Ver mais

SocialFi, exploit, Holanda e exchanges nas notícias da manhã – Bom Dia, Cripto!

2 mins
Atualizado por Thiago Barboza

EM RESUMO

  • A plataforma SocialFi Stars Arena corrigiu uma falha que poderia levar a um exploit de até US$ 1 milhão.
  • Os desenvolvedores disseram que foram alvos de um ataque de FUD.
  • Uma corte na Holanda dispensou empresas cripto de cumprir certos requisitos de compliance.
  • promo

Bom dia, entusiastas de criptomoedas! O mercado cripto continua sendo palco para vários desenvolvimentos emocionantes. Para saber o que aconteceu no setor, confira estas notícias que o BeInCrypto separou para você!

Leia mais: 4 criptomoedas que podem atingir novas máximas em julho de 2024

Plataforma evita exploit e acusa FUD da comunidade

A plataforma de SocialFi Stars Arena corrigiu um exploit que poderia ter drenado até US$ 1 milhão de seus smart contracts. A equipe do projeto, baseado na Avalanche (AVAX), disse em seguida que o que aconteceu foi um ataque coordenado de FUD.

Conforme um usuário do Twitter (X), o ataque aconteceu por falhas dos desenvolvedores:

“US$ 1,1 milhão estão sendo drenados nesse momento por causa de desenvolvedores noobs que não conseguiram fazer uma cópia do Friend.tech que funcione direito”.

Ele acrescentou que hackers poderiam vender 0 ações e, ainda assim, ganhar tokens AVAX.

Em seguida, a equipe da Stars Arena afirmou que corrigiu o problema. Por outro lado, no microblog, eles afirmaram:

“Nós fomos atacados por atores maliciosos no espaço que querem roubar seu dinheiro. Os players pequenos estão sob ataque. Você está sob ataque. Não se engane, isso é FUD coordenado. Eles querem gastar US$ 5 para drenar US$ em TVL de nossa plataforma. Anote: eles estão jogando dinheiro fora para conseguir o seu dinheiro. Eles não querem diversidade. Eles só querem monopólio”.

A comunidade cripto no Twitter (X), por outro lado, acredita que o Stars Arena é um fork do Friend.Tech. Um deles respondeu:

“Esse tuíte é mais de baixa que o próprio exploit”.

Corte dispensa empresa cripto de compliance na Holanda

Uma corte na Holanda disse que o De Nederlandsche Bank (DNB) não pode impor custos de supervisão de 2021 para empresas cripto registradas no ano anteior. Estas taxas estariam fora do alcance da quarta diretiva contra lavagem de dinheiro (AML), na qual exchanges têm permissão para operar.

Por outro lado, a corte discordou do argumento das empresas de que eles receberam cobranças injustas em 2020. Outra negativa se refere à afirmação de que as taxas cobradas pelo DNB violam princípios legais de gerenciamento.

A ação foi movida em maio por um conjunto de empresas criptos que operam no país, como, por exemplo a Bitvavo e a Coinmerce.

O banco também é um dos responsáveis pela saída da Binance do país. Ela multou a exchange em US$ 3,3 milhões em 2022 por operar sem licença. A rival Coinbase também recebeu uma multa de US$ 3,6 milhões.

O DNB também forneceu uma licença para a Crypto.com em seguida. Conforme a nova lei de ativos cripto da União Europeia – a Lei MiCA – as empresas cripto podem operar em todo o território europeu caso tenham registro em um dos países membros.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedas. Confira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Julia.png
Júlia V. Kurtz
Editora do BeInCrypto Brasil, a jornalista é especializada em dados e participa ativamente da comunidade de Criptoativos, Web3 e NFTs. Formada pelo Knight Center for Journalism in the Americas da Universidade do Texas, possui mais de 10 anos de experiência na cobertura de tecnologia, tendo passado por veículos como Globo, Gazeta do Povo e UOL.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados