Bitcoin btc
$ usd

Apoiadores continuam defendendo stablecoins algorítmicas após colapso da Terra

3 mins
Atualizado por Anderson Mendes

EM RESUMO

  • Entusiastas DeFi argumentam que ainda há um lugar para as stablecoins algorítmicas, apesar da queda da Terra.
  • No entanto, um especialista diz que você precisa de uma boa dose de otimismo para acreditar no futuro dessa modalidade de stablecoin.
  • Justin Sun defendeu a Terra e divulgou a stablecoin USDD da Tron em uma recente entrevista à Bloomberg.
  • promo

Entusiastas de finanças descentralizadas (DeFi) continuam a defender as stablecoins algorítmicas, apesar do recente colapso da Terra e da apreensão geral em torno desses ativos.

Após a queda do TerraUSD (UST), apoiadores do setor DeFi acreditam que as stablecoins algorítmicas continuam acreditando que essa modalidade de ativo faz parte do futuro de toda essa indústria, recusando-se a descartá-las.

“Um ativo estável existirá nos próximos cinco a sete anos”, diz Hassan Bassiri, que trabalha para a Arca, um patrocinador da rede Terra.

As stablecoins algorítmicas são um subconjunto de stablecoins, ou ativos digitais especiais atrelados a alguma moeda fiduciária. Para manter sua vinculação à moeda fiduciária, os emissores normalmente mantêm fundos capazes de satisfazer saques em larga escala de detentores que desejam trocas seus ativos por moeda fiduciária.

Pelo menos, essa é a teoria. As stablecoins algorítmicas, por outro lado, dependem de uma mistura de contratos inteligentes e códigos para manter sua vinculação ao ativo que ela se propoe a ter paridade.

“Se você realmente quer fazer essas coisas, precisa ter essa habilidade técnica realmente afiada, mas também esse olhar louco e maravilhoso em seus olhos”, diz Tarun Chitra, CEO de uma plataforma de modelagem financeira de criptomoedas, a Gauntlet.

Colapso da Terra

A Terraform Labs, empresa por trás do UST e do token Terra (LUNA), contou com depósitos feitos no protocolo Anchor, uma espécie de banco de criptomoedas, para manter o equilíbrio entre os ativos. A organização estava oferecendo rendimentos anuais de 20% para tokens Terra em staking, incentivando os investidores a investir UST com fundos possibilitados por verificações de estímulo após a pandemia do COVID-19.

Altos rendimentos dependem de grandes depósitos. No entanto, quando o dinheiro do estímulo secou após os bancos centrais interromperam os programas de estímulo, o investimento em projetos descentralizados, incluindo o UST, começou a cair, removendo um pilar crítico das finanças descentralizadas: o volume transacional de entrada e saída. No entanto, transações envolvendo UST também estavam acontecendo em outros lugares do mercado DeFi.

O primeiro sinal de perigo para o UST ocorreu quando uma entidade ou um grupo de entidades fez trocas de UST por outras stablecoins, como o USD Coin (USDC), Tether (USDT) e Dai (DAI), usando o protocolo DeFi Curve. Consequentemente, isso levou a uma queda no preço do UST em relação ao dólar.

Quando o UST caiu abaixo de US$ 1, os traders poderiam “queimar” 1 UST comprando US$ 1 de um token LUNA, aumentando efetivamente a escassez de UST, empurrando seu preço de volta para US$ 1. Quando o valor do UST excedia US$ 1, os tokens Luna podiam ser queimados para criar 1 UST, aumentando a circulação do UST e diminuindo seu preço.

À medida que os detentores de UST começaram a queimar seus UST por LUNA, que estava caindo, mais Luna foi necessária para compensar US$ 1. O algoritmo criou mais tokens, mas isso baixou ainda mais o preço da LUNA, fazendo com que mais unidades do ativo fossem necessárias para compensar US$ 1. Eventualmente, o algoritmo perpétuo fez com que o UST caísse para US$ 0,20 em 11 de maio.

  • Não entendeu algum termo do universo Web3? Confira no nosso Glossário!
  • Quer se manter atualizado em tudo o que é relevante no mundo cripto? O BeInCrypto tem uma comunidade no Telegram em que você pode ler em primeira mão as notícias relevantes e conversar com outros entusiastas em criptomoedas. Confira!
  • Você também pode se juntar a nossas comunidades no Twitter (X)Instagram e Facebook.

Futuro das stablecoins algorítmicas

O fundador da Tron (TRX), Justin Sun, defendeu a Terra em uma entrevista à Bloomberg recentemente. No entanto, ele admite que as stablecoins algorítmicas têm problemas com os quais projetos mais novos podem aprender.

Ele descreveu a incursão da Tron em um USDD de stablecoin algorítmica que funcionaria usando um mecanismo de arbitragem algorítmica semelhante ao Terra para manter sua atrelagem ao dólar americano. A paridade seria mantida pelo financiamento da Alameda Research e do Amber Group, com rendimentos ajustados com base nas “condições de mercado”.

Sun acredita em stablecoins algorítmicas livres de supervisão do governo e não acredita que uma proibição seria algo positivo para a indústria.

“Se amanhã os reguladores decidirem banir as stablecoins, como quando a China anunciou a proibição das criptomoedas, isso representaria grandes riscos para toda a indústria de criptomoedas. Devemos ter uma stablecoin que não seja controlada por terceiros fora das criptomoedas”, disse ele em uma referência velada ao USDC, a stablecoin emitida pela Circle.

Nem todos estão convencidos, no entanto. Ryan Watkins, cofundador da Pangea Fund Management, fundo de hedge de criptomoedas, disse que acha que as stablecoins algorítmicas acabaram.

“Eu estava esperando que a Terra pudesse dar a volta por cima.”

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

4d198a1c7664cbf9005dfd7c70702e03.png
Anderson Mendes
Formado em Administração de Empresas pela Universidade Positivo, Anderson atua como redator para o BeInCrypto há 2 anos. Escreve sobre as principais notícias do mercado de...
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados