Ver mais

Chainalysis prevê crescimento no mercado de games web3

6 mins
Atualizado por Júlia V. Kurtz

Apesar das mudanças no mercado do ano passado e do hack do Axie Infinity em março de 2022, o entusiasmo em torno dos jogos blockchain continua alto. A conclusão está em um relatório sobre games blockchain publicado pela Chainalisys.

Conforme a plataforma de dados blockchain, os participantes valorizam a tecnologia porque oferece aos usuários oportunidades únicas de ganhos financeiros não disponíveis em jogos tradicionais. E os analistas prevêem investimentos significativos em jogos blockchain na próxima década. 

Quando o Axie Infinity chegou em 2020, explodiu e ganhou fãs no mundo muito rápido. O jogo se tornou o maior game web3 do planeta, posto que ocupa até hoje.

Apesar de um hack de US$ 600 milhões em seu protocolo de ponte cross-chain em março de 2022 , a maior indústria de entretenimento do globo quer saber como blockchains, videogames e metaversos podem se cruzar para criar novos paradigmas econômicos no universo de games, que beneficia jogadores e empresas.

A Chainalisys acredita que a partir de agora, o interesse em jogos blockchain não mostra sinais de arrefecimento– ao contrário, o sentimento e previsão é de ascensão.

De acordo com um relatório da Allied Market Research , o mercado de 2022 foi avaliado em US$ 4,83 bilhões e estima-se que cresça 68% até 2030.

Leia mais: 4 criptomoedas que podem atingir novas máximas em julho de 2024

NFTs e jogos

Nos jogos baseados em blockchain, os NFTs representam ativos digitais exclusivos que os jogadores adquirem, utilizam no jogo e podem negociar com outros usuários e colecionadores.

Esses ativos são geralmente produzidos em quantidade limitada, criando uma escassez digital que eleva seu valor. Alguns NFTs são interoperáveis, podendo ser transferidos para outros jogos, exemplificando a conectividade dentro dos ecossistemas de jogos blockchain. A propriedade desses NFTs na blockchain, impede duplicatas e garante sua autenticidade. 

A Chainalysis usou o ranking da OpenSea, para gerar o gráfico acima que mostra as dez principais coleções de NFT de jogos blockchain por volume de transações entre junho de 2022 e outubro de 2023.

Desde o hack do Axie Infinity, problemas de confiança no mercado no final de 2022, quebras de exchanges como a FTX e inverno cripto, o frenesi de compra de NFT diminuiu.

Jogos do metaverso

Os dados mostram que quando se trata de games populares no metaverso com blockchain, para a Chainalysis, Decentraland é um excelente exemplo. 

Neste metaverso baseado em Ethereum, os jogadores usam tokens no mundo virtual para criar personas, comprar terrenos (representados por NFTs) e até desenvolver experiências virtuais como shows ou galerias de arte para outros jogadores desfrutarem. Os jogadores também podem gerar renda alugando ou vendendo seus terrenos virtuais. 

Governado por uma DAO , para votar e participar das questões do Decentraland  é preciso ter MANA , o token nativo do jogo.  

Usando as ranking OpenSea , o gráfico acima mostra as dez principais coleções NFT do mundo virtual por volume de transações de junho de 2022 a outubro de 2023, com Otherdeed for Otherside o líder absoluto. 

Play to Earn ou Jogue para ganhar

Uma grande vantagem dos jogos blockchain em relação aos tradicionais são os incentivos play-to-earn (P2E) – a capacidade de ganhar tokens cripto nativos ou NFTs por meio do jogo ou do tempo gasto em um jogo blockchain.

Em jogos P2E, como o Axie Infinity, os usuários podem negociar esses ativos com outros jogadores no jogo ou vendê-los em mercados NFT descentralizados. Ao fornecer incentivos financeiros, os jogos cripto P2E atraem jogadores e os mantêm investindo no game.

Os tokens são convertíveis em moedas fiduciárias.

Propriedade de ativos no jogo

No modelo de jogo do metaverso, os jogadores podem comprar e vender ativos do jogo, como NFTs. A capacidade de fazer isso permite aos participantes mais controle sobre sua experiência de jogo, em total contraste com os tradicionais. 

Usando redes descentralizadas, os jogos blockchain protegem os ativos dos jogadores por meio de criptografia e, como esses jogos não residem em servidores centralizados, é mais desafiador para os cibercriminosos hackear ativos ou tokens dos jogadores. 

A transparência dos registros da blockchain também ajuda a todos acompanharem seus ativos e transações, reforçando um senso de propriedade que não está presente nos videogames normais, destaca a plataforma de dados blockchain.

Como o blockchain pode melhorar os jogos

Nos jogos tradicionais, a empresa que desenvolveu o jogo controla todos os dados e servidores associados; é um ecossistema fechado. Portanto, se a empresa decidir encerrar o jogo, os jogadores perdem a voz, ressalta a Chainalysis

Por outro lado, quando os ativos e dados do jogo são armazenados em blockchain, o jogo é mais resiliente. E enquanto um jogo tradicional depende de modelos de assinatura ou compra de ativos que os jogadores não podem levar consigo, o modelo em blockchain permite aos usuários ganhar e possuir ativos que ficarão com eles. E podem usá-los em outros jogos ou mundos virtuais. Como os jogos blockchain dão aos usuários controle sobre os ativos, tornam a experiência mais atraente do que os tradicionais, aponta o relatório.

Além dessa vantagem, a natureza descentralizada dos jogos blockchain incentiva mais participação da comunidade e investimento pessoal. 

Outra vantagem dos jogos cripto é que, como blockchains são transparentes e imutáveis, ninguém pode enganar o sistema, o que aumenta a confiança do usuário. Os contratos inteligentes verificam a atividade do jogo por meio de criptografia, garantindo que o jogo seja justo.

Limitações e desafios dos projetos de jogos blockchain

A Chainalysis explica que existem limitações quando o assunto é a experiência do usuário (UX). Entre elas, a falta de conhecimento de criptoativos por parte do jogador.

Os jogos blockchain podem ser frustrantes porque a compra de ativos no jogo exige a realização de transações cripto. Como isso ainda não é de conhecimento comum na sociedade atual, representa uma barreira de entrada para algumas pessoas.

A escalabilidade da rede também foi citada. Especialmente a Ethereum, onde há muitos jogos blockchain. O congestionamento da rede pode causar atrasos quando são necessárias transações, o que pode desencorajar os usuários.  

Quando a rede está congestionada, as taxas de transação também aumentam, frustrando os usuários e tornando os jogos mais caros. 

Qualquer problema técnico na rede blockchain pode afetar negativamente o jogo.

“Do ponto de vista gráfico, os jogos blockchain ficam atrás da sofisticação dos jogos tradicionais, assim como os enredos e a complexidade dos jogos. Esperamos que os jogos blockchain superem esse desafio à medida que mais inovações ocorrem com aplicativos descentralizados (dApps).”, observa o texto

Jogos Blockchain para desenvolvedores

Desenvolver jogos blockchain envolve diversas considerações, desde a escolha da plataforma até aspectos regulatórios e de design. Além da Ethereum, outras blockchains oferecem vantagens para o desenvolvimento de NFTs.

Aspectos como compreensão das regulamentações regionais, habilidade na criação de contratos inteligentes, planejamento de receitas e conhecimento em design e cunhagem de NFTs são cruciais.

Priorizar o design gráfico e a jogabilidade é fundamental para se destacar no competitivo cenário dos jogos blockchain. A integração com finanças descentralizadas (DeFi) é inevitável para proporcionar mais oportunidades para desenvolvedores experientes nessa área.,observa o levantamento.

Tutoriais claros para jogadores e documentação para desenvolvedores, aliados à segurança robusta, são essenciais para o sucesso, uma vez que fica difícil de recuperar a confiança dos usuários após possíveis scams, exploits e hacks.

O que o futuro reserva para os jogos blockchain?

Para que os jogos blockchain evoluam e cresçam, o ecossistema deve considerar algumas questões, que a Chainalysis listou:

  • Como os desenvolvedores poderiam educar e incentivar os jogadores de videogame tradicionais a experimentar jogos cripto? 
  • Que tipos de políticas os projetos de jogos blockchain poderiam adotar para dar às pessoas um controle ainda maior sobre seus próprios dados de jogos? 
  • Como os desenvolvedores de jogos blockchain podem priorizar a interoperabilidade para que os jogadores possam se mover com mais facilidade entre jogos e redes cripto? 
  • Como as DAOs podem governar os projetos de jogos do metaverso ou evangelizar os jogos blockchain de uma forma que incentive uma maior adoção?

O apoio do setor público é fundamental para assuntos como proteção aos consumidores. A participação dos reguladores em considerar que tipo de legislação para os criptoativos  protegerá melhor jogadores de games blockchain sem prejudicar a inovação para projetos e desenvolvedores de jogos web3, foram citados.

E a aplicação da lei deve considerar se as pessoas devem ser processadas pelos crimes que os seus avatares cometem no metaverso. 

Para alguns hoje, essa possibilidade pode parecer distante. No entanto, os ambientes de jogos de realidade virtual no mundo web2 já enfrentam dificuldades para lidar com coisas como o assédio sexual no metaverso, lembra a Chainalysis.

Em última análise, para que os projetos de jogos blockchain ganhem popularidade e uma maior participação na cripto-economia, é necessária uma educação mais básica sobre web3 para que os jogadores tradicionais se sintam confortáveis ​​o suficiente para experimentar jogos cripto. Incentivos também aumentarão a base de usuários.

E, o mais importante, os jogos devem ser divertidos., concluí o texto.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

aline.jpg
Aline Fernandes
Aline Fernandes atua há 20 anos como jornalista. Especializada nas editorias de economia, agronegócio e internacional trabalha na BeINCrypto como editora do site brasileiro. Já passou por diversas redações e emissoras do país, incluindo canais setorizados como Globo News, Bloomberg News, Canal Rural, Canal do Boi, SBT, Record e Rádio Estadão/ESPM. Atuou também como correspondente internacional em Nova York e foi setorista de economia dentro do pregão da BM&F Bovespa, hoje B3 -...
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados