Ver mais

Carteira de Bitcoin inativa movimenta US$ 535 milhões em BTC após 5,5 anos

2 mins
Traduzido Júlia V. Kurtz

EM RESUMO

  • Uma carteira de Bitcoin movimentou US$ 535,64 milhões em BTC após quase 6 anos de inatividade.
  • Esses movimentos geralmente sinalizam uma possível volatilidade do mercado.
  • O preço do Bitcoin caiu quase 5%, movimentando mais de US$ 255 milhões em todo o mercado cripto.
  • promo

Uma carteira de Bitcoin que estava dormente há anos ressurgiu ao movimentar 8.000 BTC, no valor de cerca de US$ 535,64 milhões, após quase seis anos de latência.

A carteira, que remonta a meados de 2018, transferiu os ativos para vários endereços, incluindo um depósito da Binance, quando o BTC caiu.

Carteira de Bitcoin movimenta US$ 535 milhões

Na terça-feira (11), durante as primeiras horas da sessão dos EUA, uma carteira inativa movimentou sua primeira transação após 5,5 anos de inatividade. Assim, o endereço da carteira transferiu 8.000 BTC do armazenamento frio da Coinbase, mostram os dados da Akrham. O valor dos ativos transferidos era de US$ 535,64 milhões até o momento da publicação.

Carteiras de Bitcoin inativas, que são endereços que não mostram atividade por longos períodos, podem causar alvoroço quando se tornam ativas de repente, especialmente com grandes transferências. Os analistas geralmente veem esses movimentos como indicadores de baixa. Isso sugere que os grandes detentores, portanto, estão fazendo caixa com suas participações.

Leia mais: 4 criptomoedas que podem atingir novas máximas em julho de 2024

O mais intrigante é que a carteira inativa se reativou em meio a uma queda contínua do preço do BTC, que agora caiu quase 5%. Essa turbulência no mercado levou a liquidações que totalizaram mais de US$ 255 milhões em todo o mercado cripto, sendo que US$ 235 milhões eram posições longas.

Carteira inativa de BTC
Carteira inativa ressurge. Fonte: Arkham

Os dados da CryptoQuant revelam que, em 10 de junho, a dormência média do Bitcoin era de 9,3098. Essa métrica mostra o número médio de dias destruídos de moedas movimentadas, aumentando quando os detentores de longo prazo movimentam ou vendem suas moedas, o que pode sinalizar uma possível queda de preço.

Gigantes de BTC despertam

Em 21 de maio, uma carteira de Bitcoin inativa de 2013 foi reativada, transferindo US$ 7,6 milhões em BTC após quase 11 anos de inatividade. Conforme mostrado no gráfico, essa transação coincidiu com uma queda subsequente do preço do Bitcoin, passando da faixa de US$ 70.000 para US$ 67.000. É evidente, portanto, que os grandes detentores que transferem suas participações para as exchanges geralmente causam flutuações de preço, normalmente favorecendo os baixistas.

Média de dormência do Bitcoin
Dormência média do Bitcoin. Fonte: CryptoQuant

No entanto, alguns especialistas, incluindo o embaixador do Bitcoin Javier Bastardo, da Bitfinex, contestam essa suposição. Ele acredita que as atividades das baleias Bitcoin inativas não teriam um impacto significativo no mercado.

“Não acho que esse seja um movimento significativo que afetará ou influenciará o preço do BTC. No entanto, é importante que os usuários entendam que há um número significativo de investidores de longo prazo que estão prontos para manter suas posições no BTC por anos”, disse Bastardo ao BeInCrypto.

No momento em que este artigo foi escrito, o Bitcoin era negociado a US$ 66.449, uma queda de quase 5% nas últimas 24 horas.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Julia.png
Júlia V. Kurtz
Editora do BeInCrypto Brasil, a jornalista é especializada em dados e participa ativamente da comunidade de Criptoativos, Web3 e NFTs. Formada pelo Knight Center for Journalism in the Americas da Universidade do Texas, possui mais de 10 anos de experiência na cobertura de tecnologia, tendo passado por veículos como Globo, Gazeta do Povo e UOL.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados