Ver mais

2,5 milhões de altcoins já foram criadas, mas isso não é um bom sinal

3 mins
Atualizado por Thiago Barboza

EM RESUMO

  • O mercado de criptomoedas enfrenta desafios com mais de 2,52 milhões de altcoins.
  • O aumento da oferta de altcoin pressiona os preços, semelhante aos efeitos tradicionais da inflação.
  • São necessárias reformas no mercado para equilibrar os interesses do varejo e do capital de risco, rejuvenescendo a confiança do usuário.
  • promo

O mercado de criptomoedas conta com mais de 2,52 milhões de altcoins criadas. Entenda como isso é um problema

Esse crescimento sem precedentes de novos tokens, embora inicialmente seja um sinal de um mercado em expansão, agora apresenta desafios significativos.

2,52 milhões de altcoins criadas

O mercado de criptomoeda viveu um verdadeiro frenesi em 2020. A liquidez aumentou à medida que investidores de varejo e empresas de capital de risco (VCs) despejaram dinheiro no setor. Os VCs, em particular, investiram pesadamente, contribuindo para o desenvolvimento de vários projetos.

Will Clemente, cofundador da Reflexivity Research, refletiu sobre como a estratégia era simples naquela época. Os investidores precisavam alocar capital em altcoins de alto beta e aproveitar o momento em que elas superavam o desempenho do Bitcoin.

“Em 2020, você entra no espectro de risco, essas coisas terão um beta mais alto do que o Bitcoin e você simplesmente compra todo o vaporware e tudo isso sobe”, explicou Clemente

Essa tendência continuou em 2022, quando o financiamento de capital de risco atingiu um recorde de US$ 11,1 bilhões somente no primeiro trimestre. No entanto, essa enxurrada de capital novo levou a um aumento insustentável no número de altcoins.

Investimento de capital de risco em altcoins. Fonte: PitchBook
Investimento de capital de risco em criptomoedas. Fonte: PitchBook

O número de tokens triplicou entre 2020 e 2022, mas o mercado de baixa que se seguiu foi um duro golpe. Falhas de alto nível, como os colapsos da LUNA e da FTX causaram uma turbulência generalizada no mercado. Os projetos que haviam levantado fundos substanciais optaram por adiar seus lançamentos, esperando por condições de mercado mais favoráveis.

No final de 2023, o sentimento do mercado havia melhorado, provocando um aumento nos lançamentos de novas altcoins. Esse ressurgimento continuou em 2024, com mais de um milhão de novos tokens lançados desde abril. Consequentemente, o número total de altcoins atingiu 2,52 milhões em diferentes blockchains.

“Houve quase 1 milhão de novos cripto-tokens criados no último mês, um número que é o dobro do número total já feito no Ethereum de 2015 a 2023”, disse o diretor da Coinbase, Conor Grogan.

Novas altcoins. Fonte: Dune
Novas altcoins. Fonte: Dune

Embora esses números possam estar inflados devido à facilidade de criar moedas meme, o grande volume de novos tokens é impressionante.

Leia mais: 4 criptomoedas que podem atingir novas máximas em julho de 2024

Como isso prejudica as criptomoedas

Esse dilúvio de novas altcoins é problemático. Quanto mais ativos inundarem o mercado, maior será a pressão cumulativa sobre a oferta.

As estimativas sugerem que um adicional de US$ 150 milhões a US$ 200 milhões em novas moedas entra no mercado diariamente. Essa pressão constante de venda reduz os preços, semelhante à inflação nas economias tradicionais. Por isso, à

“Pense na diluição de tokens como a inflação. Se o governo imprime dólares americanos, isso, por sua vez, reduz o poder de compra do dólar em relação ao custo de bens e serviços. É exatamente a mesma coisa com as criptomoedas”, explicou o analista de cripto Miles Deutscher.

Muitos desses novos tokens têm baixas Avaliações Totalmente Diluídas (FDV) e alta flutuação, exacerbando a pressão e a dispersão da oferta. Assim, esse ambiente seria administrável se uma nova liquidez estivesse entrando no mercado.

No entanto, com capital novo insuficiente, o mercado é deixado para absorver o fluxo constante de novos tokens, levando à supressão de preços.

Alocação de altcoins por projeto. Fonte: Token Unlocks
Alocação de tokens por projeto. Fonte: Token Unlocks

Esse pode ser um dos motivos pelos quais os investidores de varejo relutam em se envolver, sentindo-se em desvantagem em relação aos VCs.

Nos ciclos anteriores, os investidores de varejo podiam obter retornos significativos. Agora, os tokens costumam ser lançados com altas avaliações, deixando pouco espaço para crescimento e, subsequentemente, são prejudicados com o início de seus cronogramas de desbloqueio.

“A inclinação para o mercado privado é um dos maiores problemas do mercado cripto, especialmente em comparação com outros mercados, como o de ações e o imobiliário. Essa inclinação se torna um problema porque o varejo sente que não pode ganhar”, concluiu Deutscher.

Assim, para resolver esse problema, são necessários esforços conjuntos de várias partes interessadas. As exchanges poderiam implementar regras mais rígidas de distribuição de tokens, e as equipes de projeto poderiam priorizar as alocações da comunidade. Além disso, percentuais mais altos de tokens poderiam ser desbloqueados no lançamento, possivelmente com mecanismos para desencorajar o dumping.

O estado atual do mercado reflete a necessidade de um maior pragmatismo. As exchanges devem considerar a retirada de projetos extintos da lista para liberar liquidez. O objetivo deve ser criar um ambiente mais favorável ao varejo que beneficie a todos, incluindo VCs e exchanges.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Coinbase Coinbase Explorar
PancakeSwap PancakeSwap Até 50% APR
Margex Margex Explorar
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Coinbase Coinbase Explorar
PancakeSwap PancakeSwap Até 50% APR
Margex Margex Explorar
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

4d198a1c7664cbf9005dfd7c70702e03.png
Anderson Mendes
Membro ativo da comunidade de criptoativos e economia em geral, Anderson é formado pela Universidade Positivo, e escreve sobre as principais notícias do mercado. Antes de entrar para a equipe brasileira do BeInCrypto, Anderson liderou projetos relacionados à trading, produção de notícias e conteúdos educacionais relacionados ao mundo cripto no sul do Brasil.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados