Ver mais

CEO da Mirror Trading pagará restituição recorde por esquema cripto. Saiba quanto

3 mins
Por Josh Adams
Traduzido Thiago Barboza

EM RESUMO

  • Uma empresa sul-africana e seu CEO estão sob ordens de um tribunal dos EUA para pagar uma multa bilionária pela execução de um golpe de Bitcoin.
  • O golpe prometia ganhos significativos por meio de uma pool de commodities, bem como de um trading bot inexistente. A pena civil é a mais alta já ordenada pela Commodity Futures Trading Commission (CFTC).
  • A pena civil é a mais alta já ordenada pela Commodity Futures Trading Commission (CFTC).
  • promo

Em 6 de setembro, o juiz David A. Ezra emitiu uma ordem de consentimento contra a Mirror Trading International (MTI), anunciou a Commodity Futures Trading Commission (CFTC) no dia seguinte.

O tribunal considerou a MTI culpada de fraude cambial, fraude de operadora de pool de commodities, violações de registro e não conformidade regulatória.

Leia mais: 4 criptomoedas que podem atingir novas máximas em julho de 2024

O caso ganhou notoriedade como o maior esquema de pirâmide da África do Sul.

Mirror Trading International pagará uma multa monetária civil recorde

A ordem de consentimento do juiz de 7 de setembro, um acordo aprovado pelo tribunal entre as duas partes em disputa, leva ao encerramento do caso que se arrastava na justiça.

Em 24 de abril, o Tribunal Distrital dos EUA do Distrito Ocidental do Texas emitiu uma sentença à revelia contra Cornelius Johannes Steynberg, fundador e CEO da MTI. Ambas as ordens resultam de uma reclamação da CFTC apresentada em 30 de junho de 2022.

As autoridades acusaram a empresa e seu CEO, Cornelius Johannes Steynberg, de fraude em grande escala envolvendo Bitcoin. A MTI operava um pool de commodities fraudulentas que prometia às vítimas ganhos significativos ao reunir seus ativos.

CEO da Mirror Trading pagará restituição recorde por esquema cripto. Saiba quanto
Steynberg pagará uma pena recorde para socorrer suas vítimas. Fonte: Facebook/Investigadores do IRS

A fraude conseguiu capturar pelo menos 23 mil vítimas, segundo a CFTC. No total, o MIT coletou mais de 29.421 BTC, no valor de mais de US$ 760 milhões a preços de hoje.

No entanto, no final do período relevante, a criptomoeda valia ainda mais: uns colossais 1,7 bilhões de dólares. Infelizmente, os réus se apropriaram indevidamente de cada bitcoin (BTC) que aceitaram dos participantes da pool.

Como resultado, o juiz Ezra ordenou que a MTI e Steynberg pagassem mais de 1,7 bilhões de dólares em restituição às vítimas. A pena é a mais alta pena monetária civil ordenada pela CFTC.

As pools legítimas de mercadorias funcionam como um fundo de investimento de grupo onde os indivíduos concordam em reunir os seus ativos para obter ganhos financeiros.

No caso do MTI, foram prometidos às vítimas grandes ganhos com um trading robotizado que faria investimentos em seu nome. No entanto, o trading bot não existia.

Os criminosos muitas vezes escolhem o Bitcoin por seu pseudônimo

“Os fraudadores fizeram as promessas mais modernas, alegando que seu ‘Software de Inteligência Avançada com Bitcoin como moeda base’ criaria uma riqueza incalculável para os investidores, mas na verdade estavam cometendo uma forma clássica de fraude, um golpe de marketing multinível”, disse o Diretor de CFTC de Execução Ian McGinley.

Os criminosos muitas vezes favorecem criptomoedas como o Bitcoin. Exploram o seu pseudonimato, que lhes permite realizar transações sem revelar diretamente as suas verdadeiras identidades. Isto pode tornar mais fácil ocultar ganhos ilícitos.

Ao contrário do anonimato completo, onde as ações não podem ser rastreadas, o pseudonimato vincula as transações a um pseudônimo digital. No entanto, este pseudónimo digital pode, em alguns casos, ser rastreado até ao indivíduo com dados e esforço suficientes.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedas. Confira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Thiago-Barboza-red1.png
Thiago Barboza
Thiago Barboza é graduado em Comunicação com ênfase em escritas criativas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Em 2019 conheceu as criptomoedas e blockchain, mas foi em 2020 que decidiu imergir nesse universo e utilizar seu conhecimento acadêmico para ajudar a difundir e conscientizar sobre a importância desta tecnologia disruptiva.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados