Ver mais

Como a mineração de Bitcoin influencia na descoberta de vida extraterrestre?

8 mins
Por Jay Speakman
Traduzido Júlia V. Kurtz

EM RESUMO

  • Desvendando a surpreendente conexão entre a mineração de Bitcoin e a busca por vida alienígena.
  • Descobrindo as consequências da escassez de GPU para a pesquisa científica.
  • Entendendo a necessidade de equilíbrio, soluções sustentáveis e colaboração entre mineração cripto e radioastronomia.
  • promo

À medida que nos aventuramos mais na era digital, é fascinante observar a interação entre o Bitcoin e a pesquisa científica. O que alguns podem não prever é como esses campos aparentemente não relacionados podem colidir e impactar uns aos outros de maneiras inesperadas.

Neste artigo, exploramos a curiosa interseção entre a mineração de Bitcoin e a busca por vida extraterrestre.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedasConfira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.

Conexões imprevistas

Em uma reviravolta peculiar, a demanda crescente por unidades de processamento gráfico (GPUs) devido à mineração de Bitcoin em nível de fábrica começou a obstruir a pesquisa em astronomia. Este artigo investiga como os cientistas do Search for Extraterrestrial Intelligence (SETI) lidam com dificuldades na aquisição de hardware de computador vital, afetando sua busca por vida alienígena.

“No SETI, queremos olhar para o maior número possível de canais de frequência, porque não sabemos em qual frequência o ET estará transmitindo e queremos procurar muitos tipos de sinal diferentes – é AM ou FM, qual é a comunicação eles estão usando?” explicou o cientista-chefe do Berkeley SETI Research Center, Dr. Dan Werthimer.

“Isso exige muito poder de computação”, acrescentou.

A escassez atinge as estrelas

O boom da mineração de Bitcoin levou a uma demanda crescente por GPUs.

Os pesquisadores do SETI geralmente lutam para obter os chips necessários para o processamento de dados de radiotelescópios, devido ao aumento da concorrência dos mineradores, elevando os preços. Normalmente, esses enormes telescópios usam dezenas de GPUs.

Criptomoedas restringem a curiosidade cósmica

Sem acesso às GPUs mais recentes, as habilidades dos cientistas para explorar a vida extraterrestre e abordar a questão “estamos sozinhos no cosmos?” pode ser significativamente prejudicada.

Observações e experimentos estão atrasados, o que pode ter impactos de longo prazo na pesquisa do SETI. Além disso, esses atrasos podem impedir nossa compreensão do universo e limitar possíveis descobertas científicas.

Quando os mundos colidem

Essa situação destaca as ramificações da mineração de Bitcoin em vários setores e gera discussões sobre a necessidade de abordagens mais sustentáveis e menos intensivas em recursos. Como a mineração de Bitcoin consome grandes quantidades de energia, também surgem preocupações sobre o impacto ambiental dessa indústria.

Por exemplo, um estudo da Universidade de Cambridge descobriu que a mineração de Bitcoin consome mais eletricidade por ano do que países inteiros como Argentina ou Suécia.

Esse alto consumo de energia não apenas sobrecarrega as redes elétricas, mas também contribui para as emissões de gases de efeito estufa.

GPUs para todos?

Equilibrar as necessidades de várias indústrias que dependem de chips de alta velocidade e outros hardwares de computador é crucial para evitar comprometer a pesquisa e o desenvolvimento científicos. Um exemplo de setor afetado pela escassez de GPU é a indústria de videogames.

As GPUs de ponta, essenciais para a execução de jogos com uso intensivo de recursos e experiências de realidade virtual, tornaram-se cada vez mais escassas e caras. Isso gerou frustração entre os consumidores, pois grandes lotes de GPUs são comprados em massa por empresas com recursos para isso.

Soluções inovadoras

Em resposta a essas preocupações, algumas operações de mineração de criptomoedas começaram a explorar métodos mais ecológicos. Por exemplo, empresas como Greenridge Generation e Hive Blockchain recorreram a fontes de energia renováveis, como energia hidrelétrica e geotérmica, para diminuir sua pegada de carbono.

Outras soluções incluem o uso do excesso de calor gerado pelas operações de mineração para fins como aquecimento de estufas ou aquecimento de edifícios.

Prova de participação

Além disso, criptomoedas com algoritmos de mineração que consomem menos energia, como a mudança do Ethereum para um modelo de prova de participação (PoS), pretendem aliviar o impacto ambiental das moedas digitais.

Ao adotar métodos mais sustentáveis, a indústria de criptomoedas pode continuar a prosperar, minimizando seu impacto em outros setores e no meio ambiente.

Os regulamentos governamentais e da indústria também podem desempenhar um papel na abordagem das consequências negativas da mineração de bitcoin.

Os formuladores de políticas e os líderes do setor podem colaborar para elaborar diretrizes e incentivos para promover a mineração sustentável, potencialmente diminuindo a demanda por GPUs e a pressão sobre outros setores.

Por fim, promover um diálogo entre as criptomoedas, a pesquisa científica e outros setores afetados pode ajudar a identificar soluções que garantam uma distribuição equilibrada de recursos.

Ao trabalharem juntas, essas indústrias podem se esforçar para apoiar o crescimento e o desenvolvimento umas das outras, minimizando as consequências não intencionais de suas respectivas atividades.

A busca de décadas: SETI e vida alienígena

Por 40 anos, o SETI procurou por vida alienígena, muito antes de o Bitcoin ser introduzido em 2009. Isso levanta questões sobre a probabilidade de encontrar tais formas de vida e se estamos, de fato, sozinhos no universo.

Ao longo de sua existência, o SETI explorou inúmeras técnicas para detectar vida extraterrestre, desde a varredura de frequências de rádio até o exame de atmosferas de planetas distantes.

Até agora, os resultados não são promissores.

A busca por vida extraterrestre está relacionada com o Bitcoin?

A busca contínua por vida alienígena começou muito antes do surgimento do Bitcoin. Isto sugere que a recente escassez de GPU pode não ser o principal fator que impede os esforços do SETI. No entanto, a escassez atual de GPUs adiciona uma camada adicional de complexidade a um campo já desafiador.

Embora possa haver outros fatores em jogo, a falta de GPUs inegavelmente piora as dificuldades enfrentadas pelos pesquisadores do SETI. No entanto, se uma busca de 40 anos até agora não produziu nada, é difícil argumentar que a mineração de Bitcoin é a culpada.

Hipótese da Terra Rara: Uma Existência Solitária no Cosmos?

A Hipótese da Terra Rara postula que o surgimento de vida complexa e inteligente no universo é um evento extremamente raro. Na verdade, tanto quanto sabemos, aconteceu apenas uma vez, aqui na Terra.

A ideia sugere que a vida requer fatores específicos para se alinhar. Como as condições únicas da Terra, incluindo a distância do Sol e uma grande lua estabilizadora, para o desenvolvimento de vida avançada.

Um aspecto da hipótese é o conceito de zona habitável ou “Zona Cachinhos Dourados”. A região em torno de uma estrela onde as condições são adequadas para a existência de água líquida na superfície de um planeta. Um pré-requisito para a vida como a conhecemos.

No entanto, simplesmente estar localizado na zona habitável não garante que um planeta sustente a vida. Outros fatores, como a presença de uma atmosfera adequada, um campo magnético para proteção contra a radiação solar e a disponibilidade de elementos essenciais como o carbono, também são vitais.

Além disso, a hipótese afirma que, mesmo que a vida surja em um planeta, a evolução de espécies inteligentes e tecnologicamente avançadas está longe de ser garantida. O desenvolvimento da civilização humana na Terra, por exemplo, baseou-se em uma série de eventos e condições improváveis, incluindo a extinção dos dinossauros e o clima relativamente estável que permitia a agricultura.

Os críticos afirmam que a vastidão do universo sugere que planetas como a Terra podem existir. Mas grandes distâncias dificultam a detecção e a comunicação com a vida alienígena em potencial.

Possibilidades infinitas, recursos finitos

Descobertas concretas limitadas podem sugerir que estamos sozinhos no universo. No entanto, a busca por vida alienígena persiste, impulsionada pelo potencial do cosmos e pela curiosidade humana.

  • A vastidão do universo apresenta oportunidades e desafios para os pesquisadores do SETI;
  • Dois trilhões de galáxias possuem imensas possibilidades para a vida alienígena, mas os pesquisadores enfrentam uma enorme tarefa de peneirar dados cósmicos;
  • Recentemente, o aprendizado de máquina e a IA ajudaram a analisar os dados do SETI, aprimorando nossa capacidade de detecção. No entanto, a falta de GPU complica essa tarefa já assustadora.

Além disso, a natureza finita de nossos recursos ressalta a importância de priorizá-los e alocá-los com sabedoria. Enquanto os cientistas do SETI se esforçam para desvendar os mistérios do universo, eles devem fazê-lo com financiamento limitado e acesso a tecnologias de ponta.

Equilibrar a necessidade de ferramentas avançadas com as realidades das restrições de recursos é um desafio constante, exigindo criatividade e colaboração entre pesquisadores e partes interessadas em vários campos.

Equilibrando inovação financeira e exploração cósmica

Os proponentes do Bitcoin e os pesquisadores do SETI visam revolucionar a sociedade humana, embora de maneiras muito diferentes. Enquanto os entusiastas da criptomoeda procuram mudar o sistema financeiro global para o bem de todos, os cientistas do SETI perseguem a descoberta de vida alienígena.

Surge a pergunta: Esses dois caminhos são mutuamente exclusivos e quais devem ser priorizados, pelo menos no curto prazo?

A criptomoeda oferece o potencial de estabilidade financeira e inclusão, principalmente para populações sem banco ou sem banco. Ao fornecer ativos digitais descentralizados, sem fronteiras e seguros, as criptomoedas podem democratizar o acesso a serviços financeiros e ajudar a combater a desigualdade de riqueza.

Esses benefícios são particularmente atraentes no curto prazo. Como eles abordam diretamente questões socioeconômicas urgentes enfrentadas por milhões de pessoas em todo o mundo.

Por outro lado, a busca por inteligência extraterrestre representa a busca da humanidade para entender seu lugar no universo. Os entusiastas das criptomoedas visam melhorar as finanças globais, enquanto os cientistas do SETI buscam inteligência extraterrestre para revelar segredos cósmicos.

E as implicações de tal descoberta podem ser profundas. Poderia remodelar nossa compreensão da biologia, da física e da própria natureza da existência.

Além disso, os avanços tecnológicos decorrentes da pesquisa do SETI podem ter aplicações generalizadas além do campo da radioastronomia.

O desafio está em equilibrar os interesses conflitantes desses dois campos sem comprometer nenhum deles.

Criptomoedas e pesquisa podem coexistir

O impacto negativo da mineração de criptomoeda na disponibilidade de GPUs para o SETI é claro, mas ambos os campos oferecem benefícios sociais exclusivos. A cooperação pode sim trazer vantagens mútuas.

O desenvolvimento de métodos de mineração de cripto com uso eficiente de energia e menos intensivos em recursos pode aliviar a pressão de fornecimento de GPU, beneficiando os pesquisadores do SETI. O diálogo entre as comunidades também pode promover o compartilhamento de tecnologia.

Os benefícios financeiros de curto prazo das criptomoedas parecem mais valiosos, mas o impacto potencial de encontrar vida alienígena é significativo. O equilíbrio de interesses requer colaboração, inovação e reconhecimento do papel de cada campo na formação do futuro da humanidade.

Um Futuro de Inovação e Conhecimento

À medida que a tecnologia avança e a mineração de Bitcoin continua, o impacto em outros campos científicos deve ser cuidadosamente considerado. Soluções sustentáveis e gerenciamento de recursos são vitais para evitar sufocar inadvertidamente a exploração humana e a compreensão do cosmos.

O desafio está em encontrar maneiras de apoiar o crescimento de setores como criptomoedas. E a busca contínua de vida alienígena. Ao atingir o equilíbrio certo, podemos garantir que nossa busca pela compreensão do universo permaneça sem obstáculos. Enquanto ainda adota as inovações que impulsionam a adoção do Bitcoin.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedas. Confira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Julia.png
Júlia V. Kurtz
Editora do BeInCrypto Brasil, a jornalista é especializada em dados e participa ativamente da comunidade de Criptoativos, Web3 e NFTs. Formada pelo Knight Center for Journalism in the Americas da Universidade do Texas, possui mais de 10 anos de experiência na cobertura de tecnologia, tendo passado por veículos como Globo, Gazeta do Povo e UOL.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados