Ver mais

Alemanha movimenta mais Bitcoin para exchanges e assusta mercado

2 mins
Atualizado por Thiago Barboza

EM RESUMO

  • O governo da Alemanha transferiu grandes quantidades de Bitcoin para exchanges.
  • Ao todo, o governo movimentou um total de 10.838,7 BTC.
  • Governos geralmente vendem criptomoedas apreendidas por moedas fiduciárias.
  • promo

O mercado de criptomoedas em geral entrou em polvorosa na última semana. A causa do pânico foram movimentações substanciais de Bitcoin (BTC) nas carteiras dos governos dos EUA e da Alemanha.

Entretanto, ainda parece ser impossível determinar todos os efeitos desse terremoto em potencial, ainda mais depois de o governo alemão transferir mais criptomoedas para exchanges.

Despejo de tokens influencia o mercado

Salvo exceções, governos não costumam se envolver no trading de criptomoedas. Praticamente todos os tokens que carteiras governamentais possuem advém de apreensões policiais.

Assim, na prática, estas criptomoedas estão paradas e sem contato com o mercado, que se movimenta para atualizar o preço de acordo com essa nova realidade de oferta e demanda.

Leia mais: Previsão de preço do Bitcoin para 2024 / 2025 / 2030

Por outro lado, governos não podem simplesmente usar essas criptomoedas como bem entendem devido a exigências legais. Quando um país precisa usar esses fundos, a lei exige que ele os converta para moedas fiduciárias, um processo que costuma ocorrer em exchanges.

O processo de venda dessas criptomoedas é longo e aberto, o que significa que o mercado inteiro sabe o que vai acontecer em seguida. E o despejo desses tokens, novamente, rompe o delicado balanço entre oferta e demanda.

Em suma, a aparição súbita de uma oferta de criptomoedas cria uma pressão para que os preços caiam. E, como os traders sabem que isso vai ocorrer, eles se movimentam para vender suas participações em alta antes da desvalorização.

Só que isso também gera uma pressão de baixa nos preços. O resultado é uma bola de neve de quedas.

Alemanha continua a vender Bitcoin (BTC)

A apresentação mais recente desse teatro ocorreu no início de julho de 2024, quando tanto o governo dos EUA quanto o da Alemanha movimentaram grandes quantidades de Bitcoin em suas carteiras.

As transferências do país europeu ocorreram para endereços de carteiras em exchanges, algo que indica a intenção de vender. Ao todo, o governo alemão movimentou 3.000 BTC, com valor aproximado de US$ 174,3 milhões.

Na segunda-feira (8), entretanto, a empresa de análise blockchain Arkham Intel relatou uma nova transferência nas carteiras da Alemanha. A nova leva possui, ao todo, mais de 16.000 BTC transferidos a exchanges e market makers.

A movimentação ocorreu em levas, com várias atualizações ao longo do dia. A própria Arkham relatou as transferências em, pelo menos, três tuítes.

As transferências causaram outro abalo no preço do Bitcoin. O preço da criptomoeda era de US$ 62.830,10 no dia 1º de julho. Com o pânico, ele caiu a uma mínima de US$ 55.256 perto do meio dia de segunda-feira. No momento em que este artigo foi finalizado, a criptomoeda mãe valia US$ 56.391.

Embora isto represente uma recuperação leve, ainda é cedo dizer que a fase de queda do BTC terminou.

Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Coinbase Coinbase Explorar
PancakeSwap PancakeSwap Até 50% APR
Margex Margex Explorar
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024
Coinbase Coinbase Explorar
PancakeSwap PancakeSwap Até 50% APR
Margex Margex Explorar
Melhores plataformas de criptomoedas | Junho de 2024

Trusted

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Julia.png
Júlia V. Kurtz
Editora do BeInCrypto Brasil, a jornalista é especializada em dados e participa ativamente da comunidade de Criptoativos, Web3 e NFTs. Formada pelo Knight Center for Journalism in the Americas da Universidade do Texas, possui mais de 10 anos de experiência na cobertura de tecnologia, tendo passado por veículos como Globo, Gazeta do Povo e UOL.
READ FULL BIO
Patrocinados
Patrocinados