Ver mais

GenBit: Cliente Bloqueia R$ 158 mil de Empresa que Oferecia Investimentos em Bitcoin

3 mins
Atualizado por Caio Nascimento

EM RESUMO

  • Plataforma enfrenta problemas com saques em atraso que terminam na justiça.
  • promo

A justiça concedeu o bloqueio de bens em mais de R$ 158 mil da GenBit. A plataforma, conhecida por oferecer investimentos em Bitcoin, é processada por um cliente que espera por saque em atraso do negócio.
Como medida, a justiça determinou o arresto de bens em nome da GenBit. A solução é dada como garantia para o pagamento em atraso do cliente. A ação cita que o investidor pode ter “sido vítima de golpe” envolvendo a plataforma que operava investimentos em criptomoedas.

Empresa terá bens bloqueados em nome da justiça

A medida cautelar expedida pela Justiça de São Paulo é desfavorável para a GenBit. A plataforma possui uma dívida de mais de R$ 158 mil que deverá resultar no bloqueio de bens em nome do esquema, conforme determinação judicial. Além da empresa, a Gensa aparece como “corré” no processo, já que este seria o nome jurídico da organização. A ação ainda menciona que o empreendimento é conhecido como gestor de criptomoedas. O usuário comentou que a GenBit fazia a “compra a venda de criptomoedas”, de onde supostamente era oferecido o lucro pelo esquema. Contudo, depois de um comunicado da CVM as coisas complicaram para a empresa que investia em Bitcoin.

Atrasos acontecem desde notificação da CVM

A notificação da CVM contra a GenBit provocou o pedido de inúmeros saques, como é o caso do proponente do processo. O usuário, que não teve o nome divulgado, mostra que desde a publicação da comissão não obteve sucesso em resgatar o valor investido. Como justificativa para os atrasos de saques, a companhia apresentava “respostas evasivas”. Sem encontrar soluções para mais de R$ 158 mil investidos no negócio, o cliente da GenBit acionou a justiça. O homem quer desfazer o contrato, e pede para receber a quantia total de R$ 158.400,00 mediante a liminar de tutela de urgência. A decisão sobre o caso ainda menciona o “mercado nebuloso” das criptomoedas, além de explicar que o usuário pode ter caído em um “golpe”.
“É forçoso que muito provavelmente o autor tenha mesmo sido vítima de golpe ou, na melhor das hipóteses, de involuntária quebra dos operadores, por má gestão.”
Com a notificação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a GenBit é condenada a pagar uma multa de R$ 300 mil pela atuação irregular no Brasil. Com pagamentos em atraso, outros clientes procuram processar o negócio, que ofertava lucros mediante investimentos em Bitcoin.

Plataforma troca Bitcoin por criptomoeda TPK

Investidores da GenBit começam a acionar a justiça para receber pagamentos em atraso de dinheiro investido no esquema. A GenBit é acusada por um usuário de trocar criptomoedas sem o seu consentimento. Em outra ação judicial um cliente pede cerca de R$ 45 mil em indenização material. O valor em questão relaciona-se a uma troca indevida. O saldo em Bitcoin apareceu em TPK, uma criptomoeda criada pela própria GenBit. Contudo, neste caso a justiça condenou a plataforma a devolver também aquilo que pertencia ao proponente da ação. No entanto, em um terceiro acontecimento o valor solicitado é de R$ 83 mil. O processo relata que a justiça concedeu a tutela de urgência. Diante disto, a quantia também foi bloqueada no esquema que entregava lucros como resultado de aplicações em Bitcoin. Conhece alguém com problemas de saques de Bitcoin na GenBit? Comente sobre a notícia e compartilhe no Facebook com os amigos.
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Paulo_Jose_basic.jpg
Paulo José
Jornalista apaixonado pelo universo das criptomoedas e seu enorme impacto na sociedade. Conheceu o Bitcoin em 2013 sem saber que a criptomoeda tomaria conta de sua vida anos mais tarde. Já trabalhou em outros portais de notícias sobre criptomoedas, sendo que atualmente é um dos colaboradores do BeInCrypto.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados