Ver mais

A etherização do Bitcoin: vantagens e desvantagens

5 mins
Por Bary Rahma
Traduzido Júlia V. Kurtz

EM RESUMO

  • O protocolo BRC-20 introduz tokens na rede Bitcoin, semelhante ao padrão ERC-20 do Ethereum.
  • O crescimento no volume devido ao BRC-20 levou ao congestionamento da rede, taxas mais altas e transações mais lentas.
  • Para um crescimento contínuo, o Bitcoin deve abordar esses problemas de dimensionamento potencialmente por meio de soluções de Camada 2 ou melhorias de protocolo.
  • promo

O mercado cripto testemunhou inúmeras evoluções desde o início do Bitcoin (BTC), em 2009. Um desenvolvimento recente neste campo é a “etherização” do Bitcoin.

Este termo foi cunhado para descrever as adaptações dentro da rede Bitcoin, aparentemente tornando-a mais parecida com o Ethereum.

Leia mais: 4 criptomoedas que podem atingir novas máximas em julho de 2024

Esse processo transformador tem aspectos positivos e negativos, levantando preocupações entre os principais líderes da comunidade cripto.

Etherização: um novo amanhecer

A introdução do BRC-20 impulsionou amplamente a etherização do Bitcoin. Este é um protocolo que tem uma notável semelhança com o ERC-20 do Ethereum.

O BRC-20, alimentado pelo sistema Ordinals, permitiu à rede Bitcoin cunhar tokens não fungíveis (NFTs) atribuindo identificadores exclusivos a cada satoshi – a menor unidade do Bitcoin. Este desenvolvimento expandiu as capacidades do Bitcoin, infundindo novas possibilidades em sua rede.

Curiosamente, o BRC-20 permite a criação de memecoins devido ao seu potencial diversificado. Isso pode parecer uma desvantagem à primeira vista, porém vai ao encontro da era digital.

As moedas meme demonstraram repetidamente sua capacidade de envolver o público e criar tendências virais.

De fato, especuladores estão emitindo e cunhando tokens rapidamente usando o padrão BRC-20. Há um hype palpável em torno desses tokens, com o CoinMarketCap relatando que 8.500 tokens foram emitidos no Bitcoin em apenas algumas semanas desde que o padrão BRC-20 foi introduzido pela primeira vez.

No entanto, a etherização do Bitcoin não implica que a criptomoeda esteja perdendo sua identidade. Os NFTs cunhados na rede Bitcoin são mais descentralizados do que os do Ethereum.

Fonte: Statista

Enquanto o Ethereum armazena apenas metadados de NFTs on-chain, os Ordinals do Bitcoin são completamente armazenados na cadeia, tornando-os mais próximos da essência dos tokens não fungíveis. Essa vantagem pode representar um desafio significativo para o mercado NFT da Ethereum, que recentemente passou por um declínio.

Efeito BRC-20: as taxas de transação disparam

O fenômeno BRC-20 provocou atividade significativa na rede Bitcoin, elevando as taxas de transação para seus níveis mais altos desde 2018.

O novo padrão de token instigou intensas guerras de lances, levando a recompensas de bloqueio superiores a 12,5 BTC. Isso resultou em um dia de pagamento substancial para os mineradores de Bitcoin, com taxas de transação formando uma parte significativa de suas recompensas em bloco.

Curiosamente, o padrão de token BRC-20 criou uma mentalidade de “primeiro a chegar, primeiro a receber” entre os usuários, aumentando a concorrência e altas taxas de transação. Isso trouxe um cenário que lembra as guerras de lances de transações que dominaram o Ethereum em 2021 e 2022.

Fonte: Glassnode

Bitcoin sofre com dimensionamento

À medida que o protocolo BRC-20 ganha força, é impossível ignorar os problemas de dimensionamento da rede Bitcoin.

Com as taxas médias de transação em relação ao dólar americano subindo para uma máxima de 2 anos de US$ 30,15, no dia 8 de maio de 2023 (acima dos US$ 2 constantes desde julho de 2021), o problema é claro.

O aumento da taxa, portanto, levou à consideração de medidas controversas, como censurar tokens BRC-20 e outros ativos com base no método de emissão do Ordinais.

Fonte: BitInfoCharts

O design dos tokens BRC-20, por outro lado, também contribuiu para aumentar o congestionamento do espaço de blocos. Esses tokens, armazenados no formato JSON, consomem mais espaço em bloco devido ao seu tamanho maior, inundando o mempool – onde as transações aguardam validação e são ordenadas com base no lance de taxa anexado.

Os dados revelam que o mempool do Bitcoin está passando por um congestionamento sem precedentes. O último grande pico em abril de 2021 foi de 200.000 transações esperando na fila, mas recentemente aumentou para 450.000 transações.

O chefe de pesquisa e conteúdo da Luxor Technologies, Colin Harper, afirma que esse problema pode ser atenuado armazenando tokens BRC-20 como código binário em vez de arquivos JSON. A iniciativa poderia reduzir o uso de largura de banda em até 80%.

Fonte: Blockchain.com

Embora a narrativa sobre o BRC-20 tenha sido acalorada, o ex-CEO da MicroStrategy, Michael Saylor, declarou que seu surgimento é “otimista”.

 “O que aconteceu com Ordinais e NFTs é que cruzamos esse abismo do que era um cenário de baixa para um cenário de alta. Se eu fosse um mineiro, ficaria em êxtase”.

Ainda assim, um problema subjacente está em jogo: o Bitcoin está lutando para escalar.

Os recursos do Bitcoin semelhantes ao Ethereum

A etherização do Bitcoin através do protocolo BRC-20 tem prós e contras. Por exemplo:

  • Do lado positivo, estende a utilidade do Bitcoin além de uma simples reserva de valor e um meio de troca. Ele permite a criação de aplicativos descentralizados complexos, contratos inteligentes e tokens. Isso poderia atrair um público mais amplo para a rede Bitcoin e aumentar o valor geral e a utilidade do ecossistema.
  • No lado negativo, a introdução de tokens BRC-20 e o subsequente aumento no volume de transações sobrecarregaram a rede Bitcoin. Isso levou a taxas de transação mais altas e tempos de transação mais lentos, impactando negativamente a experiência do usuário. No entanto, esses problemas não são falhas inerentes ao protocolo BRC-20, mas sintomas dos problemas de dimensionamento mais amplos da rede Bitcoin.

De uma perspectiva mais ampla, esse fenômeno destaca as dores crescentes associadas à expansão da funcionalidade do Bitcoin. Embora o Ethereum tenha enfrentado desafios de dimensionamento semelhantes há muito tempo, sua comunidade fez avanços significativos para resolver esses problemas por meio de estratégias, como fragmentação e soluções de Camada 2.

Por exemplo, a transição do Ethereum para o Ethereum 2.0 visa aumentar significativamente a escalabilidade e a eficiência da rede.

Concluindo

Para que o Bitcoin continue sua evolução e adoção, provavelmente precisará adotar soluções semelhantes. Isso pode envolver soluções de camada 2, como a Lightning Network, permitindo transações mais rápidas e baratas ao movê-las para fora da cadeia.

Além disso, há possíveis melhorias no próprio protocolo BRC-20, que podem diminuir o tamanho das transações de token e aliviar algum congestionamento da rede.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedasConfira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Julia.png
Júlia V. Kurtz
Editora do BeInCrypto Brasil, a jornalista é especializada em dados e participa ativamente da comunidade de Criptoativos, Web3 e NFTs. Formada pelo Knight Center for Journalism in the Americas da Universidade do Texas, possui mais de 10 anos de experiência na cobertura de tecnologia, tendo passado por veículos como Globo, Gazeta do Povo e UOL.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados