Ver mais

Mineradores de Bitcoin atingem novo pico de vendas; ações desabam

2 mins
Por Martin Young
Traduzido Anderson Mendes

EM RESUMO

  • O volume de vendas dos mineradores aumentou 400% este mês.
  • Os mineradores de Bitcoin estão enfrentando um golpe triplo.
  • Ações das grandes mineradoras de Bitcoin caíram para seu menor valor nos últimos dois anos.
  • promo

Os mineradores de Bitcoin (BTC) estão passando por dificuldades, precisando vender cada vez mais unidades do ativo. Isso tem feito o preço das ações das grandes companhias de mineração cair.

Com o preço do Bitcoin voltando a cair nesta terça-feira (22), a pressão sobre os mineradores ficou ainda maior. No dia anterior, o fundador do Capriole Fund, Charles Edwards, observou que esses agentes estavam vendendo agressivamente seus fundos na criptomoeda. De acordo com o gráfico, o sell-off aumentou 400% até agora este mês.

Está é também a venda mais agressiva vista em quase sete anos, disse ele antes de acrescentar:

“Se o preço não subir logo, veremos muitos mineradores de Bitcoin fora do mercado.”

Pressão sobre os mineradores de Bitcoin aumenta

Os mineradores de Bitcoin estão enfrentando um golpe triplo no momento. As taxas de hash estão próximas de seus níveis mais altos, o que torna mais difícil minerar um bloco na rede. Isso é bom para a segurança da blockchain, mas ruim para os mineradores.

De acordo com Blockchain.com, a taxa de hash da rede é atualmente de 261 EH/s (exahashes por segundo). Além disso, atingiu um pico de 273 EH/s em 2 de novembro. A dificuldade de mineração também está em níveis máximos, tornando mais difícil competir pelo próximo bloco.

Os preços da energia ainda estão muito altos na maioria dos lugares, agravando os problemas para os mineradores. Pagar demais pela energia reduz drasticamente as margens de lucro. Isso resultará em muitas operadoras de mineração desligando as plataformas ou fechando seus negócios.

A mais recente a tomar essa decisão foi empresa australiana Iris Energy. Conforme relatado pelo BeInCrypto, a Iris deixou de pagar uma dívida de US$ 108 milhões e foi forçada a desligar suas máquinas.

A queda de preço do Bitcoin é o terceiro fator que afeta negativamente os mineradores. Nesta terça-feira, o ativo caiu para seu preço mais baixo desde novembro de 2020, atingindo US$ 15.650, segundo o CoinGecko.

Todos esses fatores continuam a pressionar os mineradores de Bitcoin, tornando a venda de seus ativos sua única opção.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedasConfira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.

Ações em queda

As empresas de mineração de capital aberto também estão em apuros no momento, vendo o preço de suas ações caírem. As ações da Canaan Inc. caíram para uma nova mínima de dois anos de US$ 2,52, de acordo com o Market Watch.

As ações da Riot Blockchain também estão em baixa de dois anos. Eles caíram para US$ 4,05 após o começo da semana, quase 94% abaixo de seu recorde histórico. Marathon Digital não está se saindo muito melhor. Suas ações caíram para o nível mais baixo desde dezembro de 2020, sendo negociadas a US$ 6,26 após o fim do pregão.

Os volumes de negociação de ações de mineradores de Bitcoin também estão nos níveis mais baixos de todos os tempos, à medida que o inverno cripto se intensifica.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

4d198a1c7664cbf9005dfd7c70702e03.png
Anderson Mendes
Membro ativo da comunidade de criptoativos e economia em geral, Anderson é formado pela Universidade Positivo, e escreve sobre as principais notícias do mercado. Antes de entrar para a equipe brasileira do BeInCrypto, Anderson liderou projetos relacionados à trading, produção de notícias e conteúdos educacionais relacionados ao mundo cripto no sul do Brasil.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados