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados