Jovens usam cripto para escapar da inflação na Nigéria

Atualizado por Anderson Mendes
EM RESUMO
  • Jovens nigerianos estão adotando criptomoedas em desafio ao governo.
  • A Nigéria é considerada um dos países mais ricos em petróleo do mundo, mas 40% de sua população vive na pobreza.
  • Criptomoedas e NFTs são uma forma de os jovens contornarem as falhas do governo.
  • promo

    Comece agora a ganhar até 8% anuais com o novo programa de Staking da Stormgain!Entre hoje no nosso Telegram!

À medida que a inflação atinge 16%, os jovens da Nigéria estão adotando uma nova classe de ativos além do alcance das instituições financeiras tradicionais do país.

A Nigéria e as criptomoedas têm uma longa história. O país da África Ocidental está se alinhando para desempenhar um papel integral na adoção destes ativos na região. Lar de mais de 200 milhões de pessoas, é o país mais populoso do continente e tem o título de “Gigante da África”.

Em entrevista exclusiva, Aliyu Pokima, diretor de operações da Gorth Nigeria Limited, comenta como ele e seu irmão fundaram a empresa para entregar produtos petrolíferos a outras empresas. “Armazenar as reservas da empresa em USDT ajudou a manter o valor acima da inflação paralisante”, disse ele.

Este país rico em petróleo lidera o continente ao ter o maior PIB, com US$ 432 bilhões em 2020, segundo dados do banco mundial.

Apesar das ótimas estatísticas, os números na prática pintam um triste quadro de desigualdade. Há um fosso cada vez maior entre os ricos e os pobres no país. Em 2020, dados do Bureau de Estatísticas da Nigéria revelaram que cerca de 83 milhões de nigerianos, cerca de 40% da população, vivem na pobreza.

No entanto, para milhares, o uso das criptomoedas pode proporcionar uma reviravolta nesta desigualdade. Ativos cripto são defendidos pela população incrivelmente jovem.

Adoção cripto na Nigéria

“É difícil identificar a primeira incursão das criptomoedas na Nigéria. Mas os pioneiros certamente entraram no jogo por volta de 2015, com discussões sendo realizadas em fóruns locais como Nairaland e grupos do Facebook”, disse Aliyu Pokima.

De acordo com o entusiasta de criptomoedas de 25 anos, a próxima fase dos usuários cripto foi desenhada pelas ofertas iniciais de moedas (ICO) em 2017. Alguns jovens nigerianos ousados deram um grande salto neste mundo. Pequenas fortunas foram feitas e uma amarga lição foi aprendida após o crash da ICO, o incrível rali do Bitcoin e o declínio acentuado de seu preço alguns meses depois.

“Para os pioneiros, as criptomoedas forneceram uma chance de escapar dos efeitos incapacitantes da inflação e desvalorização da naira, a moeda nacional da Nigéria. Isso foi causado por más políticas monetárias do banco central do país”, disse Pokima. A oportunidade de obter retornos impressionantes aumentou o magnetismo em torno das criptomoedas para esses primeiros investidores. Naquela época, apenas um punhado de exchanges e usuários locais operavam no mercado. Mas uma grande chance estava no horizonte.

Nigéria e a pandemia da covid 19

A pandemia foi um dos maiores impulsionadores da adoção cripto na Nigéria, de acordo com Pokima. A economia do país foi prejudicada com milhões de desempregados. A inflação atingiu dois dígitos no segundo trimestre de 2020. Com a inflação em torno de 16%, os jovens nigerianos passara a olhar para alternativas fora da naira como uma forma de proteger sua riqueza. Neste sentido, o Bitcoin foi a escolha certa.

Segundo Pokima: “A notícia se espalhou como fogo quando amigos contaram a amigos sobre a nova classe de ativos além do alcance das instituições financeiras locais. A naira já havia sido desvalorizada pelo Banco Central da Nigéria em 2020, tornando a transição para as criptomoedas uma decisão fácil para os jovens nigerianos.”

Além da desvalorização do naira e da forte inflação, o próximo grande impulso em direção as criptomoedas logo chegou. Começaram os protestos do End Sars contra a brutalidade policial. Os protestos duraram semanas e a resposta do governo foi reprimir as contas bancárias dos manifestantes, dificultando o financiamento dos protestos.

O outro lado da moeda

As doações fluíram para o Bitcoin e atingiram um crescimento depois que o fundador do Twitter, Jack Dorsey, fez uma doação e pediu aos usuários do Twitter que doassem para apoiar o End Sars. A ausência de terceiros e a natureza descentralizada das criptomoedas foi um grande ponto de inflexão para os jovens nigerianos fazerem a adoção cripto em desafio ao governo.

Dados de 2020 mostram que a Nigéria teve o terceiro maior volume de negociação de Bitcoin, com pouco mais de US$ 400 milhões negociados no país. A nação rica em petróleo também possui o terceiro maior número de detentores de criptomoedas globalmente. Cerca de 13 milhões de pessoas no país possuem ativos cripto.

Bons tempos não duram para sempre

Em 7 de fevereiro de 2021, o Banco Central da Nigéria (CBN) divulgou um comunicado para impor a proibição que havia colocado na classe de ativos em 2017. Isso restringiu bancos e instituições financeiras de facilitar pagamentos cripto. De acordo com a diretiva do banco central, vários nigerianos que compraram criptomoedas com suas contas bancárias tiveram suas contas congeladas.

Isso criou um ar de pânico na população. Mas usuários e startups de criptomoedas pensaram em métodos engenhosos para continuar suas operações. A resposta foi o uso de negociação Peer-to-Peer (P2P). No entanto, circularam rumores de que a polícia secreta do país estava à espreita em mercados P2P para iniciar uma repressão.

A decisão do CBN de suprimir o crescimento do mercado cripto chamou ainda mais a atenção para a classe de ativos. O Bitcoin estava desfrutando de um ano estelar, enquanto a economia nigeriana sofria com a hiperinflação. Os nigerianos simplesmente queriam um pedaço do bolo digital, observou Pokima.

Exchanges globais como a Binance e FTX perceberam o imenso potencial que o país tinha e começaram a entrar neste mercado. Disse Pokima: “Rapidamente, milhões de jovens nigerianos sem conta bancária criaram carteiras digitais, passando horas examinando gráficos e compartilhando dicas nas mídias sociais”.

CBDC é lançado

Sentindo as saídas de capital e a necessidade de impedir a crescente criptonização, o banco central da Nigéria lançou às pressas sua moeda digital própria (CBDC), batizada de eNaira. Depois de um começo difícil, o CBDC foi ao ar. Ele foi o primeiro a ser lançado na África e colocou o país no patamar de outras nações com CBDCs funcionais.

Segundo o banco central, o objetivo do CBDC era promover a inclusão financeira. Mas o ativo não conseguiu resolver os problemas persistentes das desvalorizações da moeda e dos pagamentos transfronteiriços.

Enquanto as criptomoedas desfrutavam de um 2021 estelar, os nigerianos pularam no trem, iluminando o resto da África. Tokens não fungíveis (NFTs) foram adotados nos crescentes círculos de criptomoedas da Nigéria. Artistas como Alabi Mayowa, Osinachi e Anthony Azekwoh aproveitaram o momento para compartilhar sua arte com o mundo.

NFTs ignoram as galerias de arte tradicionais e intermediários. Os projetos DeFi estão alcançando milhões de nigerianos sem conta bancária. Eles têm ofertas interessantes, como a digitalização dos métodos tradicionais de crowdfunding.

“As criptomoedas podem realmente mudar a narrativa da Nigéria e do resto do continente africano. No contexto nigeriano, elas terão que passar por obstáculos governamentais e regulatórios e pelo preconceito que amarra o uso e a fraude de criptomoedas”, disse Pokima. “Talvez as criptomoedas, DeFi e Tradfi possam coexistir em uma relação simbiótica perfeita. ”

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.