Colecionadores de NFTs: uma linha tênue entre hype e tédio

Os colecionadores de NFTs e seu comportamento estão sob os holofotes. Um estudo de ciência cognitiva mostra como os colecionáveis digitais podem perder seu brilho rapidamente.

Os tokens não fungíveis (NFTs) já foram a moda da vez, embora as coisas sejam diferentes agora, durante o inverno cripto. Mesmo assim, os colecionadores gastaram grandes somas de dinheiro em NFTs. Em alguns casos, milhões de dólares, apenas pelo direito de possuir uma imagem digital.

Os pesquisadores decidiram que esse frenesi alimentar era uma rara oportunidade de estudar a maneira como os humanos se adaptam ao novo mercado. E eles queriam descobrir como as pessoas atribuem valor a diferentes tipos de ativos.

Jordan Suchow é um cientista cognitivo do Stevens Institute of Technology. “Como os registros de negociação da NFT são públicos, eles oferecem uma chance notável de vermos por que as pessoas percebem os itens colecionáveis como valiosos e como essas percepções mudam ao longo do tempo”.

Bored Ape Yatcht Club

Suchow e sua equipe fizeram o primeiro estudo cognitivo de negociação NFT. O estudo se concentrou nos proprietários dos NFTs do Bored Ape Yacht Club (BAYC).

Cada Bored Ape é único e, portanto, igualmente raro. E, no entanto, alguns recursos são comuns. Um macaco em um suéter listrado é mais comum, portanto, potencialmente menos valioso do que outro macaco usando, digamos, brincos ou terno.

Diz Suchow:

“É um pouco como colecionar selos: os selos impressos na mesma tiragem parecem todos iguais, então se houver um erro de impressão ou algum outro recurso raro que diferencia um selo, as pessoas pagarão muito mais por isso”.

Quando os NFTs Bored Ape começaram a ser negociados, os macacos com características raras eram procurados. Mas isso distorceu a paisagem: macacos raros tornaram-se mais valiosos, mas também mais amplamente discutidos. Logo, eles estavam por toda parte.

Diz Suchow: “Hoje, um recém-chegado ao comércio do Bored Ape vê esses macacos raros em todos os lugares e percebe que eles são muito mais comuns do que são de fato. Isso cria um quebra-cabeça: como se pode esperar que as pessoas aprendam sobre uma nova categoria quando sua experiência nessa categoria é dominada pelos exemplos mais raros?”.

A equipe de Suchow encontrou os recursos mais raros e comuns nos NFTs BAYC. Eles então mapearam suas descobertas no valor relativo dos NFTs BAYC ao longo do tempo.

Resultados

Os pesquisadores dizem que os resultados foram surpreendentes:

“Embora a raridade estivesse fortemente correlacionada com o valor nos primeiros dias de negociação do Bored Ape, a conexão praticamente desapareceu quando um influxo de recém-chegados começou a negociar as NFTs. Mostramos que o foco na raridade pode se tornar autodestrutivo – se você deseja manter o valor, precisa garantir que as pessoas não vejam apenas os itens mais raros em uma determinada categoria”.

Os pesquisadores dizem que o estudo pode desencadear um repensar sobre como os mercados online são projetados. Também pode levar investidores individuais a dar menos valor a itens raros em novos mercados.

Curiosamente, os pesquisadores descobriram que alguns recursos raros do NFT, como fundos incomuns, mantiveram seu valor ao longo do tempo. Outros, como a cor do pelo do macaco, rapidamente perderam valor.

Mas por que alguns recursos continuam sendo valiosos enquanto outros não?

Diz Suchow: “A coisa excitante aqui é que revelamos um princípio geral: essa demanda por raridade é autodestrutiva. Isso deve ser amplamente aplicável, então a grande questão agora é se podemos observar esse efeito em outras categorias de itens colecionáveis também”.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.