Apenas 10% das transações com stablecoins são reais, revela a Visa

2 mins
Traduzido Anderson Mendes

EM RESUMO

  • O painel da Visa revela que apenas 10% das transações de stablecoins em abril eram genuínas.
  • Visa, PayPal e Stripe exploram esse tipo de ativo, mas a adoção global segue sendo um desafio.
  • O potencial é prejudicado pela baixa demanda e complexidade.
  • promo

A Visa e o Allium Labs afirmam que apenas 10% das transações de stablecoins em abril são autênticas. Esta descoberta sugere que esses ativos ainda estão longe de se tornarem um método de pagamento amplamente aceito.

A análise utilizou um painel especializado que exclui transações de bots e grandes comerciantes para se concentrar apenas em atividades genuínas dos usuários.

Apenas Bots e Traders estão usando stablecoins?

Dos surpreendentes US$ 2,2 trilhões em transações totais com stablecoins, apenas US$ 149 bilhões representaram pagamentos orgânicos.

Notadamente, gigantes como PayPal e Stripe estão se aprofundando em stablecoins, incentivados por recentes aprimoramentos técnicos. Por exemplo, o PayPal lançou sua moeda estável, PYUSD. Já o Stripe começou a permitir que os comerciantes aceitem stablecoins para transações on-line, indicando avanços em direção à adoção.

Apenas 10% das transações com stablecoins são reais, revela a Visa
Transações de Stablecoin ajustadas e não ajustadas. Fonte: Bloomberg

O caminho para as stablecoins na indústria de pagamentos ainda está em seus estágios iniciais. Pranav Sood, gerente geral executivo para EMEA da Airwallex, comentou as descobertas.

“As stablecoins ainda estão em um momento muito incipiente em sua evolução como instrumento de pagamento. Isso não quer dizer que não tenham potencial a longo prazo, porque penso que têm. Mas o foco a curto e médio prazo precisa ser garantir que os trilhos existentes funcionem muito melhor”, disse Sood.

A superestimação do volume de transações geralmente resulta da contagem dupla em várias plataformas, explicou Cuy Sheffield, chefe de criptografia da Visa. Por exemplo, converter US$ 100 de USDC em PYUSD em uma plataforma como a Uniswap pode fazer com que US$ 200 sejam registrados como volume.

Apesar do desenvolvimento da infraestrutura e do crescente interesse em stablecoins, a demanda dos consumidores permanece morna. Muitos utilizadores potenciais consideram a tecnologia complexa e pouco fácil de utilizar, o que representa uma barreira significativa à adoção.

Leia mais: Conheça as melhores stablecoins de maio de 2024

Notadamente, os cheques ainda são utilizados para uma parte significativa dos pagamentos empresariais nos EUA, indicando uma lenta mudança para tecnologias mais recentes.

Enquanto isso, a Tether relatou um lucro líquido recorde de US$ 4,52 bilhões no primeiro trimestre de 2024. Essas conquistas financeiras ajudam a companhia a manter a estabilidade e a confiabilidade do USDT, stablecoin mais utilizada no mundo.

No entanto, um aspecto significativo do relatório da Visa é a mudança na dinâmica do mercado entre stablecoins. O USDC ultrapassou o USDT em termos de volume de transações.

“É verdade que o USDT é o líder de longa data do setor, e os lucros recordes obtidos no primeiro trimestre de 2024 pouco fazem para alterar esta posição, mas a realidade é mais sutil do que as manchetes podem transmitir. O volume de transações não reflete esse domínio”, mencionou um relatório da Forbes.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Coinbase Coinbase Explorar
PancakeSwap PancakeSwap Até 50% APR
Margex Margex Explorar
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Coinbase Coinbase Explorar
PancakeSwap PancakeSwap Até 50% APR
Margex Margex Explorar
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

4d198a1c7664cbf9005dfd7c70702e03.png
Anderson Mendes
Membro ativo da comunidade de criptoativos e economia em geral, Anderson é formado pela Universidade Positivo, e escreve sobre as principais notícias do mercado. Antes de entrar para a equipe brasileira do BeInCrypto, Anderson liderou projetos relacionados à trading, produção de notícias e conteúdos educacionais relacionados ao mundo cripto no sul do Brasil.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados