Como pacientes podem lucrar com seus dados médicos na Web3

Atualizado por Júlia V. Kurtz

O Medaverso está aqui! E a indústria de tecnologia de saúde está pronta para revolucionar a maneira como pacientes, organizações de saúde e empresas farmacêuticas operam com dados médicos, diz Anna Bondarenko, da DeHealth.

Os dados médicos são, sem dúvida, algumas das informações mais valiosas que temos devido à sua importância no avanço da pesquisa médica e na melhoria dos resultados da saúde. No entanto, há uma enorme desconexão na indústria entre as empresas farmacêuticas e os pacientes. Os pacientes não têm controle real sobre como ou quando as empresas farmacêuticas acessam e usam seus dados. 

  • Ficou com alguma dúvida? O Be[in]Crypto possui uma série de artigos para lhe ajudar a entender o universo cripto. Confira!
  • Se quiser ficar atualizado no que acontece de mais importante no espaço cripto, junte-se ao nosso grupo no Telegram!

Phillipe Gerwill é um Humanista de Digitalização e especialista em produtos farmacêuticos. Ele diz:

“Quando se trata de dados médicos, as empresas farmacêuticas não estão conversando com os pacientes. As empresas farmacêuticas estão principalmente em um modelo B2B (business to business) em vez de um modelo B2C (business to consumer, ou paciente).”

Em essência, as empresas farmacêuticas estão lidando apenas com prestadores de serviços de saúde e eliminando completamente os pacientes porque os prestadores de serviços de saúde são os que tecnicamente possuem os dados dos pacientes.

No entanto, esse modelo B2B está deixando muito dinheiro na mesa para pacientes e organizações de saúde. Aqui está o que quero dizer: 

  • Ficou com alguma dúvida? O Be[in]Crypto possui uma série de artigos para lhe ajudar a entender o universo cripto. Confira!
  • Se quiser ficar atualizado no que acontece de mais importante no espaço cripto, junte-se ao nosso grupo no Telegram!

Um único registro médico pode custar até US$ 1.000 no mercado negro. Os registros médicos contêm informações pessoais mais confidenciais do que os cartões de crédito, portanto, eles têm uma vida útil muito mais longa do que um número de cartão de crédito roubado.

É o suficiente para construir toda uma falsa persona que pode ser usada para obter ilegalmente prescrições, medicamentos e cuidados médicos caros. Assim, coletores de dados sem escrúpulos tentam constantemente violar sistemas médicos para roubar essas informações e vender pelo maior lance. 

O mercado de dados de saúde legal é muito lucrativo

Especialistas dizem que registros médicos eletrônicos de saúde compõem uma indústria que vale cerca de US$ 27 bilhões. As empresas farmacêuticas já estão pagando por enormes conjuntos de dados de laboratórios de DNA privados, seguradoras e hospitais em todo o mundo. 

Conjuntos de dados

Esses conjuntos de dados são extremamente valiosos porque as empresas podem usá-los para analisar o real desempenho dos medicamentos. Como os ensaios clínicos são muito caros, esse é um método mais eficaz para pesquisa e aplicação no mundo real em um grupo maior de pessoas.

Isso é legal em países como Índia, Europa, Estados Unidos entre outros e não há necessidade de as empresas compensarem ou mesmo notificarem os pacientes. Embora a maioria das pessoas entenda isso, nem todos sabem que há potencial para uma alternativa. 

O aumento do uso de blockchain significa que os pacientes podem ter mais controle de seus dados médicos (e mais recompensas financeiras). Também abre as portas para dados de pacientes mais confiáveis ​​para a indústria farmacêutica, o que significa que melhores pesquisas podem ser feitas para desenvolver medicamentos mais eficazes.

Vamos falar sobre como o blockchain pode mudar o mercado de dados de saúde. 

Medaverso em ação: o que as pessoas precisam saber 

Primeiro, vamos falar sobre o blockchain. Uma coisa importante a notar é que “a blockchain” não é uma entidade única.

Existem muitas blockchains, e cada um serve a um propósito diferente. Por exemplo, a DHLT Network é construída como armazenamento descentralizado para dados de saúde e ativos digitais. Com a ajuda da blockchain, o armazenamento fornece aos usuários uma maneira segura de usar seus dados médicos online. 

Simplificando, a blockchain é um livro digital estruturado de modo que é quase impossível hackear, alterar ou trapacear. É um conjunto de blocos de informações seguras encadeados em sequência (daí o nome ‘blockchain’). Esse conjunto de blocos cria um livro-razão seguro distribuído por uma vasta rede de computadores ou nós individuais. 

Uma característica atraente do blockchain é que quaisquer alterações nos dados são imediatamente detectáveis. Também é muito difícil alterar ou substituir esses blocos de informação. Seria matematicamente complexo demais. Essa proteção forte é ideal para dados médicos confidenciais. 

Além disso, há o aspecto descentralizado do livro-razão. Este é um dos recursos mais comentados da tecnologia blockchain. 

A descentralização acontece por meio de “consenso peer-to-peer”. Basicamente, a maioria da rede deve concordar com o próximo bloco que entra na cadeia. Não há estrutura de controle central a ser comprometida, portanto, violações são extremamente improváveis. 

Temos a tecnologia agora para fazer os dados médicos funcionarem para o paciente. Ao alavancar protocolos mais inteligentes, conectados e orientados a dados (também conhecido como “web 3.0”), os pacientes podem compartilhar com segurança e rapidez seus registros com médicos de diferentes especialidades. Eles também podem obter a opção de monetizar seus registros, permitindo que as empresas farmacêuticas comprem seus dados exclusivos para ajudar em pesquisas futuras.

Vamos dar uma olhada em como os pacientes podem usar a tecnologia blockchain para tornar seus dados mais facilmente acessíveis.

Medaverso: como o Blockchain resolve o problema de compartilhamento para pacientes 

A abordagem blockchain pode (e deve) mudar o paradigma do compartilhamento de informações médicas. Os métodos atuais são ineficientes, complicados e pouco recompensadores para os pacientes. 

Isso é ótimo para indivíduos por duas razões. 

Primeiro, considere o quão frustrante e lento é transferir ou compartilhar registros médicos entre médicos. A maioria das empresas de saúde usa sistemas legados (também conhecido como tecnologia de dinossauro em comparação com os padrões atuais).

Esses sistemas geralmente não se comunicam bem (ou não se comunicam) com outros sistemas, portanto, o compartilhamento de registros é difícil se você tiver mais de um médico em um local físico diferente. 

Isso significa que, se você precisar de dados médicos compartilhados entre médicos (por exemplo, se você tiver um neurologista que precisa compartilhar dados com seu médico principal), é um processo tedioso que leva muito tempo e esforço. 

Em segundo lugar, elimina a questão de que os pacientes não recebem uma parte dos lucros que estão disponíveis com a venda de seus dados para empresas farmacêuticas para fins de pesquisa. A blockchain oferece aos pacientes mais controle sobre como e quando seus dados médicos são usados. Baseado em blockchain, o armazenamento descentralizado recebe diariamente dados clínicos, médicos e pessoais. 

Esses dados sobre o estado de saúde das pessoas (usuários) são despidos de informações de identificação e organizados para as empresas comprarem e usarem imediatamente. Uma moeda nativa especial, criada com um contrato inteligente altamente seguro, permite que os usuários se beneficiem financeiramente do compartilhamento dessas informações.

Com esse procedimento de blockchain, os usuários podem ser compensados ​​por seus dados em vez de dar todo o controle e lucros às empresas de saúde (já que tecnicamente possuem os dados dos pacientes), que é a situação atual. 

1. Melhor compartilhamento significa melhor cuidado.

Aqui está um exemplo de como isso pode funcionar. Um usuário se registra e recebe um novo e exclusivo ID de blockchain dentro de uma rede (como a rede DHLT da DeHealth). O usuário preenche seus dados e os profissionais de saúde preenchem os dados médicos do usuário. Isso cria um registro completo protegido dentro do livro blockchain.

O uso desse método melhora o atendimento ao paciente e o gerenciamento de dados. Os dados relatados pelo paciente nem sempre são registrados com precisão, afetando negativamente sua saúde. Usando blockchain, os pacientes podem ter um registro digital seguro e controlado, mas facilmente acessado por fornecedores autorizados. A capacidade de fornecer um registro único e seguro a todos os provedores oferece uma visão mais completa e detalhada da saúde de um indivíduo. Por sua vez, isso abre caminho para um cuidado mais holístico.

2. Os pacientes escolhem como monetizar seus dados com segurança. 

Quando os indivíduos se inscrevem em uma rede como essa, o aplicativo lida com a despersonalização, para que os pacientes não precisem. A despersonalização retira todos os dados pessoais de identificação de um registro médico antes de ser vendido para manter a privacidade e a segurança. Isso dá às empresas farmacêuticas acesso aos dados de que precisam para pesquisa, mantendo o anonimato do paciente.

O manuseio de informações confidenciais dessa maneira dá aos pacientes a chance de receber uma renda extra de seus dados médicos. Antes, os provedores de saúde podiam simplesmente usar esses dados sem a permissão do paciente e lucrar. Essa nova solução significa que os pacientes obtêm controle e recompensas financeiras por seus dados, e têm uma opinião sobre como seus históricos médicos são usados.

Por exemplo, a DeHealth segue todos os principais padrões globais de governança de dados (como Data Protection Act, GDPR e HIPAA) e usa especialistas independentes como a Hacken para verificar a segurança antes que qualquer dado seja vendido. Participar desses livros médicos de blockchain dá aos pacientes mais controle sobre a privacidade das informações.

Além da segurança, os pacientes podem finalmente receber uma compensação financeira por seus valiosos dados. As corporações há muito lucram com essas informações, usando-as para informar o desenvolvimento de medicamentos e a pesquisa de tecnologia médica, então é hora de os indivíduos também obterem sua parte. 

A tecnologia Blockchain trata os dados do paciente como o ativo que é. Ele faz isso de uma maneira simples que os pacientes podem se beneficiar com segurança. 

Medaverso: os compradores se beneficiam ainda mais com os dados de saúde do Blockchain 

As empresas farmacêuticas perdem enormes quantias de dinheiro com dados falsos e hackers todos os anos. A IBM relata que as violações de dados médicos custam às empresas de saúde entre US$ 3 milhões a US$ 7 milhões por incidente

A tecnologia Blockchain oferece uma opção mais segura da qual pacientes e empresas de saúde se beneficiam. 

1. Entregar o controle aos pacientes tira o poder dos hackers.

Neste momento, o mercado negro de dados médicos é enorme. Os hackers estão constantemente procurando maneiras de violar os sistemas médicos, e muitos conseguem. Em 2021, 45 milhões de indivíduos foram vítimas de ataques a dados de saúde. 

Esse tipo de insegurança torna as pessoas cautelosas com as empresas que solicitam dados médicos confidenciais. Também pressiona todo o setor de saúde a bloquear registros. Isso retarda o desenvolvimento de novos medicamentos, tecnologia médica e cuidados que salvam vidas. 

Com o blockchain, os indivíduos ganham segurança e confiança. Ele tira o poder dos hackers e aumenta o valor dos dados médicos legítimos. Também dificulta a fraude de registros médicos, o que mantém os custos de saúde mais baixos.

É verdade que a tecnologia blockchain não é infalível, mas de acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, em 2021, grandes violações de dados foram relatadas todos os dias.

Em contraste, embora os hacks de blockchain tenham se tornado um pouco mais comuns, a tecnologia é considerada mais segura porque não há um único ponto de entrada para hackear, como é o caso do armazenamento tradicional de registros de saúde. A natureza espalhada (ou descentralizada) de uma rede blockchain significa que é mais difícil para um hacker assumir o sistema blockchain e extrair grandes pedaços de dados médicos.  

2. As empresas de saúde obtêm dados melhores

A segurança aprimorada também significa conjuntos de dados de maior qualidade. As empresas que treinam a Inteligência Artificial de saúde entendem a importância dos dados de qualidade. Confiar em empresas aprovadas para agregar, estruturar e proteger conjuntos de dados significa menos tempo perdido classificando informações úteis. 

Isso é importante porque normalmente é preciso muito esforço humano para classificar os dados do paciente nos formatos específicos necessários para treinar com sucesso algoritmos de IA ou desenvolver pesquisas com eficiência. Dados mais eficientes significam cuidados mais eficientes.

Por meio da tecnologia blockchain, as empresas têm um mercado confiável para obter dados verificados. No caso do DeHealth, os perfis dos usuários são divididos em três partes: dados pessoais, dados médicos e dados de estilo de vida. 

Os dados pessoais (qualquer identificação como nome, idade, endereço) permanecem criptografados e separados. Os dados médicos e de estilo de vida são criptografados com uma chave privada exclusiva. Isso permite que os usuários o carreguem na base médica maior da DeHealth, se desejarem. A partir daqui os usuários têm a opção de vender o acesso a todos ou parte dos dados carregados. 

Os compradores podem adquirir uma licença para conjuntos específicos de dados (por exemplo, diabéticos com estilo de vida ativo ou pessoas com depressão e colesterol alto etc.), para que possam alocar melhor seus fundos de acordo com o que estão pesquisando.

Além disso, essas licenças concedem acesso a dados dinâmicos, para que as empresas possam monitorar como os pacientes progridem ao longo do tempo e usar isso para informar suas pesquisas. Isso é semelhante à forma como os estudos científicos de longo prazo são conduzidos, mas essa é uma rota mais econômica. 

A Web3 promete uma troca de dados médicos mais segura e lucrativa 

Os livros de blockchain médicos ainda não são difundidos, mas a DeHealth e outras empresas estão trabalhando para mudar isso. Não estamos sozinhos em acreditar que a blockchain é a resposta para a desigualdade e as dificuldades em torno do compartilhamento de dados médicos. Tanto os pacientes quanto as entidades de saúde podem se beneficiar da adoção de novas tecnologias. Juntos, podemos tornar o compartilhamento de dados de saúde mais seguro e lucrativo para todos.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
BEINNEWS ACADEMY LTD © STREET: SUITE 1701 – 02A, 17/F, 625 KING’S ROAD, NORTH POINT. HONG KONG.