Ver mais

Pesquisadores discordam de Musk que a Inteligência Artificial substituirá os trabalhadores

2 mins
Por David Thomas
Traduzido Thiago Barboza

Pesquisadores norte-americanos descobriram recentemente que a inteligência artificial (IA) pode deixar os trabalhadores independentes sem emprego, a menos que os governos intervenham.

Outro estudo descobriu que a produtividade aumenta quando a IA é usada para ajudar em vez de substituir trabalhadores, como previu Elon Musk.

O primeiro estudo concluiu que as perdas de emprego não foram melhores para os trabalhadores autônomos com um nível de competências mais elevado.Na verdade, esses trabalhadores eram os mais propensos a sofrer.

A IA parece complementar os trabalhadores

Um estudo separado realizado pelo Boston Consulting Group (BCG) descobriu que os trabalhadores que usaram o modelo de inteligência artificial GPT-4 da OpenAI para determinadas tarefas foram mais produtivos do que aqueles que não o fizeram.

No entanto, esses consultores ficaram em pior situação quando receberam tarefas que exigiam um julgamento mais sutil.

Os trabalhadores que usaram a IA para refinar resultados ou executar tarefas específicas enquanto se concentravam nas suas áreas de competência contrariaram esta tendência.

O estudo mostrou que a IA funcionou melhor quando o BCG a utilizou para complementar o conjunto de habilidades dos consultores.

Pesquisadores discordam de Musk que a Inteligência Artificial substituirá os trabalhadores
Resultados do estudo BCG | Fonte: Financial Times

Globalmente, os estudos parecem sugerir que os trabalhadores autônomos necessitam de mais proteção trabalhista. Além disso, as ferramentas de IA devem ser utilizadas para complementar e não substituir o trabalho humano.

Grupos de direitos humanos e sindicatos opuseram-se à cúpula sobre IA promovida pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, por ignorar a ameaça da IA aos trabalhadores.

Elon Musk diz a Rishi Sunak que a IA acabará com o trabalho. Fonte: BBC Notícias

Uma recente ordem executiva do presidente dos EUA, Joe Biden, não vinculativa, pede às empresas de IA que estudem como modelos como o GPT-4 impactarão os mercados de trabalho.

A administração também pede às empresas que ponderem formas do governo federal apoiar interrupções no trabalho provocadas pela IA.

Elon disse que a IA assumirá o controle

As descobertas dos estudos desafiaram as declarações que o bilionário Elon Musk fez a Sunak na importante cúpula de IA do Reino Unido na semana passada.

Musk prevê que a IA substituirá a força de trabalho de tal forma que “chegará a um ponto em que nenhum emprego será necessário”.

“Você pode ter um emprego se quiser… mas a IA será capaz de fazer tudo”, disse Musk.

As suas declarações não deveriam ser surpreendentes, dado que o bilionário da tecnologia fundou recentemente uma empresa de IA que busca a inteligência artificial geral (AGI), um campo que muitos consideram o objetivo final de todos os esforços de IA. Essencialmente, a AGI é uma IA com senciência de nível humano.

Mas a ameaça mais imediata da IA é a que preocupa os trabalhadores do conhecimento. Ainda não se sabe como o trabalho da IA irá impactar a política monetária, uma vez que o crescimento salarial e o amplo emprego são dados importantes que o Fed utiliza ao decidir se deve apertar ou afrouxar a política monetária.

Se a IA assumir mais empregos sem a entrada de novos participantes no mercado, o desemprego aumentará, mas os empregos e as vagas poderão atingir a paridade.

No entanto, a taxa de aumento do desemprego dependerá da forma como o governo lida com as disrupções trabalhistas.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Thiago-Barboza-red1.png
Thiago Barboza
Sound Designer de profissão e apaixonado por comunicação, Thiago Barboza é graduado em Comunicação com ênfase em escritas criativas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Em 2019 conheceu as criptomoedas e blockchain, mas foi em 2020 que decidiu imergir nesse universo e utilizar seu conhecimento acadêmico para ajudar a difundir e conscientizar sobre a importância desta tecnologia disruptiva.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados