Ver mais

Ciclos do Bitcoin podem não estar ligados ao halving; entenda

3 mins
Por Martin Young
Traduzido Anderson Mendes

EM RESUMO

  • Os ciclos de quatro anos do Bitcoin podem não estar ligados ao halving, mas sim aos ciclos globais de oferta de moeda M2.
  • Os últimos três topo de ciclo do Bitcoin coincidiram com as maiores mudanças na oferta monetária global.
  • Alguns analistas acreditam que o halving do Bitcoin ainda impacta o mercado e prevê um novo ciclo de alta em 2024.
  • promo

Há muito se supõe que os ciclos de quatro anos do Bitcoin (BTC) estão intrinsecamente ligados aos halvings, quando as recompensas do bloco são cortadas pela metade. No entanto, surgiu uma teoria alternativa que sugere outro precursor para os ciclos de alta e baixa do ativo.

Os últimos três grandes ciclos do mercado de criptomoedas ocorreram regularmente a cada quatro anos ou mais, com o topo sendo alcançado no ano seguinte ao último halving.

O que gera os ciclos do Bitcoin?

Esses ciclos de aproximadamente 4 anos podem ser mera coincidência, de acordo com as teorias mais recentes que circulam nas redes sociais. Em 5 de setembro, o Bitcoiner ‘Pledditor’ disse:

“Os ciclos de quatro anos do Bitcoin são apenas coincidências e têm pouco a ver com os halvings.”

O usuário afirma que os ciclos estão estreitamente correlacionados com os ciclos da oferta monetária global.

“A oferta monetária global M2 tem tido seus próprios “ciclos de 4 anos” ultimamente, e esses ciclos têm se refletido na maioria dos ativos de risco, incluindo o Bitcoin.”

M2 é uma medida ampla da oferta monetária. Ela inclui moedas e vários tipos de depósitos bancários e de fundos mútuos do mercado monetário que são relativamente líquidos.

Ciclos do Bitcoin podem não estar ligados ao halving; entenda
Fonte: X/@Pledditor

De acordo com o gráfico, os últimos três topos do ciclo Bitcoin também coincidiram com as maiores mudanças na oferta monetária global M2.

O último ciclo, por exemplo, ocorreu em 2021 e 2022, quando o M2 cresceu a taxas recordes durante a pandemia. Isto ocorreu quando os impressores de dinheiro do banco central produziam novo dinheiro para medidas de estímulo.

No ano passado, o CEO da GMI, Raoul Pal, sugeriu algo semelhante, pois os ciclos do BTC estavam conectados a padrões macro e ao crescimento do M2.

Agora que a oferta monetária global está em declínio, os mercados de criptomoedas também permanecem em território de baixa. Isso é uma coincidência ou apenas mais uma nova teoria?

No início desta semana, o BeInCrypto informou que as poupanças das famílias nos EUA estavam caindo e prestes a se esgotarem totalmente. Isto teria impacto na quantidade de dinheiro excedente disponível para investimentos de alto risco, como o Bitcoin.

Redução das recompensas ainda é relevante?

O autor Vijay Boyapati, que escreveu The Bullish Case for Bitcoin, também questionou se os ciclos de quatro anos ainda eram relevantes em um podcast recente com Stephan Livera.

Ele observou que a quantidade de dinheiro que deve entrar diariamente no Bitcoin para manter o nível de preços atual é muito maior do que o montante necessário nos ciclos anteriores.

Ciclos do Bitcoin podem não estar ligados ao halving; entenda

No entanto, após o halving, a “energia financeira necessária para manter os preços não é tanta”, o que fará subir os preços, acrescentou.

“O Bitcoin encontra um novo nível de preço… onde o halving ainda tem impacto apenas pelo fato de que o valor total de mercado aumentou significativamente.”

O próximo evento de redução pela metade do Bitcoin ocorrerá em meados de abril de 2024, dependendo de qual contador você usar. Os analistas ainda estão confiantes de que uma recuperação e um novo ciclo de alta ocorrerão no final de 2024.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedas. Confira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

4d198a1c7664cbf9005dfd7c70702e03.png
Anderson Mendes
Formado em Administração de Empresas pela Universidade Positivo, Anderson atua como redator para o BeInCrypto há 2 anos. Escreve sobre as principais notícias do mercado de criptomoedas e economia em geral. Antes de entrar para a equipe brasileira do site, participou de projetos relacionados à trading, produção de notícias e conteúdos educacionais relacionados ao mundo cripto em sua cidade natal, Curitiba.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados