Criptomoedas são mais verdes do que se pensa

Compartilhar Artigo

As criptomoedas são verdes? O uso de blockchain passou por problemas públicos recentemente pelo “alto uso de carbono”: Luis Adaime, da Moss Earth, argumenta que as emissões de criptomoedas são muito menores do que o anunciado, e incrivelmente baratas de serem compensadas.

As pessoas acreditam que a tecnologia blockchain causa grandes emissões de carbono. Isso é uma bobagem.

  • Ficou com alguma dúvida? O Be[in]Crypto possui uma série de artigos para lhe ajudar a entender o universo cripto. Confira!
  • Se quiser ficar atualizado no que acontece de mais importante no espaço cripto, junte-se ao nosso grupo no Telegram!

Preparem-se para as notícias chocantes: as emissões de blockchain não são um problema para o meio ambiente.

Custa 0,05% ao ano para compensar a participação do Bitcoin, e muito menos para outras blockchains que usam a Prova de Participação (PoS), como Polygon e Celo. Estimamos que as emissões de carbono por ativo sejam 5-10x mais baixas do que o sistema financeiro tradicional.

As emissões de tokens não fungíveis (NFTs) são tão baixas que se torna quase sem sentido até mesmo compensá-las.

A Moss realizou recentemente um estudo técnico sobre emissões de carbono e as descobertas foram de que as emissões de carbono são muito menores do que o comercializado atualmente. O Digiconomist Bitcoin e/ou o índice Ethereum indicam um valor de 237 tCO2 de um único Bitcoin minerado.

Criptomoedas não são as vilãs

Mesmo no cenário mais conservador, a Moss estima que a pegada histórica de carbono de um único Bitcoin minerado é de 10,35 tCO2e. A diferença entre eles é significativa e uma das razões é que o Digiconomist não aloca o impacto ambiental entre mineração e transações. Além de considerar apenas o cenário mais conservador possível para fontes de energia.

Na minha opinião, a imprensa e as estimativas de emissões anteriores cometeram erros relevantes em suas análises, ou seja:

Eles dizem que a rede de mineração é tão poluente quanto a fonte mais perigosa. Isso é um exagero.

Os estudos atuais supõem, por serem conservadores, que toda a indústria de mineração de Bitcoin emite na rede de carbono mais intensiva disponível.

Essa suposição é excessiva e ultrapassada, pois há estudos indicando que o uso de fontes de energia sustentáveis pela indústria de mineração tornou-se bastante alto, cerca de 59% a partir de dezembro de 2021, de acordo com o Conselho de Mineração de Bitcoin. Para efeito de comparação, a Alemanha, que é uma das economias mais verdes do mundo, tem 59% de sua energia fornecida por fontes renováveis.

A indústria de mineração está alinhada com o maior uso possível de energia renovável também, já que estes se tornaram o menor custo na rede em todo o mundo. A fonte de energia mais barata atualmente é a solar, e países como a Islândia, que pode representar até 8% da mineração global de Bitcoin, têm 100% de sua rede fornecida por energia geotérmica (basicamente livre de carbono).

À medida em que as energias solar e renováveis se tornam mais baratas e abundantes, a porcentagem de mineração de Bitcoin proveniente de energia renovável continuará aumentando, levando a uma menor pegada de carbono para o uso de criptomoedas.

As criptomoedas não são tão ruins para o meio ambiente como todos pensam
Fonte: Lazard Análise de Energia de Custo Nivelado

Eles desconsideram os efeitos de rede do blockchain

As estimativas atuais consideram apenas a emissão de novos ativos, em vez de se dividir pelo número total de ativos em circulação.

A mineração de Bitcoin não é a mesma que a mineração de ouro: o proprietário marginal e a criação de Bitcoin cria utilidade para todo o sistema.

Eles olham para as emissões de blockchain como algo absoluto

Dizer coisas como “Bitcoin emite mais do que a Tailândia” muda drasticamente se o Bitcoin transacionar 10 dólares ou 10 trilhões de dólares por ano. Deve-se olhar com base no ativo ou no dólar transacionado. Compensar o Bitcoin, mesmo com os atuais números de emissões excessivamente superestimados, custaria 5% por ativo.

Acredito que deveria ser intuitivo pensar no blockchain como menos poluente do que as alternativas tradicionais.

Por exemplo, o Bitcoin (e muitos ativos cripto) funcionam como uma reserva de valor. Bem, o blockchain será obviamente menos poluente do que qualquer outra loja de valor, que são quase a todos ativos físicos e reais.

Em seu estudo “As emissões de carbono do Bitcoin de uma perspectiva de investidor”, a Escola de Frankfurt estima que para minerar o equivalente a um Bitcoin (US$ 44.000 no momento da escrita desse texto) em ouro, as emissões seriam 9x maiores. Como qualquer operação de mineração física, seria necessário abrir buracos no solo, gastar muito dinheiro com caminhões, combustível, explosivos e eletricidade para operar as máquinas.

O mesmo vale para o setor imobiliário: construir uma casa de US$ 44.000 emite de 4x a 20x a mais do que a mineração de um Bitcoin. Finalmente, o sistema financeiro tradicional certamente emite muito mais por dólar transacionado do que o bitcoin ou qualquer alternativa blockchain: pense em dinheiro fiduciário.

Há a poluição envolvida com a impressão do dinheiro, o transporte, o uso de eletricidade para milhões de agências bancárias em todo o mundo. Depois, há as emissões de uso de combustível por funcionários do setor financeiro para chegar ao trabalho. Uma estimativa aproximada das emissões do setor financeiro global é de 1 bilhão de toneladas de CO² por ano, apenas das atividades de escritório – um cálculo indireto mais abrangente de emissões por meio de empréstimos concedidos a indústrias intensivas em carbono indica um número várias vezes maior.

criptos

Há algo podre no Reino dos Bancos Centrais…

Finalmente, sugiro que pensemos em qual é a razão do sistema se concentrar tanto no blockchain. Quem estaria interessado em fazer todos nós acreditarmos que blockchain polui tanto? O sistema incumbido não menciona, por exemplo, nosso uso da internet, que a BBC estimou ser de 1,7 bilhão de toneladas por ano (ou 3,7% das emissões globais e 20x mais do que blockchain).

É claro que usando a internet e o e-mail estamos evitando a emissão de bilhões de toneladas de CO2 por ano – enviar um e-mail deve ser comparável ao envio de uma carta, compra online para dirigir até um shopping e fazer compras, etc.

Da mesma forma, deve-se também comparar o uso de blockchain e sua emissão muito menor por transação com alternativas reais do mundo físico, como manter dinheiro, registrar transações de carbono em registros incumbidos ou até mesmo usar NFTs para imóveis em vez de ir a um cartório para registrar uma transação.

O mundo do blockchain não é mais poluente do que qualquer outro processo de digitalização, é apenas novo, incompreendido e, portanto, atacado pelo sistema financeiro tradicional existente que possivelmente tem sua própria existência altamente ameaçada por essa nova tecnologia.

Sobre o autor

Luis Adaime é co-fundador e CEO da Moss. Luis trabalhou de 2012 a 2019 como gerente de portfólio e sócio de fundos de longa data da Latam Equities na Newfoundland Capital Management. Anteriormente, foi Diretor Administrativo da York Capital Management, atuando como Gestor de Portfólio para investimentos da empresa na América Latina. Antes de York, Luis foi sócio do BRZ, um fundo de hedge brasileiro, trabalhando como Analista de Commodities e Gestor de Portfólio tanto pelo seu valor quanto por fundos longos/curtos. Luis começou sua carreira trabalhando como pesquisador de instituições financeiras latino-americanas no Credit Suisse e depois mudou-se para a secretaria proprietária do banco em São Paulo. Luis é B.Sc. em Ciências gerenciais e engenharia com um graduado em Economia pela Universidade de Stanford e graduou-se com um elogio pela Phillips Academy, Andover. É natural do Brasil e é fluente em inglês, português e espanhol.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Negocie CFDs de Cripto com Zero Taxas de Comissão.      

Comece Hoje!

Crypto.com DeFi Wallet - Manage 400+ tokens, earn interest, and more      

Install

Crypto.com DeFi Wallet - Manage 400+ tokens, earn interest, and more      

Install