Ver mais

Os 5 principais países latino-americanos que lideram a revolução das criptomoedas

4 mins
Atualizado por Thiago Barboza

EM RESUMO

  • Vários países latino-americanos deram passos largos na adoção de criptomoedas, com muitos deles recorrendo a ativos digitais para escapar de perturbações monetárias.
  • A estrutura legislativa recentemente aprovada no Brasil e a drástica desvalorização do peso na Argentina fizeram com que esses países impulsionassem os volumes da América Latina.
  • Na Venezuela e na Colômbia, as criptomoedas têm sido um método para acessar um sistema financeiro melhor ou remessas em meio a oportunidades econômicas limitadas.
  • promo

A América Latina está na vanguarda da revolução das criptomoedas, impulsionada por desafios socioeconômicos únicos e um espírito empreendedor robusto. A jornada dessa região rumo à inclusão financeira por meio de ativos digitais explora o potencial transformador das criptomoedas como ferramentas de remessa ou proteção contra a inflação.

O otimismo envolve o mercado de criptomoedas em 2024, destacando o papel fundamental dos países latino-americanos na aceitação geral dessa tecnologia.

1. Brasil: O gigante desperta para o potencial das criptomoedas

O Brasil lidera a América do Sul com sua rápida adoção de blockchain e criptomoedas, ocupando a nona posição global no Índice de Adoção Cripto 2023 da Chainalysis. Os avanços legislativos do país, incluindo a lei 14.478, estabeleceram uma estrutura regulatória para provedores de serviços de ativos virtuais, promovendo um ambiente seguro para investimentos em criptomoedas.

Os 5 principais países latino-americanos que lideram a revolução das criptomoedas
Principais países da América Latina por criptografia recebida. Fonte: Chainalysis

O teste de um real digital pelo Banco Central ressalta o compromisso do Brasil com a integração das criptomoedas em seu sistema financeiro. Apesar de enfrentar desafios como incerteza regulatória e concorrência de serviços financeiros estabelecidos, o mercado de criptomoedas do Brasil prospera, impulsionado por uma população ansiosa para inovar e investir em ativos digitais.

2. Argentina: da turbulência econômica à adoção de criptomoedas

A jornada da Argentina reflete uma nação que se volta para as criptomoedas em meio à instabilidade econômica. Com a inflação em alta e a desvalorização do peso, os argentinos cada vez mais veem as criptomoedas como uma reserva estável de valor.

O recente endosso do governo ao Bitcoin como moeda oficial marca uma mudança significativa, potencialmente acelerando a adoção das criptomoedas. O recém-eleito presidente da Arentina, Javier Milei, expressou seu apoio ao Bitcoin após ser eleito em 2023.

“O banco central é uma fraude, é um mecanismo pelo qual os políticos enganam as pessoas de bem com o imposto inflacionário. O que o Bitcoin está representando é o retorno do dinheiro ao seu criador original: o setor privado”, disse Milei.

Apesar das preocupações com a volatilidade, a abordagem regulatória proativa da Argentina visa a promover um ecossistema de criptografia vibrante. Com o tempo, isso poderia convidar participantes globais e promover a inovação no setor.

Leia mais: Como se proteger da inflação usando criptomoedas

3. Colômbia: Um portal favorável às criptomoedas

O mercado de criptomoedas da Colômbia é moldado por seu grande mercado de remessas e pelo apoio governamental à infraestrutura de blockchain. Por exemplo, o governo introduziu recentemente uma stablecoin de peso colombiano. Além disso, as iniciativas do Presidente Petro de utilizar blockchain para serviços públicos ressaltam a abertura do país para ativos digitais.

A resiliência dos comerciantes colombianos durante as flutuações do mercado e os desenvolvimentos regulatórios em andamento sugerem um futuro promissor para a adoção de criptomoedas. No entanto, isso deve ser acompanhado por medidas abrangentes de proteção ao consumidor e estabilidade do mercado.

4. México: Navegando pelas remessas e pela regulamentação

O México se distingue por um mercado de remessas significativo e parcerias estratégicas de blockchain que impulsionam a adoção de criptomoedas. Além disso, a regulamentação cripto do país e o ambiente sandbox para inovação de fintech fornecem uma base sólida para serviços cripto.

À medida que o México continua integrando os pagamentos digitais e o comércio eletrônico, o potencial para a adoção de criptomoedas cresce, embora os obstáculos regulatórios e de conformidade continuem sendo considerações críticas para a expansão do setor.

5. Venezuela: As criptomoedas como um farol de esperança

A dependência da Venezuela em relação às criptomoedas decorre de sua tentativa de contornar as sanções econômicas e a hiperinflação. Apesar do controverso projeto da moeda digital petro, o país viu um aumento nas transações de criptomoedas à medida que os cidadãos buscavam soluções alternativas.

Mas ainda assim, a posição flutuante do governo sobre a regulamentação das criptomoedas apresenta desafios. No entanto, a popularidade duradoura dos ativos digitais entre os venezuelanos destaca o potencial das criptomoedas como uma ferramenta para a resiliência econômica.

Leia mais: Criptomoedas versus serviços bancários: Qual é a escolha mais inteligente?

Jornadas cripto honrosas, ambiciosas, porém difíceis

A ousada iniciativa de El Salvador de adotar o Bitcoin como moeda legal marca um experimento significativo na adoção nacional de criptomoedas. No entanto, o esforço enfrenta obstáculos, incluindo a aceitação pública limitada e a estabilidade ofuscante do dólar americano.

Apesar desses desafios, o compromisso de El Salvador com a integração do Bitcoin em sua economia reflete a ambição regional mais ampla de redefinir os sistemas financeiros por meio de ativos digitais.

“O que tem sido chamado pelas organizações internacionais de “O experimento Bitcoin” nada mais é do que o mundo observando como a adoção em massa muda a economia de um país. Se for para o bem, é o fim do jogo para a FIAT. El Salvador é a faísca que acende a verdadeira revolução”, disse o presidente Bukele.

A adoção das criptomoedas pela América Latina significa uma mudança global mais ampla em direção aos sistemas financeiros digitais. À medida que essas nações navegam pelas complexidades da adoção, regulamentação e integração de mercado, sua experiência coletiva oferece insights valiosos sobre o potencial das criptomoedas para enfrentar os desafios econômicos e oferecer caminhos financeiros alternativos.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Thiago-Barboza-red1.png
Thiago Barboza
Sound Designer de profissão e apaixonado por comunicação, Thiago Barboza é graduado em Comunicação com ênfase em escritas criativas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Em 2019 conheceu as criptomoedas e blockchain, mas foi em 2020 que decidiu imergir nesse universo e utilizar seu conhecimento acadêmico para ajudar a difundir e conscientizar sobre a importância desta tecnologia disruptiva.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados