Ver mais

Banco do Brasil testará pagamento offline integrado ao Drex

2 mins
Atualizado por Bruna Brambatti

EM RESUMO

  • Banco do Brasil anuncia parceria para testar pagamentos offline com Drex, a CBDC brasileira.
  • Gana e Tailândia já testaram tecnologia.
  • Solução tem potencial para se tornar um meio de pagamento alternativo ao dinheiro em espécie, além de popularizar o Drex.
  • promo

Participante do projeto piloto da CBDC brasileira, o Banco do Brasil (BB) vai testar pagamentos em ambiente offline para integração com Drex.

Liderado pelo Banco Central, o consórcio da moeda digital brasileira, ainda em ambiente de testes, conta com 16 instituições. Todas trabalham na criação, desenvolvimento de soluções e ferramentas para suportar a nova economia tokenizada e a realidade do Brasil.

Leia mais: 4 criptomoedas que podem atingir novas máximas em julho de 2024

Com os recentes avanços tecnológicos, hoje é possível validar pagamentos com um aparelho celular ou até uma “pulseira”, como os relógios inteligentes. Mas, com o uso destas tecnologias ainda é necessário que o usuário esteja conectado a uma rede de internet para concluir o pagamento.

O Banco do Brasil e a Giesecke+Devrient Currency Technology (G+D), especializada em tecnologia monetária, colaboram em uma parceria técnica para implementar a solução que visa possibilitar pagamentos offline, já testada em Gana e Tailândia.

Segundo o Banco do Brasil, a solução de pagamento offline permitirá a exploração de novas utilizações para o Drex.

“Caso os testes sejam bem-sucedidos, será possível desenvolver modelos de uso da moeda digital criptografada em transações cotidianas, como pequenas compras no comércio, pagamentos de serviços e mesada, por exemplo.”

Inclusão financeira

Outra vantagem, conforme o BB, será o uma chance de maior adesão ao Drex para pessoas com dificuldade de acesso à internet, sem inclusão financeira ou que vivam em locais com infraestrutura precária. Ou ainda, para aqueles sem contas bancárias, que poderão carregar carteiras digitais em dispositivos, podendo ser até mesmo acessórios como pulseiras ou anéis, e realizar transações seguras em estabelecimentos locais.

Uso de dinheiro em alta

Apesar do aumento da adesão da população aos serviços bancários e da difusão do Pix, a preferência pelo dinheiro físico continua significativa no Brasil.

Conforme um estudo da Tecban, 29% dos brasileiros optam pelo dinheiro físico como uma das principais modalidades de pagamento.

Contudo, esse percentual sobe para 32% nas classes sociais C, D e E, e alcança até 40% na Região Nordeste. Entre as razões para preferência pelo papel-moeda estão a falta de conta bancária ou cartão de crédito e a dificuldades de acesso à internet.

Para o BB, uma solução que permita pagamentos sem conexão com a internet, de forma segura e simples, tem potencial para se tornar um meio de pagamento alternativo ao dinheiro em espécie, além de poder popularizar o Drex.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Coinbase Coinbase Explorar
PancakeSwap PancakeSwap Até 50% APR
Margex Margex Explorar
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Coinbase Coinbase Explorar
PancakeSwap PancakeSwap Até 50% APR
Margex Margex Explorar
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

aline.jpg
Aline Fernandes
Aline Fernandes atua há 20 anos como jornalista. Especializada nas editorias de economia, agronegócio e internacional trabalha na BeINCrypto como editora do site brasileiro. Já passou por diversas redações e emissoras do país, incluindo canais setorizados como Globo News, Bloomberg News, Canal Rural, Canal do Boi, SBT, Record e Rádio Estadão/ESPM. Atuou também como correspondente internacional em Nova York e foi setorista de economia dentro do pregão da BM&F Bovespa, hoje B3 -...
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados