Ver mais

Indicadores de mineração de Bitcoin (BTC) mostram capitulação, análise on-chain

2 mins
Atualizado por Anderson Mendes

EM RESUMO

  • A difficulty ribbon compression está perto de um nível mais baixo.
  • A hash ribbon fez um cruzamento de baixa.
  • Os mineradores de BTC estão capitulando.
  • promo

Uma análise dos indicadores on-chain do Bitcoin (BTC) relacionados aos mineradores, mais especificamente a faixa de dificuldade de compressão e a faixa de hash.

Faixa de dificuldade de compressão

A faixa de dificuldade é um indicador on-chain que emprega médias móveis (MA) da dificuldade de mineração do Bitcoin. Em seguida, a faixa de dificuldade de compressão adiciona um desvio padrão em cima disso para determinar melhor se o mercado está próximo do fundo.

Ao longo de sua história, valores entre 0,01 e 0,02 foram associados a fundos.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedasConfira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.

Em 2022, o indicador cruzou o território de sobrevenda (<0,05) em maio e está atualmente em 0,0162. A única outra vez em que foi menor do que isso foi em janeiro de 2021 em 0,0137.

Curiosamente, todos os três fundos do ciclo de mercado anterior (círculos pretos) foram alcançados em valores mais altos.

Mais especificamente, o fundo de 2015 foi alcançado em 0,024, o fundo de 2018 foi alcançado em 0,019 e o de 2020 em 0,020.

Como resultado dessas leituras, o indicador de faixa de dificuldade de compressão sugere que o BTC está próximo do fundo.

Indicadores de mineração de Bitcoin (BTC) mostram capitulação, análise on-chain
Gráfico da Faxisa de Dificuldade por Glassnode

Faixa de hash do BTC

O indicador faixa de hash usa a taxa de hash para determinar se os mineradores capitularam. A capitulação do minerador ocorre quando as recompensas da mineração são menores que os custos.

No gráfico, isso é representado quando a média móvel de 30 dias (MA, verde) cruza abaixo da de 60 dias (azul). Isso cria uma área vermelha clara que se transforma em vermelho escuro quando há um cruzamento de alta.

Historicamente, esses cruzamentos foram seguidos por movimentos ascendentes significativos.

Indicadores de mineração de Bitcoin (BTC) mostram capitulação, análise on-chain
Gráfico da Faixa de Hash por Glassnode

Um olhar mais atento ao movimento mostra que uma linha de baixa ocorreu em 7 de junho. Portanto, um cruzamento está em vigor há 42 dias. O fundo de preço atual foi feito 11 dias após o cruzamento, mais especificamente em 18 de junho.

Em 2015 (círculo preto), o cruzamento estava em vigor há 40 dias. No entanto, o fundo foi atingido 25 dias após o cruzamento.

Em 2018 (círculo azul), o cruzamento estava em vigor há 61 dias. No entanto, o fundo foi atingido após 45 dias.

Por fim, em março de 2020 (amarelo), o cruzamento estava em vigor por 36 dias. Curiosamente, o fundo foi atingido cinco dias antes do cruzamento.

Então, ao usar esses dados para o movimento atual, é possível que o cruzamento continue em vigor por aproximadamente mais 20 dias, mas é possível que um fundo já tenha sido atingido.

Indicadores de mineração de Bitcoin (BTC) mostram capitulação, análise on-chain
Gráfico da Faixa de Hash por Glassnode

Para a análise mais recente de Bitcoin (BTC) do Be[in]Crypto, clique aqui.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Thiago-Barboza-red1.png
Thiago Barboza
Sound Designer de profissão e apaixonado por comunicação, Thiago Barboza é graduado em Comunicação com ênfase em escritas criativas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Em 2019 conheceu as criptomoedas e blockchain, mas foi em 2020 que decidiu imergir nesse universo e utilizar seu conhecimento acadêmico para ajudar a difundir e conscientizar sobre a importância desta tecnologia disruptiva.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados