Qual o impacto do Bitcoin (BTC) deixar de ser visto como hedge de inflação?

Por Varuni Trivedi
EM RESUMO
  • No terceiro trimestre, a queda de preço e domínio do Bitcoin enfraqueceram suas narrativas de hedge de inflação e reserva de valor.
  • A contagem de transações da rede Bitcoin e as taxas de transação caíram 3% e 23%, respectivamente.
  • O valor médio diário liquidado caiu 44% em relação ao trimestre anterior, juntamente com a redução da demanda por blockspace.
  • promo

    Análises técnicas e insights do mercado por traders em nosso canal do Telegram!Junte-se a nós!

Com o Bitcoin (BTC) perdendo 72% de seu valor em relação a sua máxima histórica, o mercado de criptomoedas parece uma bagunça neste terceiro trimestre. No entanto, os indicadores de longo prazo apontam para uma maturação do setor.

À medida que o terceiro trimestre de 2022 se aproxima do fim, a análise on-chain para a principal criptomoeda em valor de mercado apresentou um quadro desanimador. O Bitcoin muitas vezes esteve em evidência devido à sua reserva de valor e narrativa de hedge de inflação.

O fechamento com uma valorização de 50% do BTC no terceiro trimestre de 2021 atraiu investidores e comerciantes para a rede como abelhas para mel. No entanto, o mesmo não pode ser dito para o terceiro trimestre deste ano.

Um relatório recente da Messari destacou como o mais recente crash do mercado foi um “interruptor de narrativa e verificação da realidade” para o Bitcoin.

Narrativa do Bitcoin como hedge de inflação está morta?

No momento da redação deste artigo, o retorno sobre o investimento (ROI) do Bitcoin vs USD nos últimos três meses foi de -10%, enquanto seu ROI anual vs USD foi de 53,38%. Os baixos ROIs de curto e longo prazo mostraram que os detentores de curto e longo prazo estavam sofrendo uma perda líquida ao manter suas reservas na criptomoeda.

O gráfico de ondas e preços dos detentores de BTC mostra que os detentores de curto prazo (menos de seis meses) estavam em seu ponto mais baixo de vários anos e possuíam apenas 23% da oferta de ativo em 31 de agosto.

Fonte: Messari 

Um aumento nos detentores de curto prazo é normalmente considerado um sinal macro de alta e geralmente acontece em torno de valorizações de preço. No entanto, foi notável que o preço recorde de novembro de 2021 não atraiu tantos novos investidores, provavelmente devido a fatores macro ambientais.

Além disso, os retornos negativos do BTC e o impulso dos preços dentro do intervalo abaixo da marca de US$ 30.000 desde junho negaram sua cobertura de inflação e narrativa de reserva de valor. Para muitos no mercado, os retornos negativos do Bitcoin significam que sua narrativa de hedge de inflação está morta, enquanto para outros, como Michael Saylor da MicroStrategy, os preços baixos da criptomoeda são apenas mais uma oportunidade de compra.

Rede do Bitcoin perde vitalidade

Depois de atingir uma máxima histórica de US$ 69.000, o preço do Bitcoin sofreu um recuo de mais de 70% em meio ao ambiente macroeconômico de risco. Uma comparação com o Nasdaq 100 revelou que o preço do BTC tem sido semelhante ao de um patrimônio de tecnologia de alto beta dos EUA, negando assim sua narrativa de reserva de valor.

Fonte: Messari

Durante este trimestre, a correlação média entre o BTC e o Nasdaq 100 foi de 0,6, já que a inflação e os aumentos das taxas dominaram a narrativa, enquanto o BTC foi menos correlacionado à dívida. Curiosamente, no entanto, a criptomoeda conhecida como ouro digital e o ouro físico foram muito menos correlacionados, com uma correlação média de 0,2.

Além disso, os endereços financiados e ativos do Bitcoin tiveram um crescimento bastante lento até o terceiro trimestre. Os endereços financiados cresceram apenas 1,1% em comparação com 2,5% no segundo trimestre de 2022, enquanto a média de endereços ativos diários caiu 4% em comparação com o segundo trimestre de 2022.

  • Ficou com alguma dúvida? O Be[in]Crypto possui uma série de artigos para lhe ajudar a entender o universo cripto. Confira!
  • Se quiser ficar atualizado no que acontece de mais importante no espaço cripto, junte-se ao nosso grupo no Telegram!

Alguma esperança à vista?

Apesar dos retornos negativos e do Bitcoin quase perder sua narrativa de hedge de inflação, a volatilidade percebida na moeda teve uma tendência de queda à medida que o preço fez uma recuperação gradual no terceiro trimestre. A menor volatilidade para o principal ativo resultou em liquidações mais baixas.

Fonte: Messari 

A volatilidade média de 30 dias em agosto foi de 60% em comparação com mais de 80% em junho. Em contraste, o total de liquidações de posições compradas em agosto foi de US$ 5 bilhões, menos da metade do visto em junho, enquanto as liquidações de posições vendidas também foram significativamente menores.

Em suma, embora a volatilidade tenha sido baixa para o BTC ao longo do terceiro trimestre, o ativo ainda precisa “amadurecer” para um espectro de risco mais baixo. Dito isso, as narrativas otimistas enfraquecidas também afetaram o mercado de criptomoedas como um todo, com o sentimento inclinando-se mais para o lado mais pessimista em relação as criptomoedas.  

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.