Ver mais

Simetria do Bitcoin (BTC): conheça os 10 melhores e piores dias de cada ano

4 mins
Por Jakub Dziadkowiec
Traduzido Júlia V. Kurtz

EM RESUMO

  • Novos dados mostram os retornos dos 10 melhores e piores dias do Bitcoin desde 2013.
  • Uma das principais descobertas é a volatilidade decrescente da maior criptomoeda.
  • Nos últimos 5,5 anos, nenhum dia de negociação gerou retornos menores de 20%.
  • promo

O Bitcoin (BTC), como a maioria das criptomoedas, está sujeito a alta volatilidade desde o seu início. É por causa de seu ROI potencialmente alto que a criptomoeda ganhou a reputação de grande investimento.

Ao mesmo tempo, ela continua sendo um ativo de risco, pois perde regularmente 75-85% de seu valor durante os ciclos de baixa do mercados.

Leia mais: 4 criptomoedas que podem atingir novas máximas em julho de 2024

Dados divulgados pelo @ecoinometrics no domingo (30) fornecem novos insights sobre a volatilidade do Bitcoin. Ao contrário da percepção popular, a volatilidade vale tanto para touros quanto ursos. Figurativamente, isso mostra que o Bitcoin é simétrico, com seus melhores e piores dias geralmente se equilibrando.

Bitcoin e sua volatilidade simétrica

O gráfico mostra os 10 melhores e piores dias de negociação do Bitcoin desde 2013. A escala horizontal varia de -40% a +40% de lucros ou perdas diárias. A escala vertical, por outro lado, são anos consecutivos ordenados de baixo para cima.

Os pontos azuis marcam os dias em que o Bitcoin gerou os menores lucros, ou seja, experimentou a maior queda diária. Quanto mais o ponto estiver à esquerda, mais profundo foi o declínio.

Os pontos vermelhos, por outro lado, representam os dias em que o Bitcoin obteve mais lucros, ou seja, aumentou mais diariamente. Naturalmente, quanto mais à direita, maiores eram os lucros.

Simetria do Bitcoin (BTC): conheça os 10 melhores e piores dias de cada ano
Fonte: Twitter

A primeira coisa que chama a atenção no gráfico, é sua simetria, parecida com uma árvore de Natal ou de uma garrafa de Coca-Cola com fundo largo. A interpretação dessa distribuição é a diminuição da volatilidade. Isso se aplica, por exemplo, a lucros e perdas potenciais.

Em geral, a cada ano sucessivo a faixa de desvios da mediana de 0% é menor. No entanto, este não é um declínio monotônico, pois às vezes há anos mais voláteis do que os anos anteriores.

Um exemplo positivo de retornos crescentes pode ser visto em 2017, em que os pontos vermelhos ultrapassaram a marca de +20% várias vezes. Isso não aconteceu uma vez em 2014-2016. Em contraste, um exemplo negativo é 2022, onde a volatilidade negativa foi maior do que em todo o período 2019-2021.

Claro, 2017 e 2022 não são coincidência. Eles permanecem intimamente ligados aos ciclos de halving de 4 anos do Bitcoin. 2017 foi a segunda parte exponencial do mercado altista, que levou ao recorde histórico (ATH) de quase US$ 20.000. Em contraste, 2022 foi o último inverno das criptomoedas. Foi a pior desde 2018 e levou o BTC a cair 77%.

Volatilidade Local vs. Simetria Global

Apesar desses desequilíbrios locais, todo o gráfico dos 10 melhores e piores dias do Bitcoin nos últimos 10 anos permanece aproximadamente simétrico. Isso leva a duas conclusões principais:

  • O Bitcoin continua sendo um ativo atraente para traders devido à sua volatilidade igualmente alta para posições longas (de alta) e curtas (de baixa).
  • A volatilidade do BTC diminui com o tempo à medida que a capitalização de mercado se torna maior. Mais e mais capital é necessário para movimentar o mercado, portanto, com o tempo, o mercado de Bitcoin provavelmente se assemelhará aos mercados financeiros tradicionais.

A última conclusão é bem ilustrada pelo gráfico de longo prazo do Bitcoin em escala logarítmica e pelo indicador de volatilidade histórica (HV) associado. Os ciclos anteriores foram frequentemente caracterizados por volatilidade máxima durante o final de um mercado em alta e alta volatilidade durante o final de um mercado em baixa.

Apesar disso, o gráfico HV azul está em uma clara tendência de baixa. Seus picos cada vez mais baixos seguem a linha de resistência descendente (preta). Isso sugere que, apesar do ciclo de halving de 4 anos ainda em andamento, a volatilidade do BTC está diminuindo.

Simetria do Bitcoin (BTC): conheça os 10 melhores e piores dias de cada ano
Fonte: Tradingview

Valores Extremos e um Cisne Negro

A volatilidade em declínio pode ser vista comparando a volatilidade dos primeiros anos de listagem da Bitcon com a atual. No gráfico da @ecoinometrics, a forma da árvore de Natal sugere que quanto mais maduro o BTC for como um ativo, menor a volatilidade esperada.

Por exemplo, 9 dos 10 melhores dias em 2013 produziram retornos de >20%. No entanto, durante o mercado altista de 2017, foram apenas 3 em 10 dias. Desde então – ou seja, por 5,5 anos – nenhum dia de negociação levou a retornos de 20% do Bitcoin.

Isso também vale para os piores dias. Por exemplo, desde 2015, nenhum dia de negociação levou a uma queda de mais de -20%. A única exceção continua sendo o cisne negro de março de 2020, quando o Bitcoin – como muitos outros ativos tradicionais – experimentou um declínio profundo de quase 40%.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedas. Confira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Julia.png
Júlia V. Kurtz
Editora do BeInCrypto Brasil, a jornalista é especializada em dados e participa ativamente da comunidade de Criptoativos, Web3 e NFTs. Formada pelo Knight Center for Journalism in the Americas da Universidade do Texas, possui mais de 10 anos de experiência na cobertura de tecnologia, tendo passado por veículos como Globo, Gazeta do Povo e UOL.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados