Ver mais

Fundador da Terra Do Kwon enfrenta acusações em Montenegro que podem atrasar extradição

2 mins
Por David Thomas
Traduzido Júlia V. Kurtz

EM RESUMO

  • Autoridades de Montenegro aceitaram pedidos de extradição para o cofundador da Terraform Labs, Do Kwon, da Coréia do Sul e dos EUA.
  • O Departamento de Justiça disse que decidirá qual pedido de extradição honrar com base na gravidade, tempo, localização dos supostos crimes de Kwon e a ordem em que os pedidos foram feitos.
  • De acordo com seu advogado de defesa, Kwon deve passar pelo menos um ano em Montenegro antes que a extradição possa ser considerada.
  • promo

O co-fundador da Terra, Do Kwon, deve enfrentar julgamento por fraude de passaporte antes que as autoridades de Montenegro considerem sua extradição.

Na quarta-feira (29), o Departamento de Justiça montenegrino anunciou que só consideraria os esforços diplomáticos dos EUA e da Coreia do Sul para extraditar Kwon depois que ele cumprir pena por usar documentos de identidade falsos.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedasConfira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.

Além disso, as autoridades disseram que considerariam a gravidade dos crimes, sua hora e local e a ordem em que receberam os pedidos de extradição antes de conceder uma decisão.

Autoridades explicam critérios para extradição

As autoridades prenderam Kwon, um sul-coreano e um cúmplice quando tentavam embarcar em um voo de Podgorica para Dubai em 23 de março de 2023.

Após a prisão, os promotores dos EUA acusaram Kwon de duas acusações de fraude de valores mobiliários, fraude eletrônica e fraude de commodities após o colapso da stablecoin TerraUSD em maio de 2022. Ele supostamente enganou o público em uma entrevista na TV e postagens nas redes sociais.

Na Coreia do Sul, Kwon enfrenta acusações de violação da lei do mercado de capitais.

O Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Sul revogou o passaporte de Kwon depois que ele não compareceu em um interrogatório em setembro de 2022. Eles também pediram à Interpol que o colocasse em sua lista de alerta vermelho.

Isto permitiria a aplicação da lei internacional para prender provisoriamente o cofundador do TerraUSD antes de sua extradição potencial.

Em setembro daquele ano, Kwon disse, no Twitter, que estava fazendo “esforço zero para se esconder”.

Coreia do Sul pode conseguir extradição devido a laços com EUA

Não está claro como as autoridades montenegrinas avaliarão as acusações norte-americanas e coreanas contra Kwon para decidir para onde deportá-lo.

Seu advogado de defesa disse à Protos que os pedidos de extradição só poderão ser realizados depois de “pelo menos um ano”. O advogado disse que um julgamento criminal pode levar de quatro a cinco meses.

Se for considerado culpado, Kwon pode pegar de seis meses a cinco anos em uma prisão montenegrina.

Kwon já teria apelado das acusações relacionadas à suposta fraude de passaporte, o que pode levar de três a quatro meses.

A extradição para a Coreia do Sul pode ser diplomaticamente mais fácil, já que o país aderiu à Convenção Europeia sobre Extradição há doze anos. Montenegro não tem nenhum acordo oficial com a nação asiática e, embora não seja membro da União Europeia, solicitou a adesão.

Por outro lado, Montenegro não tem acordo de extradição com os Estados Unidos. O dois países começaram negociações bilaterais em 2019.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Julia.png
Júlia V. Kurtz
Editora do BeInCrypto Brasil, a jornalista é especializada em dados e participa ativamente da comunidade de Criptoativos, Web3 e NFTs. Formada pelo Knight Center for Journalism in the Americas da Universidade do Texas, possui mais de 10 anos de experiência na cobertura de tecnologia, tendo passado por veículos como Globo, Gazeta do Povo e UOL.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados