Bitcoin btc
$ usd

Inverno cripto congela patrocínios esportivos em 2023

5 mins
10 março 2023, 17:00 -03
10 março 2023, 17:00 -03
EM RESUMO
  • Por que o 'inverno cripto' pode ser uma má notícia para o patrocínio esportivo?
  • O 'inverno cripto' acontece em meio a uma recessão econômica mais ampla, com o custo de vida subindo à medida que a inflação sobe. Os executivos estão examinando os gastos com publicidade, tornando mais difícil garantir o dinheiro do marketing.
  • Pesquisa mostra que as marcas que param de anunciar em uma crise tendem a sofrer.
  • promo

O inverno cripto pode ter múltiplas repercussões de mercado para varejistas e instituições. Este artigo se concentra em como ele está impactando os patrocínios esportivos e os acordos publicitários.

As empresas cripto investem cada vez mais em patrocínios esportivos e publicidade para promover sua marca e produtos. O crescimento da indústria de criptomoedas e a crescente aceitação mainstream de ativos digitais alimentaram essa tendência.

As empresas cripto patrocinaram vários eventos e equipes esportivas, por exemplo, clubes de futebol, basquete e corridas de carros. Alguns exemplos de patrocínios em diferentes gêneros que criaram ondas de publicidade para cripto são mencionados abaixo.

Grandes negócios cripto nos últimos anos

As marcas de criptomoeda ajudaram a NBA a arrecadar US$ 1,64 bilhão em taxas anuais de patrocínio para a temporada 2021-2022. De acordo com um relatório, isso representou um aumento ano a ano (YoY) de 12,50%.

Cinco marcas – Crypto.com, Webull, Coinbase, FTX e Socios – são responsáveis por 92% dos gastos do setor de criptomoedas na NBA. Alguns dos inventários de maior destaque na liga, aliás, como patrocínio de patch de camisa e nomeação.

Fonte: LA Times

A Crypto.com ganhou os direitos de nomeação para a arena do Los Angeles Lakers em um acordo supostamente no valor de US$ 700 milhões ao longo de 20 anos. Além disso, a criptomoeda desempenhou um papel como nove novos patrocinadores de camisas, incluindo o contrato do Philadelphia 76ers com a Crypto.com, no valor de mais de US$ 10 milhões por ano.

Equipes renomadas até integraram moedas digitais em sistemas de pagamento. Em 2021, o Dallas Mavericks da NBA anunciou que aceitaria Dogecoin como pagamento por ingressos e mercadorias. O proprietário da equipe, Mark Cuban, é um defensor vocal das criptomoedas.

Outros esportes seguiram o mesmo movimento

Em 2020, o Southampton, clube de futebol da Premier League inglesa, assinou um contrato de patrocínio com a plataforma de apostas em criptomoedas Sportsbet.io. Em 2019, a equipe de Fórmula 1 Red Bull Racing fez parceria com a empresa de criptomoedas FuturoCoin. Outros grupos como Ferrari e Mercedes colaboraram com Velas blockchain e FTX.

Além dos patrocínios esportivos, as empresas de criptomoedas têm investido em publicidade por meio da mídia esportiva. Por exemplo, durante o Super Bowl de 2022, a FTX exibiu um comercial com as estrelas da NFL Tom Brady e Patrick Mahomes.

Havia anúncios do Super Bowl, uma arena e endossos de celebridades. Os comerciais de TV chegaram durante o noticiário noturno.

As empresas cripto estavam gastando em qualquer lugar e em todos os lugares. Na verdade, até outubro de 2022, as marcas relacionadas à criptomoeda desembolsaram US$ 223 milhões em anúncios nos EUA. Isso aumentou 150% em relação aos US$ 89 milhões em todo o ano de 2021, de acordo com o MediaRadar.

Fonte: MediaRadar

A indústria esportiva se tornou um alvo essencial para as empresas de criptomoedas, pois buscam alcançar novos públicos e promover seus produtos.

2022: o ano de múltiplos colapsos

Muitos dos múltiplos colapsos no domínio cripto já foram abordados. O mais recente foi o da FTX, uma das maiores exchanges de criptomoedas. Dado o grave efeito de contágio, a indústria testemunhou uma queda significativa da capitalização de mercado abaixo da marca de US$ 1 trilhão.

O chamado “inverno cripto”, juntamente com uma desaceleração econômica mais ampla, que está vendo o custo de vida subir à medida que a inflação sobe, injetou muito medo no domínio. Instituições cripto como a Coinbase, Crypto.com e Binance sofreram. Os executivos seniores examinaram os gastos com publicidade nesse cenário, tornando mais desafiador garantir os dólares de marketing.

No terceiro trimestre de 2022, os principais anunciantes de criptomoedas gastaram apenas US$ 35 milhões em anúncios, de acordo com o MediaRadar. Isso representou uma queda de 80% em relação ao primeiro trimestre, que recebeu um grande impulso do maior evento esportivo do país – o Super Bowl.

Grant Harbin, CEO da empresa de marketing de desempenho Headlight falando ao BeInCrypto, declarou:

“O inverno cripto é um inverno publicitário cripto. Provavelmente, há pouca consideração em aumentar os orçamentos de publicidade no momento.”

As condições adversas do mercado fizeram com que várias coortes de criptomoeda reduzissem seu orçamento de marketing.

Nenhum nome cripto avistado

Para começar, o Super Bowl em 2023, denominado Super Bowl LVII, apresentou um cenário completamente diferente. A maioria dos anúncios do evento esportivo veio de empresas de bebidas alcoólicas e alimentos.

Outros eventos também testemunharam a mesma cena em que os grandes nomes do domínio cripto desapareceram. Por exemplo, o evento de Fórmula 1.

Uma imagem muito diferente surgiu quando a equipe divulgou seus carros de 2023 na corrida de estreia desta temporada no último fim de semana. Embora todas as equipes tivessem pelo menos um patrocinador cripto no ano anterior, esse número agora caiu para 60% – e parece provável que caia ainda mais.

Fonte: Bloomberg

Grandes nomes como a Mercedes, representando o heptacampeão mundial Lewis Hamilton, foram os primeiros a remover o patrocínio da FTX. A Mercedes pode ter uma reclamação no processo de falência da FTX, mostram os registros, e em 2023, não possui outros patrocinadores nativos de criptomoedas.

Notavelmente, a Ferrari se separou de uma parceria de vários anos com a Velas Blockchain. Da mesma forma, a equipe de corrida Red Bull encerrou seu relacionamento com a Tezos.

As principais falências e quebras de 2022, portanto, colocaram uma sombra sinistra na indústria. A despesa de patrocínio varia de uma equipe para outra, dependendo do tamanho. De acordo com um pesquisador, o custo varia de US$ 500.000 a US$ 750.000 para empresas menores a milhões para corporações gigantes.

“Com os preços dos tokens caindo tanto, não é de admirar que algumas empresas de criptomoedas estejam recuando.”

Países como Cingapura até proibiram completamente os anúncios de criptomoedas.

Colocar um fim à publicidade pode afetar uma marca

Seja no domínio cripto ou no setor tradicional, os grupos são atingidos quando interrompem sua onda de publicidade. As marcas podem enfrentar problemas de vendas quando param de anunciar.

Fonte: Twitter

A publicidade é fundamental na criação de consciência, na construção do reconhecimento da marca e na formação das percepções do consumidor sobre um produto ou serviço. Quando uma marca para de anunciar, ela corre o risco de perder visibilidade e reconhecimento entre os consumidores.

Com a publicidade, uma marca pode manter sua posição no mercado e competir com outras marcas que continuam a anunciar. Com o tempo, os consumidores podem esquecer a marca ou perder o interesse em seus produtos ou serviços.

Isso pode resultar em queda nas vendas e na participação de mercado. Além disso, interromper a publicidade também pode afetar a reputação e a imagem de uma marca.

Se uma marca repentinamente contiver publicidade, ela pode ser vista como menos estável, próspera ou comprometida com seus clientes. Isso pode criar uma percepção negativa da marca e prejudicar seu apelo aos consumidores.

Em suma, enquanto outros fatores podem impactar as vendas de uma marca, interromper a publicidade pode, sem dúvida, levar a problemas de vendas e outras consequências negativas.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.

Patrocinados
Patrocinados