Ver mais

C&A fecha parceria com startup brasileira para uso da blockchain

2 mins
Atualizado por Paulo Alves

EM RESUMO

  • A C&A Brasil realizou uma parceria com a startup brasileira Blockforce.
  • Empresa quer gravar informações das peças na blockchain.
  • Consumidores poderão consultar histórico do produto.
  • promo

A C&A Brasil realizou uma parceria com a startup Blockforce, especializada em pesquisas e desenvolvimentos com a blockchain, sediada em São Paulo.

A C&A, uma das maiores redes varejistas atuantes no país, pretende utilizar a blockchain para realizar uma total integração entre o seu sistema de armazenamento de dados e produção com os sistemas de seus fornecedores.

O objetivo é utilizar a rede para intensificar o monitoramento das peças de suas coleções e o de melhorar a comunicação com os seus fornecedores.

Para isso, a companhia escolheu a Blockforce, startup brasileira que possui entre as suas especialidades, a de oferecer “ferramentas de blockchain desenvolvidas para otimizar processos e ampliar o impacto de negócios”.

Através da parceria, a C&A espera que as informações de cada unidade de suas peças sejam armazenadas na rede que surgiu com o Bitcoin, com promessa de dar mais praticidade e agilidade à cadeia de produção e distribuição dos produtos.

A empresa ainda destacou que espera que mais de 50% de seus produtos feitos no Brasil já estejam com informações inseridas na blockchain até o fim de 2021.

As informações de cada peça, como matérias primas, procedência e detalhes da cadeia de produção, ainda estariam disponíveis para os seus consumidores finais. Entretanto, a C&A ainda não revelou como os seus clientes poderão acessar esses dados.

blockchain brasil

A blockchain tem ganhado cada vez mais espaço em grandes marcas do varejo, em diversos segmentos. Uma das utilidades para o consumidor está no acesso a dados mais confiáveis sobre o histórico do produto, o que permitiria, em tese, descobrir se determinada peça tem origem em exploração ambiental ou trabalho escravo.

A C&A nunca foi acusada de envolvimento com escravidão contemporânea. No entanto, em 2014, a empresa foi condenada por aplicar jornada excessiva, não pagar horas extras descumprir descanso remunerado e intervalo para refeições.

Recentemente, marcas de luxo como a Prada e Louis Vuitton também adotaram a blockchain em uma iniciativa conjunta para combater a pirataria na moda. No Brasil, o grupo Carrefour também tem utilizado a tecnologia para aprimorar sua cadeia de suprimentos, rastreando alimentos distribuídos no estado de São Paulo.

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

4d198a1c7664cbf9005dfd7c70702e03.png
Anderson Mendes
Membro ativo da comunidade de criptoativos e economia em geral, Anderson é formado pela Universidade Positivo, e escreve sobre as principais notícias do mercado. Antes de entrar para a equipe brasileira do BeInCrypto, Anderson liderou projetos relacionados à trading, produção de notícias e conteúdos educacionais relacionados ao mundo cripto no sul do Brasil.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados