Ver mais

Como a Mask Network está repensando redes sociais e privacidade

7 mins
Traduzido Júlia V. Kurtz

EM RESUMO

  • A Mask Network desenvolve ferramentas blockchain que permitem aos usuários acessar dApps por meio de redes sociais.
  • O objetivo do projeto é transformar as redes sociais em um ambiente seguro e descentralizado.
  • O fundador da Mask Network, Suji Yan, pretende redefinir nossas interações digitais.
  • promo

As redes sociais descentralizadas continuam a ser um tema quente. Isso ocorre porque as preocupações com a privacidade dos dados, a censura e a influência corporativa continuam a aumentar.

As pessoas procuram mais controle sobre as suas interações digitais. É por isso que a promessa da Web3, oferecendo uma alternativa descentralizada e controlada pelo utilizador, intriga tecnólogos e usuários comuns.

Leia mais: 5 criptomoedas para ficar de olho em junho

O BeInCrypto conversou com Suji Yan, o fundador da Mask Network, para explorar o papel da Mask Network na formação do futuro das redes sociais descentralizadas.

A Mask Network desenvolve ferramentas baseadas em blockchain que permitem aos clientes realizar transações de criptomoedas e acessar aplicativos descentralizados diretamente por meio de plataformas de redes sociais. Suji Yan, cuja experiência inclui funções como engenheiro de IA e jornalista, é movido por um compromisso com a privacidade e a liberdade de expressão. Ele vê a Mask Network como uma pedra angular na criação de um ciberespaço independente onde os usuários se governam e interagem sem a supervisão corporativa tradicional. O seu ambicioso objetivo é transformar as redes sociais num ambiente seguro e descentralizado que apoie uma sociedade digital totalmente autônoma.

Desenvolvimento inicial e evolução da Mask Network

Em primeiro lugar, Suji traça as origens de sua empresa até as primeiras ideias desencadeadas pelas limitações das finanças tradicionais. “O Bitcoin é ótimo… economiza dinheiro, certo? Bitcoin é o dinheiro dos pares e o ouro digital. E o Ethereum é a máquina programável, a máquina infinita num contrato inteligente”, articula.

A sua visão, no entanto, vai além destas tecnologias pioneiras, rumo a um objetivo maior de criar uma sociedade digital totalmente autônoma.

“Meu maior sonho, minha maior perspectiva para a nossa indústria, é que eventualmente possamos nos tornar um ciberespaço independente”, explica ele, prevendo um novo tipo de governança, sociedade e plataforma de comunicação baseada na tecnologia blockchain.

“Se você quiser criar uma sociedade, você precisará de suas próprias plataformas onde as pessoas possam se reunir e conversar sem se preocupar que um dia a AWS irá matar o servidor do Facebook e você será desplataformado”.

Suji relata com entusiasmo os primeiros dias em que a Mask Network ainda estava tomando forma. A equipe, por exemplo, foi oficialmente montada em 2016, com a empresa se formando em 2017 em meio a um mercado altista com sua mania de ICO. A Mask Network, no entanto, estava interessada em construir uma visão sustentável de longo prazo.

“Fizemos muitas pesquisas. Escrevemos muitos códigos. E construímos algo que as pessoas nunca viram”, afirma, enfatizando o espírito inovador de sua equipe.

A Mask Network rapidamente conquistou o apoio de figuras-chave da comunidade blockchain. Os cofundadores do Ethereum, Vitalik Buterin e Mihai Aliesie, por exemplo, foram os primeiros usuários da extensão Mask. Este período de adoção subsequente da sua tecnologia lançou uma base sólida para as ambições da Mask Network. Isso preparou o terreno para um maior desenvolvimento e evolução contínua em direção a uma sociedade digital descentralizada.

O caminho para a descentralização de redes sociais

Além disso, Suji reconhece a jornada rumo à descentralização das redes sociais como um empreendimento de longo prazo. Refletindo sobre as discussões de 2018, por exemplo, ele observou como grandes plataformas como o Facebook flertaram com a descentralização antes de recuar.

Curiosamente, estão a revisitar estas ideias, paralelamente às experiências intermitentes do Twitter (X) com estratégias de descentralização. Inclusive, por exemplo, durante o mandato de Jack Dorsey e, agora, sob a direção de Elon Musk, que mudou o seu foco para a integração de IA.

Esta narrativa sublinha que o desenvolvimento de um conjunto abrangente de tecnologias para redes sociais descentralizadas apresenta desafios significativos. Ao contrário de aplicações financeiras mais simples no espaço blockchain, como DeFi ou exchanges de criptomoedas, que se beneficiam de métricas de sucesso claras e mensuráveis, como volume de negociação ou valor total bloqueado (TVL), as redes sociais exigem soluções complexas e diferenciadas que devem evoluir para atender às diversas necessidades dos usuários e a natureza da interação social online.

Esta complexidade torna o caminho para a descentralização inovador e repleto de aprendizagem e adaptação contínuas.

Apesar de todos os obstáculos, Suji permanece otimista em relação ao futuro. Ele traça paralelos com os primeiros dias do DeFi, que também enfrentou ceticismo e crescimento inicial lento. Além disso, prevê uma trajetória semelhante para as redes sociais descentralizadas, com a aceitação gradual levando a avanços mais significativos.

“As [redes] sociais são muito diferentes… precisam de uma série de eventos para fazer as pessoas perceberem que realmente precisamos de descentralização”, explica ele, citando momentos cruciais como o escândalo Cambridge Analytica e as recentes ações regulatórias contra o TikTok.

“Para o DeFi, foram necessários 7 anos: da história do BitShare, da história do BitUSD e depois do EOS, depois as pessoas mudaram para o Ethereum, depois o verão do DeFi. Se a história se repetir, veremos o boom das redes sociais descentralizadas em 2028, talvez em 2029”.

Assim, Suji acredita que essas mudanças fundamentais no mundo digital, catalisados por grandes eventos públicos, servem como momentos críticos que acabarão por impulsionar a adoção generalizada. A consciência e a compreensão da importância do controlo do utilizador sobre os dados pessoais aumentam, assim como a procura de soluções descentralizadas.

Iniciativas Estratégicas e Apoio ao Ecossistema da Mask Network

Além de desenvolver sua tecnologia proprietária, a Mask Network desempenhou um papel crucial no apoio a redes sociais descentralizadas e projetos de infraestrutura. Em 2021, por exemplo, a equipe iniciou a Bonfire Union – o braço de risco envolvido no financiamento de várias iniciativas. Elas incluem redes sociais, projetos de infraestrutura blockchain e outras tecnologias inovadoras que se alinham com o espírito descentralizado da Mask Network.

A Bonfire Union investiu em uma ampla gama de projetos, incluindo:

  • Lens Protocol — um gráfico social de código aberto baseado em blockchain criado para remodelar o futuro dos conceitos de mídia social.
  • Orbiter Finance — uma ponte descentralizada de rollup cruzado para transferência de ativos nativos do Ethereum.
  • Alt Layer — um provedor de serviços rollup aberto e descentralizado.
  • GoPlus — uma plataforma de serviços de segurança aberta, sem permissão e orientada pelo usuário.
  • Sonorus — um protocolo descentralizado de votação e recompensas musicais.
  • Oasys — um blockchain ecológico criado para a comunidade de jogos.
  • RSS3 — uma rede descentralizada de indexação e estruturação de informações abertas.

“O AUM da Bonfire Union ultrapassa US$ 100 milhões agora, mas quando o lançamos, era de apenas US$ 42 milhões”, reflete Suji. “Há muitas outras coisas sociais em que investimos: redes sociais descentralizadas, infraestrutura. VC financeiro, eles não veem o que está acontecendo. Mas acreditamos cedo e verdadeiramente, por isso sabemos que há muitas coisas que faltam nesta indústria”.

Além disso, a Mask também se tornou um dos maiores contribuidores do Mastodon, uma rede social descentralizada e federada, e um dos principais acionistas do Lens Protocol, demonstrando uma abordagem estratégica para estimular o crescimento do ecossistema.

O compromisso da Mask Network vai além dos investimentos financeiros. Em dezembro de 2023, por exemplo, a Mask criou uma entidade sem fins lucrativos, a Mask Network Academy. Ela fornece apoio financeiro e tecnológico às melhores universidades e programas de jornalismo do mundo para promover a pesquisa e a narração de histórias na Web3.

“Nós nos envolvemos ativamente com instituições educacionais em todo o mundo para promover uma compreensão mais profunda do blockchain e das tecnologias descentralizadas”, explica Suji.

“Por exemplo, fizemos uma parceria com a Universidade de Ciência e Tecnologia de Hong Kong e apoiamos a Universidade da Coreia, com foco em incentivar jovens estudantes a explorar aplicações descentralizadas. Consideramos crucial apoiar estes esforços educacionais através de doações, como a que fizemos à Fundação UOPI, utilizando criptomoedas para facilitar estas contribuições. Nosso objetivo não é apenas financiar, queremos inspirar e colaborar com a próxima geração de inovadores que possam levar adiante a visão de um futuro descentralizado”.

Assim, esta dedicação à educação e ao desenvolvimento destaca a abordagem holística da Mask Network para o avanço do ecossistema Web3. Ao fornecer apoio financeiro e oportunidades práticas, garantem que os talentos emergentes tenham os recursos e o conhecimento necessários para terem sucesso na definição de um futuro digital mais descentralizado e transparente.

Nova Era de Interações Sociais

Suji acredita que ainda é muito cedo para avaliar completamente o impacto dos seus esforços. Ele observa que muitos na indústria ainda precisam de APIs, infraestrutura ou soluções SaaS.

Em resposta, a Mask Network planeia oferecer um apoio significativo, fornecendo infraestrutura gratuita ao seu ecossistema, que ainda não foi anunciado publicamente.

Esta iniciativa cobrirá os custos de servidores e de taxas. Portanto, isso permitirá que projetos emergentes dentro da sua rede se desenvolvam sem barreiras financeiras durante o primeiro ano.

O fundador da Mask Network explicou que, embora a empresa não possa cobrir custos excessivos para projetos que garantam financiamento substancial, a equipe comprometeu-se a abrir uma porta de entrada para aqueles que ainda estão nas fases financeiras iniciais. Este suporte inclui, por exemplo, SaaS gratuito e outros recursos da Mask Network e seu DAO, eliminando o fardo das taxas de gás e permitindo que os desenvolvedores se concentrem na inovação e no aprendizado.

Sob a liderança de Suji Yan, a Mask Network pretende ser mais do que apenas um fornecedor de tecnologia. Eles estão profundamente envolvidos na elaboração de uma estrutura descentralizada para interações sociais, onde a privacidade, a segurança e a autonomia do usuário são fundamentais. Suji enfatiza a importância desta missão com suas próprias palavras:

“Nossa visão na Mask Network é promover um ambiente onde a soberania digital seja a norma, não a exceção. Estamos construindo ferramentas que permitem aos indivíduos controlar seus próprios dados, comunicar-se livremente sem censura e realizar transações seguras sem intermediários”.

Através do desenvolvimento contínuo de produtos, iniciativas comunitárias e parcerias estratégicas, por exemplo, a Mask Network está lançando as bases para o que Suji acredita que será a próxima grande evolução na forma como interagimos online. A integração de soluções avançadas de blockchain nas funcionalidades diárias das redes sociais está abrindo caminho para um futuro em que as interações digitais serão tão seguras e privadas quanto onipresentes.

Por fim, o compromisso de Suji com esta visão é claro à medida que ele conduz a Mask Network em direção a um mundo onde as tecnologias descentralizadas redefinem as nossas interações digitais, tornando-as seguras e centradas no usuário.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Julia.png
Júlia V. Kurtz
Editora-chefe do BeInCrypto Brasil. Jornalista de dados com formação pelo Knight Center for Journalism in the Americas da Universidade do Texas, possui 10 anos de experiência na cobertura de tecnologia pela Globo e, agora, está se aventurando pelo mundo cripto. Tem passagens na Gazeta do Povo e no Portal UOL.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados