CEO da Binance critica bloqueio a clientes da Rússia: “não é ético”

Atualizado por Júlia V. Kurtz
EM RESUMO
  • O CEO da Binance diz que impor sanções a todos os cidadãos russos é injusto, já que muitos não apoiam a guerra contra a Ucrânia.
  • Kraken e Coinbase se recusaram a impor proibições a usuários não sancionados.
  • Criptomoedas sofrem de problemas de liquidez que tornam improvável a sua substituição por uma moeda fiduciária.
  • promo

    Comece agora a ganhar até 8% anuais com o novo programa de Staking da Stormgain!Entre hoje no nosso Telegram!

O CEO da Binance, Changpeng ‘CZ’ Zhao, disse na quarta-feira (2) que considera “antiético” a exchange sancionar todos os cidadãos da Rússia.

O CEO da Binance diz que evitar sanções não é uma “questão específica de cripto”, descartando a pressão para impedir que clientes da Rússia usem a plataforma Binance. Changpeng ‘CZ’ Zhao disse em uma entrevista recente à Bloomberg que a empresa obedeceu aos mandatos dos governos internacionais para impor limites aos clientes sancionados.

  • Ficou com alguma dúvida? O Be[in]Crypto possui uma série de artigos para lhe ajudar a entender o universo cripto. Confira!
  • Se quiser ficar atualizado no que acontece de mais importante no espaço cripto, junte-se ao nosso grupo no Telegram!

CZ disse que a ampliação das sanções a todos os cidadãos russos é “antiética”. As empresas de criptomoedas seguem as mesmas regulamentações que os bancos.

Ele enfatizou que a Binance segue os requisitos de sanções com rigor. “Quem estiver na lista de sanções não poderá usar nossa plataforma; para quem não é, eles podem”, disse Zhao.

“Não é nossa decisão fazer congelar contas de usuários. O Facebook não baniu os usuários russos. O Google não baniu os usuários russos. O Google não bloqueou a Rússia. Os EUA não fizeram isso.”

Russos sancionados foram restritos

O presidente Joe Biden teria discutido sanções com exchanges de criptomoedas recentemente.

Em resposta aos apelos do vice-primeiro-ministro da Ucrânia no domingo, que pedia para bloquear as contas de câmbio de criptomoedas dos russos, o CEO da Kraken, Jesse Powell, disse que, embora respeite os cidadãos ucranianos, não é justo proibir todos os russos de usarem a plataforma sem uma base legal.

Um porta-voz da Binance também observou que o mais importante para eles é a resistência à censura. A Coinbase também se recusou a bloquear os russos, que não são alvo de sanções.

CZ demonstrou preocupações éticas semelhantes: “Além disso, do ponto de vista ético, muitos russos não apoiam a guerra, por isso devemos separar os políticos do povo normal.” Em contraste, uma exchange ucraniana da NFT disse ter cortado todos os laços com a Rússia e seu vizinho, a Bielorrússia.

Mercado cripto não é regulamentado

Embora os mercados cripto não sejam regulamentados, os reguladores dos EUA e da União Europeia estão procurando se fortalecer diante das proibições criadas por conta da invasão da Ucrânia pela Rússia.

Zhao disse que a Binance emprega verificações abrangentes dos usuários, garantindo que os endereços sancionados não possam transacionar em sua plataforma.

Todas as exchanges de criptomoedas estão sujeitas às mesmas regulamentações antilavagem de dinheiro dos bancos, adicionando uma rede de segurança. Deve-se lembrar também que todas as transações são feitas usando apenas os pseudônimos. Os endereços de carteiras podem ser vinculados a indivíduos por meio de métodos forenses.

Cripto tem problemas de liquidez

A narrativa de que a Rússia poderia usar cripto para escapar das sanções tem algumas falhas, sendo a maior delas a do problema da liquidez. Não é fácil encontrar uma exchange de criptomoedas para comprar. O par de negociação rublo-bitcoin tem uma liquidez máxima de US$ 200.000, nas maiores exchanges do mundo.

Isso está longe dos US$ 50 bilhões que passam pela Rússia diariamente, então mover grandes quantidades de criptomoedas para substituir isso não é trivial e altamente improvável.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.