Economias falidas e governos autoritários aumentam a adoção do Bitcoin

15 novembro 2022, 13:00 -03
15 novembro 2022, 13:00 -03
EM RESUMO
  • Daniel Krawisz descreve a próxima ascensão do Bitcoin ao poder como "hiperbitcoinização".
  • À medida que o mundo entra em uma temporada incerta com recessão, a hiperbitcoinização pode finalmente se tornar uma realidade.
  • Políticas ruins, economias falidas e intervenção governamental autoritária forçarão as pessoas a optar por sair da hegemonia fiduciária.
  • promo

Hiperbitcoinização: Para os idealistas do Bitcoin (BTC), a próxima utopia para as finanças globais começa com a criptomoeda desmantelando a hegemonia fiduciária. Essa proposta civilizatória atraiu os cypherpunks desde quando o ativo foi lançado. Agora, ele se tornou popular à medida que as pessoas comuns são cada vez mais pressionadas por economias falidas e políticas governamentais autoritárias.

O cofundador do Satoshi Nakamoto Institute, Daniel Krawisz, descreve a próxima ascensão do Bitcoin ao poder como “hiperbitcoinização”. Isso emergirá em parte devido a más políticas, economias fracassadas e intervenção governamental autoritária. Esses eventos forçarão as pessoas a optarem por sair da hegemonia fiduciária.

“Desmonetização da moeda induzida pelo Bitcoin, ou hiperbitcoinização”, é o que ocorreria se “qualquer moeda infeliz” estivesse “no caminho de dominação mundial total do Bitcoin”, diz Krawisz. “Se isso acontecer, a moeda perderá rapidamente valor à medida que o Bitcoin a suplantar.”

/Artigos relacionados

Mais artigos

Da recente supressão de protestos políticos pelo governo, fica evidente que sempre que as pessoas são pressionadas, elas migram para a próxima tecnologia para afirmar sua agência. À medida que o mundo entra em uma temporada incerta com a recessão, a hiperbitcoinização pode finalmente se tornar uma realidade.

Hiperbitcoinização: as falhas do dinheiro fiduciário

Líbano, Turquia, Venezuela, Cuba, Zimbábue e vários outros países enfrentaram problemas de hiperinflação. As moedas fiduciárias estão atingindo um fundo, levando os governos a implementar políticas duvidosas para impedir a podridão.

Mas a invocação de poderes especiais por presidentes, controles de preços e moedas substitutas também competem com sanções econômicas, má governança e outros fatores estruturais que tornam fúteis os esforços de controle fiscal do governo. Também nega aos cidadãos o controle de seu dinheiro.

As falhas humanitárias do dinheiro fiduciário foram evidentes na Venezuela em algum momento de 2019. As famílias foram forçadas a comprar comida estragada e entregar seus filhos para adoção diante da escassez de produtos básicos. Na última contagem oficial, a inflação da Venezuela chegou a 151% em maio.

Esses casos trágicos impressionam a urgência de uma moeda alternativa que não seja vulnerável aos caprichos dos bancos centrais. No Líbano, políticas governamentais fracassadas roubaram das pessoas suas economias e pensões. Sua moeda nacional também perdeu valor dramaticamente.

Fonte: Steve Hanke

Voltando ao Bitcoin

De acordo com um relatório recente da CNBC, as pessoas no Líbano têm se voltado cada vez mais para o Bitcoin para preservar o valor de seu dinheiro após uma grave crise financeira causada por décadas de “guerras caras e más decisões de gastos”.

Os cidadãos estão usando o Bitcoin como meio de pagamento para transações locais e estrangeiras, disse o relatório. A stablecoin USDT também é popular no país. Embora a criptomoeda não seja permitida como meio de pagamento pelo governo libanês, as pessoas simplesmente não parecem se importar.

As empresas estão promovendo a criptomoeda como um método de pagamento aceitável no Instagram e em outras plataformas de mídia social, informou a CNBC. Ela acrescentou que o sistema bancário está quebrado e a libra libanesa perdeu 95% de seu valor desde 2019. Os bancos estão limitando os saques da população.

O aumento dos custos globais de alimentos e energia, impulsionados pela guerra na Ucrânia e pelas consequências da pandemia do COVID-19, piorou a escassez de alimentos e aumentou ainda mais a inflação este ano. Dados oficiais dizem que a inflação anual foi de 162% em setembro, uma das mais altas do mundo.

“O uso do USDT é generalizado”, disse um usuário, identificado apenas como Gebrael. Ele adicionou:

“Há muitos cafés, restaurantes e lojas de eletrônicos que aceitam USDT… então isso é conveniente se eu precisar gastar não em moeda fiduciária, mas com minhas economias de Bitcoin. O governo tem problemas muito maiores agora do que se preocupar com algumas lojas aceitando criptomoedas.”

Repressão do governo

Governos isolados e economicamente falidos têm historicamente recorrido ao controle obsessivo das instituições e à repressão dos cidadãos enquanto manifestam protestos. No Zimbábue, onde a inflação está atingindo uma alta mundial de 269% em outubro, as autoridades foram duras com a dissidência.

O Zimbábue é frequentemente citado como um bom caso para a adoção do Bitcoin por causa de seus problemas de moeda. Em janeiro de 2019, o governo baniu as redes sociais populares para conter protestos e bloqueou a cobertura de uma repressão brutal do governo.

A repressão resultou na morte de 12 pessoas e deixou mais de 60 vítimas de tiros no hospital. Os espancamentos eram generalizados. No entanto, a repressão fez com que novas possibilidades tecnológicas se abrissem.

Os zimbabuanos responderam ao desligamento total da internet migrando para o Telegram. O Telegram foi projetado como um aplicativo de comunicação para resistir à vigilância e supressão. Os cidadãos também desbloquearam redes sociais proibidas, Whatsapp, Facebook e Youtube, por meio de redes privadas virtuais (VPNs).

À medida que os cidadãos recuperam suas liberdades democráticas por meio de canais de comunicação alternativos, há motivos para acreditar que eles seguirão o exemplo para recuperar suas liberdades financeiras por meio de moedas resistentes à censura, como o Bitcoin.

De fato, o Bitcoin continuou a florescer nas mídias sociais desde que o Reserve Bank of Zimbabwe, o banco central do país, proibiu o comércio de criptomoedas e fechou duas exchanges em maio de 2018. Mas o comércio não morreu com a proibição.

Em vez disso, reinventou-se no Whatsapp por meio de negociações ponto a ponto. Com o tempo, os entusiastas de criptomoedas construíram fortes grupos de Whatsapp onde compartilham informações e notícias sobre os desenvolvimentos que ocorrem no setor.

Agora, eles estão usando grupos semelhantes para comprar e vender criptomoedas, utilizando conexões que já conhecem ou novas. A segurança construída nesta comunidade é fundamental para construir confiança e prevenir roubo.

Para combater a inflação, o governo do Zimbábue revelou um esquema que permite que pessoas comuns comprem moedas de ouro usando a moeda local. O plano também visa ajudar as pessoas em um país que viu a pior inflação da história, de 4 bilhões por cento, a preservar o valor.

  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedas. Confira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter, Instagram e Facebook.

Recuperando a liberdade financeira individual

Alguns países estão limpando o terreno para criptomoedas por meio de regulamentação de toque suave. Outros estão involuntariamente fazendo o mesmo ao não conter a inflação. Isso levou a um ponto de ruptura em que os cidadãos recuperam sua liberdade por meio de moedas alternativas, sendo a principal o Bitcoin.

Na Turquia, uma repressão do governo às exchanges de criptomoedas não conseguiu impedir os cidadãos de recorrerem ao BTC. A inflação no país atingiu uma alta de 24 anos de 86% em outubro. A Turquia também proibiu pagamentos de criptomoedas em 2021. De acordo com dados da LocalBitcoins, as negociações peer-to-peer do BTC no país aumentaram 51% e 40% durante o primeiro e segundo trimestres de 2022. Tudo isso aconteceu quando o valor da lira turca despencou. As pessoas recorrem a criptomoeda como um hedge de inflação.

A Chainalysis diz que os cidadãos turcos receberam US$ 192 bilhões em criptomoedas entre 2021 e junho de 2022. O país tem algumas das taxas de adoção de Bitcoin mais rápidas do mundo.

Bitcoin continua a fazer incursões em todo o mundo. Isso aconteceu por meio de políticas governamentais progressivas e crescente adoção de usuários. O fracasso das moedas fiduciárias nas economias em desenvolvimento continuará a obrigar os cidadãos a retomar a propriedade de seu dinheiro.

No ponto de inflexão da hiperbitcoinização, a visão radical de liberdade financeira e inclusão de Daniel Krawisz fará com que cidadãos de países mais pobres façam transações sem fronteiras e sem permissão.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.