Rio de Janeiro não terá criptomoeda própria e quer trabalhar com alienação de NFTs

Atualizado por Aline Fernandes
EM RESUMO
  • Rio de Janeiro quer se tornar o novo hub cripto brasileiro.
  • A cidade tem recebido desde janeiro de 2022 eventos de peso do escossistema cripto.
  • Cariocas ainda não terão criptomoeda própria.
  • promo

    Análises técnicas e insights do mercado por traders em nosso canal do Telegram!Entre hoje no nosso Telegram!

Em janeiro de 2022, o prefeito Eduardo Paes publicou o Decreto Rio n° 50.145/22, que criou o Grupo de Trabalho Crypto Rio, como foi chamado o documento que detalha os planos do município que pretende se tornar o novo polo cripto brasileiro.

A cidade já tem, a Fábrica de Start Ups, no Porto Maravalley, na região portuária da cidade, que abriga diversas ideias com as novas tecnologias nascentes e inovadoras de todo o ecossistema cripto.

Porto Maravalley – imagem : Aline Fernandes

Participaram dos estudos para o planejamento do mercado de moedas digitais, meios de pagamento, tecnologias Blockchain para cidade, a Secretaria Municipal de Fazenda e Planejamento (SMFP), Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Simplificação (SMDEIS), Invest Rio e outros órgãos da Administração Pública Municipal da cidade do Rio de Janeiro.

  • Ficou com alguma dúvida? O Be[in]Crypto possui uma série de artigos para lhe ajudar a entender o universo cripto. Confira!
  • Se quiser ficar atualizado no que acontece de mais importante no espaço cripto, junte-se ao nosso grupo no Telegram!

Os objetivos do grupo incluem impulsionar a economia local, otimizar instrumentos financeiros e fiscais da prefeitura, além de obter receitas para o Município do Rio de Janeiro, criar um legado para a Cidade Maravilhosa e solucionar os grandes desafios do mundo digital com mais acesso ao ecossistema cripto para todos os cidadãos e empresas interessadas.

Nós conversamos com o CEO da Invest Rio, Rodrigo Stallone, sobre os caminhos que a prefeitura da cidade maravilhosa pretender tomar como novo hub de inovação cripto do Brasil. A Invest Rio é a agência de promoção e atração de investimentos da prefeitura carioca e participou ativamente do Grupo de Trabalho chamado de Crypto Rio.

  • O município se propõe a buscar vantagens agora e no futuro, com integridade, diligência e transparência. Como a prefeitura pretende fazer isso?

A Prefeitura sempre buscará as melhores tecnologias para ser cada vez mais transparente. Hoje, já contamos com a maioria dos processos digitalizados e entendemos que à frente evoluir essa digitalização através de blockchain tornará tudo ainda claro.

  • Vocês já estão de olho em algumas empresas e exchanges do ecossistema cripto para futuras parcerias (sem contar as licitações)com o município? Se sim, poderia citar algumas?

Falamos com todas as exchanges, queremos que elas tenham suas sedes na cidade. 

  • E sobre os NFTs? quem fará a assessoria digital? Criação, marketplace? Os fornecedores serão escolhidos por meio de licitações? se sim , quando elas acontecerão?

NFT é um mercado que tem diversas possibilidades. A ideia é fazer um projeto piloto para ver a viabilidade e aderência da cidade, depois disso, poderemos fazer com a cidade inteira. Hoje, a melhor maneira de participar com um projeto de NFT junto à cidade é enviar proposta para o Sandbox.rio da prefeitura.

Vale ressaltar aqui que segundo o documento do GT Crypto Rio, a prefeitura lembra que “Não há regulamentação no Brasil sobre os direitos autorais de uma obra de NFT. Sem prejuízo, ao que tudo indica, não existe óbice a que a Prefeitura contrate empresas especializadas ou artistas de alto renome para criarem NFTs de monumentos da Cidade Maravilhosa, com a cessão dos respectivos direitos, para posterior alienação”. O texto sugere que as as alienações sejam realizadas por meio de leilões (art. 28, IV da Lei 14.133/21 – Lei de Licitações).

  • A prefeitura também pretende tokenizar momentos futuros ou do passado que foram relevantes para o Rio de Janeiro, como por exemplo a Copa do Mundo ou as Olimpíadas que aconteceram na Cidade Maravilhosa?

É uma possibilidade, mas estamos colocando um pé na frente do outro antes de abraçar todo e qualquer projeto.

  • Que tipo de ações a prefeitura pretende anunciar para atrair o ecossistema cripto global? Haverá alguma isenção de imposto para empresas por exemplo, além do IPTU e do porto Maravalley?

Está sendo tudo estudado com a Fazenda e com a PGM, não podemos tomar nenhuma iniciativa que não tenha embasamento desses órgãos. No mais, o fato de sermos uma Prefeitura que está buscando essas soluções, já demonstra ao mercado que estamos abertos a conversas.

  • E a Crypto Rio que aparece na Plataforma da City Coins? Alguma possibilidade de a prefeitura se envolver com a plataforma como fizeram os prefeitos de Miami e NY? Para usar o criptoativo em benefício da cidade?

Existe, mas não estamos olhando para esse projeto em específico agora.

  • E porque a prefeitura não emite uma cripto própria? 

É importante mensurar os prós e os contras. A cidade tem que pensar no todo e, portanto, não queremos emitir nenhuma moeda que pode beneficiar uns em detrimento a outros. Se de alguma forma, percebermos que isso é benéfico para o povo carioca, certamente acontecerá. Caso contrário, existem tantas alternativas nesse mercado de Web3, que não faltarão bons projetos para nossos cidadãos. 

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
BEINNEWS ACADEMY LTD © STREET: SUITE 1701 – 02A, 17/F, 625 KING’S ROAD, NORTH POINT. HONG KONG.