Ver mais

Governo de Mianmar adota USDT como moeda oficial, diz site

3 mins
Atualizado por Aline Fernandes

EM RESUMO

  • Apoiadores de governo democrático anunciam Tether como moeda oficial.
  • Grupos também usam mecanismo de empréstimo para levantar fundos.
  • Adoção do Tether é considerada ilegal por junta militar que comanda o país.
  • promo

Com objetivo de derrubar a junta militar que prendeu e derrubou a então líder democrática e Nobel da Paz , Aung San Suu Kyi, o grupo que tenta administrar um governo paralelo em Mianmar, anunciou o Tether como a criptomoeda oficial para uso local no país.

O Governo de Unidade nacional agora aceita oficialmente a stablecoin Tether – que é uma moeda digital pareada ao dólar , mais estável e sem grandes oscilações no mercado como o Bitcoin ou Ethereum.

O objetivo é financiar uma campanha para acabar com o regime militar , além de facilitar e impulsionar o comércio local . Segundo reportagem da Bloomberg, o anúncio foi feito no domingo 12 de dezembro, pelo ministro das Finanças do Governo paralelo,Tin Tun Naing , sem muitos detalhes .

Apesar da aliança de líderes civis e grupos pró -democracia tentarem uma retomada de poder, eles não controlam o território da antiga Birmânia e não ocupam cargos de poder no país que tem o maior potencial de energia solar quando comparado com outros da sub-região do Grande Mekong.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedasConfira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.

Na semana passada, um tribunal de Mianmar condenou Aung San Suu Kyi a quatro anos de prisão, mas depois reduziu a pena para dois anos. Suu Kyi é acusada de incitar a população contra os militares nas eleições de 2020, vencida por ela.

Desde então a Nobel da Paz está presa em local desconhecido e várias potências como Estados Unidos,  países da União Europeia, Nações Unidas já fizeram vários apelos para que os militares libertem não apenas a líder democrata , mas também outros membros do antigo governo democrático, mas nada aconteceu. A situação política no país continua tensa

Banco Central considera ilegal  adoção de moedas digitais

O país vive uma escalada de violência desde então em uma batalha entre militares e membros pró-democracia. Mais de 1.200 pessoas morreram e cerca de 10 mil foram detidas na repressão dos dissidentes após o golpe em fevereiro de 2021, segundo uma ONG local.

Os militares, que comandam Mianmar desde 1989, defendem o golpe alegando uma suposta fraude nas eleições gerais do ano passado, que a LND – partido de Suu Kyi – venceu com folga e segue comandando com mãos de ferro a nação do sul da Ásia

A junta decretou ilegal todas as moedas digitais em maio do ano passado e ameaçou com multas e até prisão para qualquer infrator. O governo de Unidade Nacional não está olhando apenas para criptomoedas. O grupo arrecadou
US$ 9,5 milhões nas primeiras 24 horas com a venda do que foi comercializado como “Títulos do Tesouro da Revolução da Primavera” com objetivo de ajudar a derrubar o atual governo, liderado pelo golpista Min Aung Hlaing. O título parece ser estruturado como um instrumento de empréstimo direto. 

Na semana passada, o governo paralelo disse que esses chamados títulos seriam vendidos em breve dentro de Mianmar, inflamando os ânimos após o anuncio da pena de Suu Kyi de quatro anos, embora tenha sido reduzida para dois anos em um local desconhecido. 

O governo pró-democracia pretende levantar US $ 1 bilhão com a venda dos títulos, que a junta afirma violar as leis de contraterrorismo.  O grupo parece estar se concentrando em criptomoedas como o Tether, que pode ser negociado em locais que permitem aos usuários mais privacidade. 

 Governos globais de olho nas criptomoedas.


O anúncio acontece em um momento que autoridades monetárias, formuladores de políticas em todo planeta avaliam os potenciais para a adoção de criptoativos. Grandes potencias como os Estados Unidos estão avaliando também a regulamentação das criptomoedas sinalizando um caminho sem volta para adoçao das moedas digitais.

Em outubro, as Bahamas adotaram o Sand Dólar , o CBDC da região. Segundo as autoridades a moeda digital será útil para as microtransações nas muitas ilhas do país. Eles querem minimizar o comércio indocumentado e dar aos cidadãos sem conta bancária acesso a serviços semelhantes aos dos bancos. Em teoria, isso dará suporte a pequenas empresas.

O Banco Central expôs a utilidade do Sand Dollar em uma seção especial de relatório de 2019, quando o BC das Bahamas anunciou um programa piloto para a moeda digital:

Os objetivos de inclusão financeira do Banco Central visam fornecer a toda a população acesso a serviços de pagamento habilitados digitalmente; acesso universal a serviços bancários por meio de canais digitais; redução do tamanho das atividades econômicas não registradas e integração total das micro, pequenas e médias empresas ao comércio digital.

O arquipélago faz parte de uma lista crescente de nações que criam esse dinheiro virtual. China e França parecem determinados a ser os primeiros grandes países a desenvolver um CBDC. O Reino Unido também manifestou interesse, assim como outras nações insulares como Jamaica e Barbados.

El Salvador na América Central foi pioneiro ao adotar o Bitcoin como moeda oficial  junto com o dólar a partir de 7 de setembro. Na capital do país, San Salvador, gigantes do fast food como Starbucks e McDonald’s, além de supermercados e comércios menores, já aceitam o Bitcoin. Mais de 2 milhões de pessoas, em um país com 6,5 milhões de habitantes , já são usuários do Chivo, a carteira critpo do governo Bukele.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

aline.jpg
Aline Fernandes
Aline Fernandes atua há 20 anos como jornalista. Especializada nas editorias de economia, agronegócio e internacional trabalha na BeINCrypto como editora do site brasileiro. Já passou por diversas redações e emissoras do país, incluindo canais setorizados como Globo News, Bloomberg News, Canal Rural, Canal do Boi, SBT, Record e Rádio Estadão/ESPM. Atuou também como correspondente internacional em Nova York e foi setorista de economia dentro do pregão da BM&F Bovespa, hoje B3 -...
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados