Ver mais

Dados de contas telefônicas de 102 milhões de brasileiros estão à venda na dark web

2 mins
Atualizado por Caio Nascimento

EM RESUMO

  • Novo vazamento expôs dados de contas de celular de quase metade da população brasileira.
  • À venda na deep web por bitcoin, a base de dados conta com informações privadas até mesmo de Jair Bolsonaro.
  • O hacker afirmou que obteve o conteúdo a partir da base de dados das operadoras Vivo e Claro.
  • promo

Mais um megavazamento de dados aconteceu essa semana no Brasil. Desta vez, informações privadas de contas de celular de 102 milhões de brasileiros foram colocadas à venda na dark web.

Ao todo, foram 102.828.814 registros de contas de celular vazadas. Ou seja, quase metade da população brasileira teve seus dados pessoais violados e colocados à venda na dark web

Figuras de relevância nacional como o presidente Jair Bolsonaro e os jornalistas William Bonner e Fátima Bernardes, também estão entre as vítimas. 

Neste caso, os dados são de operadoras de telefonia celular. Entre as informações vazadas estão nome, RG, CPF, CNPJ, e-mail, endereço, número do telefone, tempo de duração das ligações, registro de pagamentos, valor de faturas e dívidas.

O vazamento divulgado essa semana foi descoberto pela da empresa de segurança cibernética Psafe, e vem à tona poucas semanas depois de outro megavazamento que colocou à venda dados pessoais de 223 milhões de brasileiros

No caso anterior, existe a suspeita de que os dados vazaram dos sistemas do Serasa Experian, apesar da companhia negar o ocorrido. Ao que tudo indica, no entanto, os casos não têm relação entre si, apesar das semelhanças. 

A investigação da Psafe contatou o cibercriminoso responsável pelo vazamento desta semana. Ele revelou que obteve os dados das operadoras Vivo e Claro, sendo 57,2 milhões da Vivo, e 45,6 milhões da Claro.

Entretanto, a Vivo negou ter acontecido qualquer ataque aos seus sistemas, enquanto a Claro alega que não tem conhecimento mas que vai investigar. 

Conforme relatou Marco DeMello, fundador da PSafe, ainda não é possível confirmar que os dados são das duas companhias. Contudo, ele diz estar evidente que o vazamento partiu de grandes operadoras de telefonia do Brasil.

dados dark web

Dados estão à venda por bitcoin na dark web

De acordo com a Psafe, o hacker por trás do vazamento é estrangeiro e ele estaria vendendo a base de dados de cada pessoa por US$ 1 na dark web. Os pagamentos são feitos através da criptomoeda bitcoin.

À Folha de S. Paulo, DeMello falou que o aumento do trabalho home office facilita as ofensivas dos hackers.

“Os vazamentos de dados empresariais estão cada vez mais frequentes e os colaboradores em home office têm sido o principal alvo dos cibercriminosos. É uma briga injusta para as empresas, basta um dispositivo desprotegido e uma ameaça bem sucedida para que um vazamento ocorra.”

dados dark web

ANPD vai investigar vazamento

A empresa Psafe enviou um relatório detalhado com a investigação sobre o vazamento para a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD).

Em seguida, nesta quinta-feira (11), a ANPD abriu uma investigação para apurar o vazamento e afirmou que vai notificar a Polícia Federal para auxiliar na apuração. Conforme o comunicado oficial:

“A ANPD atuará de forma diligente em relação a eventuais violações à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais – LGPD, e promoverá, com os demais órgãos competentes, a responsabilização e a punição dos envolvidos.”

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

photo_saori.jpg
Saori Honorato
Saori Honorato é jornalista e para o BeInCrypto escreve sobre os principais acontecimentos do universo das criptomoedas.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados