Ver mais

IA é mais poluente que cripto? Os custos ocultos da Inteligência Artificial

6 mins
Atualizado por Anderson Mendes

EM RESUMO

  • O impacto ambiental das ferramentas generativas de IA incluindo seu grande consumo de energia e pegada de carbono.
  • Comparação do uso de energia de IA com atividades digitais tradicionais e seu potencial impacto cumulativo.
  • A resposta da indústria às preocupações ambientais, incluindo a pesquisa de modelos de IA mais eficientes em termos de energia.
  • promo

Explorar as implicações ambientais da Inteligência Artificial (IA) apresenta uma tarefa hercúlea. Essa exploração nos obriga a reavaliar as implicações mais amplas de nossa busca incansável pela inovação.

Todo avanço tecnológico deixa uma pegada ecológica, muitas vezes negligenciada. Este artigo se aventura nos efeitos ambientais pouco reconhecidos das ferramentas generativas de IA.

Leia mais: 4 criptomoedas que podem atingir novas máximas em julho de 2024

As consequências invisíveis da IA: uma avaliação de impacto ambiental

A inteligência artificial tornou-se rapidamente uma poderosa força de transformação. Sua influência agora permeia vários setores como finanças, saúde e entretenimento.

Por trás desse brilho inovador, no entanto, esconde-se uma consequência inesperada: uma pegada de carbono substancial.

A realidade preocupante do custo ambiental vinculado à crescente indústria de IA torna-se palpavelmente aparente quando você se concentra em ferramentas de IA generativas que consomem muita energia.

O dilema ambiental da IA: o enigma da pegada de carbono

O consumo de energia da IA ​​é colossal. O treinamento de modelos generativos como o GPT-4 da OpenAI requer uma grande alocação de recursos computacionais. Ele vai além de simplesmente alimentar os servidores com eletricidade.

Manter um ambiente ideal para essas máquinas por meio da infraestrutura física também consome energia.

Por exemplo, sistemas de refrigeração para servidores e data centers aumentam drasticamente o consumo de energia, resultando em emissões significativas de carbono.

IA é mais poluente que cripto? Os custos ocultos da Inteligência Artificial
Poder computacional versus uso de energia. Fonte: ars technica

Comparado às atividades digitais tradicionais, o uso de energia da IA ​​é incrivelmente vasto. O treinamento de um único modelo de IA em grande escala pode emitir tanto carbono quanto cinco carros ao longo de sua vida útil, incluindo a fabricação.

Esse fato alarmante torna-se mais sério quando se prevê que as ferramentas de IA se tornarão tão predominantes quanto os mecanismos de busca, o que pode fazer com que o gasto de energia e o impacto ambiental disparem.

Descobrindo as demandas de energia: as complexidades dos modelos de IA

O consumo substancial de energia desses modelos estatísticos de força bruta decorre de vários recursos:

  • Necessidade de exemplos de treinamento extensivo: Para identificar com precisão um objeto, digamos um gato, um modelo requer inúmeros exemplos. Estes abrangem imagens de gatos de vários ângulos, raças, cores, tons e poses. Dadas as representações ilimitadas possíveis de gatos, o modelo deve ser treinado em uma ampla gama de variações de gatos para se destacar na identificação de um novo gato.
  • Múltiplos ciclos de treinamento são necessários: O processo de treinamento envolve o aprendizado do modelo com seus erros. Se o modelo rotular erroneamente um gato como um guaxinim, ele ajusta seus parâmetros, reclassifica a imagem corretamente e treina novamente. Este processo iterativo requer um número significativo de ciclos de treinamento.
  • Retreinamento necessário para novas informações: O modelo requer retreinamento quando encontra uma nova categoria, como desenhos animados de gatos. Você deve incluir vários exemplos de gatos de desenhos animados, como os azuis ou vermelhos, no conjunto de treinamento e começar a treinar novamente. O modelo carece da capacidade de aprendizagem incremental.
  • Muitos pesos e computação intensiva: Uma rede neural padrão compreende muitas conexões ou pesos representados por matrizes. A rede deve executar múltiplas multiplicações de matrizes em camadas sucessivas para calcular uma saída até que surja um padrão reconhecível. Uma única camada geralmente requer milhões de etapas computacionais, e uma rede típica pode conter dezenas a centenas de camadas, resultando em cálculos que consomem muita energia.

Acessibilidade: uma faca de dois gumes

A crescente acessibilidade e a incorporação de ferramentas de IA em aplicativos móveis apresentam um problema complicado. Embora a onipresença democratize a IA, ela também amplifica o impacto ambiental.

À medida que mais pessoas usam funções de IA diariamente, a demanda de energia para cálculos de IA cresce progressivamente.

No entanto, não há necessidade de se desesperar. A indústria de IA está começando a reconhecer esses desafios ambientais. Os pesquisadores estão se esforçando para desenvolver modelos de IA mais eficientes em termos de energia.

O objetivo é conseguir mais com menos: preservar os recursos de IA e reduzir a energia necessária para os cálculos.

Aproveitando a energia renovável: preparando o caminho para um futuro mais verde

Está surgindo uma tendência crescente de usar fontes de energia renováveis ​​na computação de IA. A implantação de energia solar e eólica para executar operações de IA pode reduzir significativamente as pegadas de carbono.

Gigantes da tecnologia como o Google estão liderando esse movimento, comprometendo-se a alimentar todas as suas operações, incluindo data centers, com energia renovável. Essa mudança em direção à data centers verdes sinaliza uma progressão promissora em direção a um futuro de IA sustentável.

Elaborar um futuro de IA verdadeiramente sustentável representa um desafio assustador. Os obstáculos vão desde a modelagem de eficiência energética até a realização de cálculos com energia renovável. Apesar desses obstáculos, essa jornada continua sendo indispensável.

Os benefícios potenciais da IA ​​são grandes demais para serem ignorados, assim como os custos ambientais são significativos demais para serem ignorados. À medida que a revolução da IA ​​avança, garantir o futuro do nosso planeta torna-se fundamental.

Rumo a um mundo de decisões esclarecidas

Reconhecer o poder transformador da IA ​​deve andar de mãos dadas com o seu custo ambiental. Esse reconhecimento deve inspirar ação, levando a um delicado equilíbrio.

Os esforços devem ir além da simples criação de máquinas inteligentes para promover um futuro sustentável. Isso envolve a promoção do desenvolvimento de modelos de IA com eficiência energética, defendendo a energia renovável nas operações de IA e promovendo uma cultura de sustentabilidade no setor.

Estas medidas não são meras opções, mas componentes essenciais do nosso caminho para o progresso.

Aproveitando a onda: arquitetura de modelo eficiente

Globalmente, os pesquisadores estão fazendo progressos consideráveis ​​na criação de modelos de IA mais eficientes em termos de energia. Arquiteturas de modelos inovadores, como os modelos Transformer, estão ganhando terreno.

Esses modelos permitem que os cálculos sejam paralelizados de forma mais eficiente, permitindo processar mais dados em menos tempo, reduzindo assim o consumo de energia.

IA é mais poluente que cripto? Os custos ocultos da Inteligência Artificial
Interesse do investidor em IA. Fonte: CBINSIGHTS

Além disso, as empresas estão cada vez mais considerando o meio ambiente em suas operações de IA. Há um movimento em direção à ecologização dos data centers, onde essas infraestruturas são projetadas com o mínimo de impacto ambiental em mente.

Ao empregar métodos eficientes de resfriamento, alavancar energia renovável e localizar data centers estrategicamente em climas mais frios para diminuir a necessidade de resfriamento, um progresso significativo está sendo feito na mitigação da pegada ambiental da IA.

O papel crucial da política e dos regulamentos

A influência da política e dos regulamentos continua a ser primordial. Como visto em outras indústrias, a mudança impactante geralmente requer ação coletiva que transcende os negócios individuais.

Políticas que incentivam o uso de energia renovável e estabelecem diretrizes para práticas de eficiência energética podem inspirar mudanças em todo o setor em direção à IA sustentável.

Aceitando o desafio

O caminho para a IA sustentável é complexo e cheio de desafios. É um processo contínuo que requer inovação contínua, regulamentação rigorosa e disposição para se adaptar. No entanto, considerando o enorme potencial da IA, o esforço certamente vale a pena.

Agora é a hora de destacar o lado menos glamoroso de nossa revolução digital e lidar com seus custos ambientais ocultos.

Revelar o impacto ambiental da IA ​​e buscar soluções sustentáveis ​​é mais do que apenas uma questão de responsabilidade corporativa. É um passo crucial para garantir a saúde do nosso planeta e das gerações futuras.

Afinal, o objetivo não é apenas construir máquinas mais inteligentes. O objetivo é criar um mundo mais inteligente, responsável e sustentável. Vamos manter essa missão em primeiro plano à medida que avançamos para a era da IA. Não é apenas a escolha inteligente, é a única opção.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedasConfira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Thiago-Barboza-red1.png
Thiago Barboza
Thiago Barboza é graduado em Comunicação com ênfase em escritas criativas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Em 2019 conheceu as criptomoedas e blockchain, mas foi em 2020 que decidiu imergir nesse universo e utilizar seu conhecimento acadêmico para ajudar a difundir e conscientizar sobre a importância desta tecnologia disruptiva.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados