Ver mais

Diferença entre hard fork e soft fork

6 mins
Atualizado por Maria Petrova

Ao entender a estrutura subjacente da tecnologia blockchain, vemos apenas o que está na superfície. Vemos um livro-razão que mantém os registros de todas as transações, é atualizado por meio de um mecanismo de consenso e armazena informações criptograficamente. Mas muitos processos de back-end nunca chegam aos olhos de um leigo ou de uma pessoa que não seja um participante/nó real em uma rede. 

Quer ser o primeiro a aprender sobre a tecnologia blockchain? Junte-se à comunidade do BeInCrypto no Telegram. Lá nós compartilhamos diariamente análises técnicas e respostas às suas perguntas. Além disso, é possível conversar com traders e entusiastas do mercado de criptomoedas.

Um desses processos é a bifurcação ou o fork da rede blockchain. É o evento em que ocorre qualquer atualização na blockchain e seus processos. Para que isso aconteça, a maioria dos desenvolvedores precisa concordar com a atualização. A bifurcação funciona de duas maneiras – soft fork e hard fork. Compreender o funcionamento e as diferenças entre os dois aumentará seu conhecimento de como as atualizações acontecem no mundo blockchain. 

Neste artigo, vamos entender o que é uma bifurcação e qual é a diferença entre um hard fork e um soft fork.

Neste artigo:

O que é um fork?

Cardano Vasil, fork

Em seu nível mais básico, uma blockchain é como um conjunto de blocos de dados, conectados por chaves criptográficas seguras que formam uma cadeia de blocos que remonta ao primeiro bloco.

Portanto, pode-se imaginar a blockchain como um caminho reto feito de blocos ligados uns aos outros. Como os blocos são encadeados por meio de um consenso com o qual todos os blocos concordam, qualquer atualização do sistema requer uma mudança de consenso em todos os blocos. 

É improvável que tal consenso ocorra porque os blocos estão ligados por meio de um conjunto de regras funcionalmente imutável. Assim, em vez de reescrever cada bloco, as alterações em uma blockchain geralmente são realizadas por meio do uso de um fork. 

Um fork é um evento na blockchain que copia o software original e adiciona as alterações desejadas a ela. Como as duas blockchains não podem coexistir, a nova blockchain se divide em duas ramificações, formando um desvio semelhante a uma bifurcação da blockchain principal.

O caminho antigo da blockchain original funciona com o mesmo conjunto de regras anterior, mas o novo carrega protocolos do anterior com todas as melhorias nos processos transacionais após a atualização. Alguns dos exemplos recentes de um fork blockchain incluem a atualização Merge do Ethereum e a atualização Vasil da Cardano

Ao contrário das plataformas financeiras centralizadas, que têm uma entidade central que aprova e invoca avanços, não há método clínico para a tecnologia blockchain acompanhar os requisitos do mundo em desenvolvimento. 

Cabe aos mineradores e desenvolvedores em uma blockchain entender a necessidade de atualizações e então chegar a um consenso com a maioria para concordar com um fork. A bifurcação é importante para manter a blockchain e apoiar os participantes na rede.

Quem determina a formação de um fork?

Muitas vezes, a decisão coletiva dos mineradores de trazer uma melhoria por meio de uma atualização ou bifurcação prevalece em uma blockchain. Isso ocorre simplesmente porque os mineradores fornecem segurança e validação de bloco à rede, alocando recursos de computação. 

A blockchain é, no entanto, uma rede de código aberto, e a autoridade da formação do fork é compartilhada com todos os participantes na maioria dos casos. Os desenvolvedores cuidam do script de codificação e da automação do protocolo em uma blockchain e cuidam das mudanças nessa frente. Os participantes do full node validam os registros na blockchain e sugerem atualizações com base na manutenção dos registros.

O que é um hard fork?

Uma bifurcação é um processo em que a criação de uma nova blockchain é iminente, com alguns mineradores discordando em trazer a atualização. Um hard fork é essencialmente a divergência permanente de uma nova cadeia lateral da original. O consenso de nós e desenvolvedores que concordam com o novo conjunto de regras segue a versão mais recente da blockchain. 

A antiga blockchain não considera mais a mais nova válida, o que significa que não é compatível com versões anteriores. Um hard fork geralmente degrada a segurança e eficiência da rede desde o consenso entre validadores de rede e quebras de segurança.

Por que os hard forks acontecem?

Como os hard forks podem tornar a rede blockchain vulnerável, por que os nós os consideram? A resposta é avançar com os requisitos dos nós. Pode haver requisitos relacionados a novas funcionalidades, procedimentos de segurança, resolução de um desacordo na rede, ou mesmo resolução de algumas transações incorretas na rede. 

Às vezes, eles também ocorrem por acidente, quando dois mineradores trabalham no mesmo bloco e a blockchain se divide devido a diferentes resultados de consenso no mesmo bloco. Os participantes seguem o bloco antigo e o novo é chamado de bloco órfão.

O que é um soft fork?

fork

Um soft fork é consideravelmente mais simples do que um hard fork, pois não há grandes mudanças no mecanismo de consenso. Pode ocorrer quando a maioria dos nós ou mineradores concorda com atualizações menores no protocolo sem alterar as regras originais da rede. 

Não há nenhum requisito para todos os nós da rede atualizarem para a nova versão. Uma cadeia singular original com pequenas atualizações avança na rede e o risco de ‘gastos duplos’ desaparece. Os soft forks são compatíveis com versões anteriores e às vezes podem ser usados ​​por hackers para manipular os nós e trazer alterações maliciosas à cadeia.

Diferenças entre um soft fork e um hard fork

CaracterísticasSoft forkHard fork
Divisão da cadeiaNão há divisão à medida que a cadeia original avança com pequenas atualizaçõesA cadeia original se divide em duas
Nível de autoridadeAs alterações são feitas no nível da rede e podem ocorrer mesmo quando uma pequena seção de desenvolvedores deseja adicionar pequenas atualizaçõesEles geralmente fazem uma alteração no protocolo original, exigindo assim um consenso mais forte de nós e mineradores
VulnerabilidadeÉ compatível com versões anteriores, portanto, os invasores podem restabelecer o modelo anterior manipulando os nósNão é compatível com versões anteriores. Portanto, os hackers podem obter o consenso da maioria por manipulação e criar um hard fork
Necessidade de atualizaçãoSomente aqueles que possuem o uso de upgrades precisam atualizar sua redeTodos os usuários da rede precisam concordar com a nova cadeia para usá-la
Requerimentos computacionaisGeralmente, 51% de poder de hash é necessário para um soft forkHard forks requerem alto poder computacional, pois uma nova cadeia lateral é gerada a partir da original

Exemplo de soft fork

O soft fork SegWit 

Para aumentar o tamanho do bloco e a velocidade da transação na blockchain Bitcoin original, um soft fork ‘Segregated Witness’ ocorreu em agosto de 2017. O soft fork não foi bem-vindo por todos os mineradores e nós da rede, o que levou a um hard fork no futuro.

Exemplos de hard forks

O hard fork do Bitcoin Cash

Vários nós na rede Bitcoin não concordaram com as mudanças após a atualização do SegWit para a cadeia. Isso resultou em um hard fork que também é comparativamente bem conhecido, o Bitcoin Cash. Aconteceu em 1º de agosto de 2017, quando os nós entenderam que a comunidade apóia o SegWit. Os criadores do Bitcoin Cash veem a divisão como um avanço da visão do criador original do BTC.

Dilema do Ethereum

Para devolver US$ 40 milhões de usuários na rede como resultado de um hack, a cadeia ETH teve que passar por um hard fork em julho de 2016. Os fundos foram transferidos para os proprietários originais, fazendo alterações no protocolo e adicionando um novo contrato inteligente

A recuperação ocorreu na forma de tokens DAO. Os participantes da rede que eram contra esse processo compatível com versões anteriores devido ao seu conflito com a própria essência de uma blockchain pública, agora mantêm a rede Ethereum original, que atende pelo nome de Ethereum Classic.

Qual é melhor, hard ou soft fork?

fork

Não há uma resposta simples para essa pergunta, pois as diferenças entre um soft fork e um hard fork são vastas. Hard forks ocorrendo consecutivamente prejudicam a tecnologia blockchain, enquanto soft forks não podem trazer mudanças significativas no protocolo blockchain

Embora os soft forks sejam considerados diplomáticos e mais gentis com a rede e com total consenso sobre as mudanças, até mesmo grandes atualizações podem ser feitas na blockchain. 

Crie sua conta na OKX e faça trading de criptomoedas em uma das melhores exchanges do mundo.

Perguntas frequentes

O que significa um fork?

O que é um fork em TI?

O que é um hard fork?

O que é um soft fork?

Se você quiser saber mais sobre forks, confira os nossos artigos educacionais.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Coinbase Coinbase Explorar
PancakeSwap PancakeSwap Até 50% APR
Margex Margex Explorar
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e com o objetivo único de informar. Qualquer atitude tomada pelo usuário a partir das informações veiculadas no site é de sua inteira responsabilidade.
Na seção Aprender, nossa prioridade é fornecer informações de alta qualidade. Nós tomamos o tempo necessário para identificar, pesquisar e produzir conteúdo que seja útil para nossos leitores.
Para manter esse padrão e continuar a criar um conteúdo de excelência, nossos parceiros podem nos recompensar com uma comissão por menções em nossos artigos. No entanto, essas comissões não afetam o processo de criação de conteúdo imparcial, honesto e útil.

Airi-Chaves-2.png
Airí Chaves
Com formação em marketing pela Universidade Estácio de Sá e um mestrado em liderança estratégica pela Unini, escreve para diversos meios do mercado de criptomoedas desde 2017. Como parte da equipe do BeInCrypto, contribuiu com quase 500 artigos, oferecendo análises profundas sobre criptomoedas, exchanges e ferramentas do setor. Sua missão é educar e informar, simplificando temas complexos para que sejam acessíveis a todos. Com um histórico de escrita para renomadas exchanges brasileiras,...
READ FULL BIO